SILVIO DUTRA

 -  - SILVIO DUTRA
Total Visualizações: 6292
Texto mais lido:
Há Alguma Coisa Difícil Demais para o Senhor? – P 2 - Total: 264
Educares são nossos pontos, nossa pontuação! Educares: 286
10 Autores mais recentes...
ALEXANDRE DORNELES DE BRITO PINNA
SALETI HARTMANN
ELIZABETH PEREIRA DA SILVA
ELLENDRA VALENTINE
ONIVAN BARBOSA PANTOJA
THALLES CAKAN
ADALTO FREITAS
PERGENTINO JUNIOR
MARIA DO SOCORRO DOMINGOS
PAOLA CAMILA DOS SANTOS ESQUIVEL
10 Autores mais lidos...
613 SEDNAN MOURA
SEDNAN MOURA
Total: 1197740
285 ALEXANDRE BRUSSOLO
ALEXANDRE BRUSSOLO
Total: 225577
272 PEDRO VONO
PEDRO VONO
Total: 109994
1121 THALYA SANTOS
THALYA SANTOS
Total: 79896
190 DIRCEU DETROZ
DIRCEU DETROZ
Total: 78530
622 EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
Total: 43055
218 ZILDO GALLO
ZILDO GALLO
Total: 28205
496 ALBERTO DOS ANJOS COSTA
ALBERTO DOS ANJOS COSTA
Total: 27678
189 LADISLAU FLORIANO
LADISLAU FLORIANO
Total: 25565
385 ANDRADE JORGE
ANDRADE JORGE
Total: 23097
Sala de Leitura
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto TituloTexto



Total de visualização: 136
Textos & Poesias
Imprimir

Total Votos: 0
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!
  Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

Hebreus 1 - Versos 8 e 9 – P2


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

John Owen (1616-1683)
Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

I. A conferência e a comparação das Escrituras é um excelente meio de chegar a um conhecimento da mente e da vontade de Deus nelas. Assim, trata o apóstolo neste lugar. Ele compara o que se fala dos anjos em um só lugar, e o que é do Filho em outro, e daí se manifesta o que é a mente de Deus a respeito deles. Este dever está no comando que temos para "pesquisar as Escrituras", João 5:39, faça uma investigação diligente da mente de Deus nelas, "comparando as coisas espirituais com espirituais", o que o Espírito tem declarado da mente de Deus em um só lugar, com o que da mesma forma manifestou em outro. Deus, para exercitar a nossa obediência e diligência para um estudo na sua Palavra dia e noite, Salmos 1: 2, e nossa contínua meditação sobre ela, 1 Timóteo 4:15, "Medita estas coisas e nelas sê diligente, para que o teu progresso a todos seja manifesto.", plantou suas verdades com grande variedade para cima e para baixo em sua Palavra; sim, aqui uma parte, e há outra da mesma verdade; o que não pode ser aprendido, a menos que os juntemos em uma única visão. Por exemplo, em um só lugar, Deus nos ordena que circuncidemos nossos corações, e façamos novos corações para que possamos temê-lo; que na primeira consideração parece representar isso, não apenas como nosso dever, mas também no nosso poder, como se não tivéssemos necessidade de nenhuma ajuda da graça para sua realização. Em outro ele prometeu absolutamente circuncidar nossos corações e dar novos corações para temê-lo; como se fosse assim o seu trabalho para não ser nosso interesse em tentar. Mas agora esses vários lugares são comparados espiritualmente entre si, tornam evidente que, como é nosso dever ter corações novos e circuncidados, é assim a graça efetiva de Deus que deve funcionar e criá-los em nós. E coisas semelhantes podem ser observadas em todas as verdades importantes que são de revelação divina. E isso, - 1. Descobre a raiz de quase todos os erros e heresias que estão no mundo. Homens cujos corações não são subjugados pela fé e pela humildade para a obediência da verdade, iluminando algumas expressões na Escritura, que, consideradas individualmente, parecem dar suporte a alguma opinião que eles estão dispostos a abraçar, sem mais pesquisas que fixam em suas mentes e imaginações, até que seja tarde demais para se opor a qualquer coisa; pois quando eles são fixados em suas persuasões, esses outros lugares da Escritura que eles deveriam com humildade compararem com aquele a cujo sentido aparente eles se uniram, e por isso aprendem a mente do Espírito Santo neles todos, são considerados por eles para nenhum outro fim, mas apenas como eles podem pervertê-los, e libertar-se da autoridade deles. Isto, eu digo, parece ser o caminho da maioria daqueles que se fixam em falsas e tolas opiniões. Eles assumem um sentido aparente de alguns lugares particulares, e então obstinadamente fazem desse sentido a regra para interpretar todas as outras Escrituras no que quer que seja. Assim, em nossos dias, temos muitos que, a partir do som externo dessas palavras, João 1: 9, "Ele é a verdadeira luz, que ilumina todo homem que vem ao mundo", tendo tomado uma erupção, uma tola e falsa imaginação de que Cristo é aquela luz que permanece em todos os homens, e nela o seu guia e a sua regra, fazem daqueles que arranjam toda a Escritura para fazer com que se adaptem e respondam a essa suposição, ou que sejam completamente superficiais; quando, se comparassem com outras Escrituras, que claramente explicam e declaram a mente de Deus nas coisas que dizem respeito à pessoa e à mediação do Senhor Jesus Cristo, com a natureza e as obras de luz espiritual natural e salvadora, e submetidas à autoridade e sabedoria de Deus nelas, eles poderiam ter sido preservados de sua ilusão. Mostra também, - 2. O perigo que existe para os homens não qualificados e sem exercícios na Palavra da verdade, quando, sem o conselho, a assistência ou a direção de outros que são capazes de guiá-los e instruir sua investigação segundo a mente de Deus , eles abraçam rapidamente opiniões que pode ser um texto ou outro da Escritura aparentemente dando-lhes uma semelhança. Por este meio, os homens correm para o perigo antes mencionado, especialmente onde qualquer espírito sedutor se aplica a eles com palavras dilatadas de vaidade, vangloriando-se de alguma palavra incompreendida ou outra. Assim, vimos multidões lideradas, por alguma expressão geral, em dois ou três lugares da Escritura, em uma opinião sobre uma redenção geral de toda a humanidade e de cada indivíduo; quando, se tivessem sido sábios e capazes de ter pesquisado as outras Escrituras, inumeráveis, apresentando o eterno amor de Deus aos seus eleitos, seu propósito de salvá-los por Jesus Cristo, a natureza e o fim de sua expiação e resgate, e os comparando com os outros, eles entenderiam a vaidade de suas concepções precipitadas. 3. A partir destas coisas, parece que diligência, paciência, espera, sabedoria, são exigidos de todos os homens que pesquisam as Escrituras, que pretendem chegar assim ao reconhecimento da verdade. E para este fim, e por causa da grandeza de nossa preocupação, a própria Escritura abunda com preceitos, regras, direções, para nos permitir uma descarga correta e lucrativa de nosso dever. Eles são muitos aqui para serem inseridos. Só acrescentarei que a diligência dos pagãos se levantará em julgamento e condenará a preguiça de muitos que são chamados de cristãos nesta matéria; pois, enquanto eles não tinham nenhuma regra, jeito ou meio certo para chegar ao conhecimento da verdade, ainda não cessaram com diligência infatigável e trabalho para indagá-la e traçar os passos obscuros do que restava nas suas próprias naturezas ou implantadas nas obras da criação; mas muitos, a maioria daqueles a quem Deus concedeu o inestimável benefício e privilégio de sua Palavra, como um guia seguro e infalível para levá-los ao conhecimento de toda a verdade útil e salvadora, negligenciam-no abertamente, não contabilizando sua dignidade pesquisa, estudo e exame diligente. Quão dolorosamente isso se levantará em julgamento contra eles no último dia não é difícil de conceber. E quanto maior será a sua miséria que, sob vários pretextos, por seus próprios fins corruptos, dissuade, sim, e expulsa os outros do estudo!
II. É dever de todos os crentes se regozijarem na glória, honra e domínio de Jesus Cristo. A igreja no salmo leva pela fé uma perspectiva, a uma grande distância, da sua vinda e glória, e explode sobre ela de certa forma de exultação e triunfo nessas palavras: "O teu trono, ó Deus, é para sempre". E se isso fosse uma questão de tanta alegria para eles, que tinha apenas uma visão obscura e representação da glória que muitas eras depois deveriam seguir, 1 Pedro 1: 11,12, o que deve ser a realização completa e a manifestação para os que creem agora nos dias do evangelho! Isso fez os antigos "regozijarem-se com alegria indescritível e cheios de glória", mesmo porque viram e ouviram o que os reis, sábios e profetas desejavam ver e não os viram, "Deus providenciando coisas melhores para nós, que eles sem nós não deveriam ser aperfeiçoados", Hebreus 11:40. Porque, - 1. Aqui Deus é glorificado. O reino de Cristo é a glória de Deus; assim é o nome dele e o elogio exaltado no mundo; e, portanto, sobre a ereção e a configuração, é todo o seu povo tão fervorosamente convidado a se alegrar e triunfar nele, Salmos 94: 1-3, 96: 1-4, 97: 1 2, etc. Isto, digo, é uma causa da alegria eterna para todos os seus santos, que Deus se agrada em glorificar a si mesmo e a todas as infinitas excelências de sua natureza no reino e no governo de Jesus Cristo. 2. Aqui a honra e a glória de Cristo como mediador consistem; que é uma grande alegria para todos os que o amam com sinceridade. Ele diz a seus discípulos, João 14:28, que se eles o amavam, eles se alegrariam porque dizia que ele foi ao Pai. Eles consideravam apenas a própria condição presente e angústia, estando cheios de tristeza porque ele havia falado sobre sua partida. "Mas," disse ele, "onde está o seu amor por mim? Vocês não devem ter isso em seus corações, bem como cuidar de si mesmos? Para sua condição, eu terei cuidado e providenciei sua segurança; e se vocês me amam, não podem deixar de se alegrar porque eu vou ao meu Pai para receber meu reino." Que aquele que nos amou, que se entregou por nós, que sofreu tudo o que é reprovador ou miserável por nossa causa, agora está exaltado, glorificado, entronizado em um reino eterno e inabalável, acima de todos os seus inimigos, seguro de toda oposição, é uma questão de alegria inexprimível, se tivermos algum amor a ele. 3. Nosso próprio interesse, segurança, felicidade presente e futura, está aqui. Nosso tudo depende do reino e do trono de Cristo. Ele é nosso rei se somos crentes; nosso rei, para governar, proteger e salvar-nos, para nos defender contra a oposição, nos fornecer força, guiar-nos com conselhos, subjugar nossos inimigos, dar-nos nossa herança e recompensa: e, portanto, nosso principal interesse está no seu trono, a glória e a estabilidade do mesmo. Enquanto ele reina, estamos seguros, e no nosso caminho para a glória. Para ver, por fé, este rei em sua beleza, no seu trono, alto e levantado, e sua glória enchendo o templo; para ver todo o poder que lhe foi confiado, todas as coisas entre suas mãos, e ele eliminando todos e governando todas as coisas para o proveito de sua igreja; deve fazer com que eles se regozijem com todo o interesse nele. 4. O mundo inteiro, toda a criação de Deus, está preocupado neste reino de Cristo. Deixando de lado seus inimigos amaldiçoados no inferno, toda a criação se beneficia com o seu domínio; pois, como alguns homens são feitos participantes da graça salvadora e da salvação, assim, o resíduo daquela raça, por e com eles, recebe vantagens indescritíveis na paciência e tolerância de Deus, e a própria criação em si é levantada como se fosse uma esperança e expectativa, portanto, da libertação desse estado de vaidade a que agora está sujeita, Romanos 8: 19-21. De modo que, se nos emocionarmos com a glória de Deus, a honra de Jesus Cristo, nosso único e eterno interesse, com a vantagem de toda a criação, temos que nos alegrar neste trono e reino do Filho.
III. É a natureza divina do Senhor Jesus Cristo que dá eternidade, estabilidade e imutabilidade ao seu trono e reino: "O teu trono, ó Deus, é para sempre". Quanto a isto, veja o que antes foi entregue sobre o reino de Cristo.
IV. Todas as leis e toda a administração do reino de Cristo pela sua palavra e Espírito são justos e santos. Seu cetro é um cetro de justiça. O mundo, na verdade, não gosta deles; todas as coisas do seu governo parecem fracas, absurdas e tolas, 1 Coríntios 1: 20,21. Mas eles são de outra forma, o Espírito Santo sendo juiz, e eles aparecem aos que creem: sim, seja o que for necessário para tornar as leis e as administrações justas, todas concordam com as do Senhor Jesus Cristo; como, - 1. Autoridade. É necessária uma autoridade justa e plena para a promulgação de leis justas. Sem isso, regras e preceitos podem ser bons materialmente, mas não podem ter a formalidade da lei, que depende da justa autoridade do legislador, sem a qual nada pode se tornar uma lei justa. Agora, o Senhor Jesus Cristo é investido de autoridade suficiente para a promulgação de leis e regras de administração em seu reino. Toda autoridade, todo poder no céu e na terra, está comprometida com ele, como antes provamos em geral. E, portanto, aqueles que não verão a justiça de seu governo serão forçados, por fim, a se curvar sob a excelência de sua autoridade. E deveria ser desejado que aqueles que se comprometerem a fazer leis e constituições no reino de Cristo fariam bem com a sua garantia; pois parece que o Senhor Jesus Cristo, a quem todo o poder é cometido, não delegou nenhum para os filhos dos homens, mas somente para o qual eles ensinam os outros a fazer e observar o que ele ordenou, Mateus 28:20. Se, além disso, eles devem mandar ou designar o seu próprio, eles podem fazer bem para considerar por qual autoridade eles o fazem, visto que é indispensável para a justiça de qualquer lei. 2. A sabedoria é necessária para a elaboração de leis justas. Este é o olho da autoridade, sem o qual não se pode agir de forma justa. Os efeitos do poder sem sabedoria são comumente injustos e tirânicos, sempre inúteis e onerosos. A sabedoria dos legisladores é aquilo que lhes deu principalmente seu renome. Então Moisés disse aos israelitas que todas as nações os admiravam, quando perceberam a sabedoria de suas leis, Deuteronômio 4. Agora, o Senhor Jesus Cristo é abundantemente mobilizado com sabedoria para este propósito. Ele é o fundamento da igreja, que tem sete olhos sobre ele, Zacarias 3: 9, - uma perfeição de sabedoria e entendimento em todos os seus assuntos, - sendo ungido com o Espírito para esse propósito, Isaías 11: 2-5. Sim, "nele estão escondidos todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento", Colossenses 2: 3; tendo "agradado ao Pai que, nele, habite toda a plenitude", Colossenses 1:19. Para que não haja defeito nas suas leis e administrações nesta conta. Ele é sábio de coração e sabe perfeitamente quais regras e os atos são adequados à glória de Deus e à condição dos assuntos do seu reino, e o que eleva a sua vantagem espiritual e eterna. Ele sabe como encomendar todas as coisas até o grande fim que ele tem no seu governo. E daí todas as suas leis e administrações se tornam justas. E isso também merece bem a consideração daqueles, que se propõem a designar leis e regras dentro do seu domínio, aos seus súditos, para os fins de seu domínio e substância de sua adoração. Eles têm sabedoria suficiente para permitir que façam isso? O Espírito do Senhor Jesus Cristo repousa sobre eles, para fazê-los de compreensão rápida no temor do Senhor? Estão familiarizados com o estado e a condição, a fraqueza, as tentações, as graças de todos os do povo de Cristo? Se eles não estão, como eles sabem, mas que eles podem comandar e nomeá-los muito em sua desvantagem, como pensam em beneficiá-los? Parece uma grande autossuposição, para que os homens se suportem suficientemente sábios para dar leis aos assuntos de Cristo nas coisas que pertencem diretamente ao seu reino. 3. Eles são justos, porque são fáceis, gentis e não onerosos. A justiça aqui mencionada não denota uma justiça rígida e severa, estendendo-se ao máximo do que pode ser exigido para que os assuntos sejam governados; mas a equidade misturou-se com mansidão, ternura e condescendência: que, se estiver ausente das leis, e não respiram senão severidade, rigor e imposições arbitrárias, embora não sejam absolutamente injustas, mas são penosas e pesadas. Assim, Pedro chama a lei dos mandamentos contidos nas ordenanças de antigamente, um jugo que nem seus pais nem eles podiam suportar, Atos 15:10; isto é, nunca poderia obter descanso ou paz na observação precisa e rígida exigida. Mas agora, para a regra de Cristo, ele nos diz que "seu jugo é suave e seu fardo é leve", Mateus 11:30; e que "seus mandamentos não são penosos", 1 João 5: 3. E essa gentileza e suavidade da regra de Cristo consistem nestas três coisas: - (1.) Que seus mandamentos são todos razoáveis e adequados aos princípios dessa obediência natural que devemos a Deus; e não é penoso em nada em nós senão o princípio do pecado e das trevas que deve ser destruído. Ele não multiplicou os preceitos meramente arbitrários e expressou sua autoridade, mas nos deu apenas os que são bons e adequados aos princípios da razão; como pode ser evidenciado pela consideração particular de suas instituições. Daí a nossa obediência a eles é chamada de "nosso culto racional", Romanos 12: 1. (2.) Seus comandos são suaves, porque todos eles se adequam ao princípio da nova natureza ou nova criatura que ele trabalha nos corações de todos os seus discípulos. Gosta deles, os ama, deleita-se neles; o que os suaviza. O Senhor Jesus Cristo governa, como dissemos, pela sua palavra e Espírito; estes se juntam na aliança do Redentor, Isaías 59: 20,21. E o seu trabalho é adequado e proporcional ao outro. O Espírito cria uma nova natureza adequada à obediência segundo a palavra, e a palavra dá leis e preceitos adequados à inclinação e disposição dessa natureza; e nestes dois consistem o cetro e a regra de Cristo. Esta conveniência de princípio e uma regra um para o outro torna seu governo suave e justo. (3.) Seus mandamentos são leves, porque ele sempre dá provisões de seu Espírito para fazer seus súditos dar-lhes obediência. Isto é o que, acima de tudo, cria um brilho sobre o seu governo. A lei era santa, sim, e antiga; mas enquanto não estendia a força aos homens para capacitá-los para a obediência, tornou-se para eles totalmente inútil, quanto ao fim que visavam em sua observação. É de outra forma no reino de Cristo. Tudo o que ele exige ser feito pelos seus súditos, ele os capacita por seu Espírito e graça para executá-lo; o que torna sua regra suave e justa, e completamente amável. Nem qualquer um dos filhos dos homens pode pretender menos compartilhar ou se interessar por esse privilégio. (4.) Esta regra e administração do reino de Cristo é justa, porque é útil e lucrativa. Então são leis boas, saudáveis e justas, quando conduzem ao benefício e à vantagem daqueles que as observam. As leis sobre coisas leves e triviais, ou como os homens, não têm benefício ou vantagem por sua observação, são justas e estimadas doloroso e oneroso. Mas agora, todas as leis e regras inteiras do Senhor Jesus Cristo são todas úteis e vantajosas para seus súditos. Ele os torna santos, justos, - por exemplo, para Deus e são úteis para a humanidade. Esta é a sua natureza, essa é a sua tendência. "Tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de bom testemunho", todos são gerados na alma e observando essas leis do governo de Cristo. Elas libertam a alma do poder da luxúria, do serviço do pecado, do medo da morte, do inferno e do mundo, guiam-nos na verdade, tornam-se frutíferos entre os homens e amáveis com o próprio Deus. (5.) O fim deles os manifesta como justos. O valor e a equidade das leis são retirados quando se propõem fins baixos e indignos para sua observação. Mas aqueles do Senhor Jesus Cristo direcionam ao fim mais alto, propõem e prometem as mais gloriosas recompensas; para que tudo o que for feito ou sofrido em uma adesão a eles não tem proporção com essa recompensa rica e eterna que eles são atendidos; o que os torna altamente justos e gloriosos. E muitas outras considerações da natureza similar podem ser adicionadas. E, portanto, um corolário triplo pode ser tomado: - [1.] Que a nossa submissão a este cetro do Senhor Jesus Cristo, a nossa obediência às leis do seu reino e a sua administração seja muito justa, equânime e racional. O que pode ser mais desejado para torná-lo assim, ou para provocar-nos a ele? [2.] Que a condenação daqueles que recusam o reinado de Cristo sobre eles, que não obedecerão às suas leis, é justa. Sobre essas contas, suas bocas serão caladas para sempre, quando ele vier lidar com aqueles que não conhecem a Deus e não obedecem ao evangelho. [3.] É nossa sabedoria se contentar com as leis de Cristo nas coisas que pertencem ao seu reino. Só elas, como vimos, têm as propriedades que tornam nossa obediência útil ou lucrativa; tudo o que fazemos, em referência ao mesmo fim sem elas, é inútil e infrutífero. As administrações justas do Senhor Jesus Cristo em seu governo procedem de sua própria justiça e amor habituais. Veja isto declarado pelo profeta, Isaías 11: 1-9.
VI. Deus é um Deus em aliança especial com o Senhor Jesus Cristo, como ele é o mediador: "Deus, teu Deus". Por causa dessa aliança, eu tratei em grande parte em outro lugar e, portanto, não inseri aqui sobre isso. O agrupamento do Espírito sobre o Senhor Jesus Cristo e sua gloriosa exaltação são as obras peculiares de Deus Pai: "Deus, teu Deus, te ungiu." Foi Deus o Pai que o designou e designou a sua obra, quem realmente o enviou, e colocou-o na plenitude dos tempos; e, portanto, sobre ele, era incumbente tanto fornecer-lhe a sua obra quanto coroá-lo sobre o seu desempenho. E, neste contexto, esses vários atos, em parte eternos, em parte temporais, são considerados: - 1. O engajamento da vontade eterna, sabedoria e conselho do Pai com o Filho sobre sua obra, Provérbios 8: 22,23,30,31; Isaías 53: 10-12. 2. Sua preordenação de sua vinda, por um eterno ato livre de sua vontade, 1 Pedro 1:20; Atos 2:23. 3. Sua aliança com ele para cumprimentá-lo durante todo o curso de sua obra, Isaías 49: 6-9, 50: 7-9. 4. Sua promessa dele desde a fundação do mundo, muitas vezes reiterada e repetida, Gênesis 3:15. 5. Sua missão real e envio dele na sua encarnação, Zacarias 2: 8-10. 6. O exercício de seu poder todo-poderoso para esse propósito e efeito, Lucas 1:35. 7. Sua entrega dele comando e comissão para o seu trabalho, João 10:18, 20:21. 8. Fornecendo-o com todos os dons e graças do seu Espírito, para capacitá-lo para a sua obra, Isaías 11: 2,3, 61: 1-3; Mateus 3: 16,17; João 1: 32,33; Colossenses 1:19. 9. Permanecendo com ele com cuidado, amor, poder e providência, durante todo o curso de sua obediência e ministério, Isaías 49: 2,8. 10. Falando nele, trabalhando por ele, e em ambos testemunhando dele, Hebreus 1: 1,2; João 5:36. 11. Entregando-o à morte, Romanos 8:32; Atos 2:23. 12. Levantando-o dentre os mortos, 1 Pedro 1:21; Atos 2:24. 13. Dando-lhe todo poder, autoridade e juízo, João 5:22; Mateus 28:18. 14. Exaltação dele por sua ascensão ao céu e glorioso assentar-se à sua direita, Atos 2: 32,33; Filipenses 2: 9,10. 15. Dando-lhe como cabeça sobre toda a igreja, e sujeitando todas as coisas debaixo dos seus pés, Efésios 1: 20-22. 16. Em todas as coisas que o coroam com glória e honra eternas, João 17: 5; Hebreus 2: 9. Todos estes e outros detalhes de natureza semelhante são atribuídos ao Pai como parte de sua obra em referência à mediação do Filho; e entre eles, sua exaltação e unção com o óleo de alegria tem um lugar eminente. E isso é que ensinamos que, em todo este trabalho, possamos ver a autoridade, o conselho e o amor do Pai, para que nossa fé e esperança através de Jesus Cristo possa estar em Deus, que o ressuscitou dentre os mortos, e lhe deu glória, 1 Pedro 1: 21.
VIII. O Senhor Jesus Cristo é singular nesta unção. Isto é o que o apóstolo prova em vários casos, e comparando-o com os outros, que da maneira mais eminente foram participantes. E isso nós estamos na consideração, como os detalhes disso ocorrem. Também não devo insistir mais nas observações subsequentes, porque não vou mais reter o leitor do contexto, isto é, que –
IX. Todos os que servem a Deus na obra de construção da igreja, de acordo com sua nomeação, são ungidos pelo seu Espírito e serão recompensados pelo seu poder, Daniel 12: 3.
X. Os discípulos de Cristo, especialmente aqueles que o servem em sua igreja com fidelidade, são seus companheiros em toda a sua graça e glória.

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login. Mais textos de SILVIO DUTRA:
A Adoração no Culto Público Autor(a):
A Aliança Eterna, o Suporte do Crente sob Aflição Autor(a):
Amor a Deus Autor(a):
Como Ir para o Céu Autor(a):
Confessar e se Arrepender em vez de se Endurecer Autor(a):
Conforto para os Cristãos – Parte 1 Autor(a):
Conforto para os Cristãos – Parte 2 Autor(a):
Conforto para os Cristãos – Parte 3 Autor(a):
Conforto para os Cristãos – Parte 4 Autor(a):
Deus nos Ordena Sermos Santos Porque Ele é Santo Autor(a):
Domínio do Pecado ou da Graça Autor(a):
Há Alguma Coisa Difícil Demais para o Senhor? – P 1 Autor(a):
Há Alguma Coisa Difícil Demais para o Senhor? – P 2 Autor(a):
Hebreus 1 - Versos 10 a 12 – P1 Autor(a):
Hebreus 1 - Versos 10 a 12 – P2 Autor(a):
Hebreus 1 - Versos 8 e 9 – P1 Autor(a):
Hebreus 1 - Versos 8 e 9 – P2 Autor(a):
Hebreus 1 – Versículos 1 e 2 Autor(a):
Hebreus 2 - Verso 1 – P1 Autor(a):
Hebreus 2 - Verso 1 – P2 Autor(a):
Hebreus 2 - Versos 2 a 4 – P1 Autor(a):
Hebreus 2 - Versos 2 a 4 – P2 Autor(a):
Hebreus 2 - Versos 2 a 4 – P3 Autor(a):
Hebreus 2 - Versos 2 a 4 – P4 Autor(a):
Hebreus 2 - Versos 5 a 9 – P1 Autor(a):
Hebreus 2 - Versos 5 a 9 – P2 Autor(a):
Hebreus 2 - Versos 5 a 9 – P3 Autor(a):
Início, Meio, Fim e Recomeço – Parte 1 Autor(a):
Início, Meio, Fim e Recomeço – Parte 2 Autor(a):
John Owen - Hebreus 1 - Versos 4 e 5 – P1 Autor(a):