SILVIO DUTRA

 -  - SILVIO DUTRA
Total Visualizações: 6637
Texto mais lido:
Há Alguma Coisa Difícil Demais para o Senhor? – P 2 - Total: 274
Educares são nossos pontos, nossa pontuação! Educares: 291
10 Autores mais recentes...
MILTON JORGE DA SILVA
CELSO GABRIEL DE TOLEDO E SILVA
MARIA DE SOUZA CEZAR
EVERALDO JOSÉ CAVALHEIRO PAVÃO
JOSE JOÃO BOSCO PEREIRA
RUAN VIEIRA
FERNANDO DANIEL FRANCO DE CAMARGO
ELIAS OLIVEIRA DE JESUS
MARISA BARBOSA CAJADO
FATIMA HELUANY ANTUNES NOGUEIRA NOGUEIRA
10 Autores mais lidos...
613 SEDNAN MOURA
SEDNAN MOURA
Total: 1313262
285 ALEXANDRE BRUSSOLO
ALEXANDRE BRUSSOLO
Total: 238217
272 PEDRO VONO
PEDRO VONO
Total: 110815
190 DIRCEU DETROZ
DIRCEU DETROZ
Total: 102074
1121 THALYA SANTOS
THALYA SANTOS
Total: 85808
622 EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
Total: 47578
218 ZILDO GALLO
ZILDO GALLO
Total: 30734
496 ALBERTO DOS ANJOS COSTA
ALBERTO DOS ANJOS COSTA
Total: 29250
189 LADISLAU FLORIANO
LADISLAU FLORIANO
Total: 27810
385 ANDRADE JORGE
ANDRADE JORGE
Total: 24238
Sala de Leitura
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto TituloTexto



Total de visualização: 133
Textos & Poesias
Imprimir

Total Votos: 0
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!
  Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

Hebreus 1 - Versos 10 a 12 – P1


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

John Owen (1616-1683)

Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

“10 Ainda: No princípio, Senhor, lançaste os fundamentos da terra, e os céus são obra das tuas mãos;
11 eles perecerão; tu, porém, permaneces; sim, todos eles envelhecerão qual veste;
12 também, qual manto, os enrolarás, e, como vestes, serão igualmente mudados; tu, porém, és o mesmo, e os teus anos jamais terão fim.” (Hebreus 1.10-12)

Nestes versículos, o apóstolo, por outro testemunho ilustre, retirado do Salmo 102, confirma a sua afirmação principal, nas palavras que se seguem.
“25 Em tempos remotos, lançaste os fundamentos da terra; e os céus são obra das tuas mãos.
26 Eles perecerão, mas tu permaneces; todos eles envelhecerão como uma veste, como roupa os mudarás, e serão mudados.
27 Tu, porém, és sempre o mesmo, e os teus anos jamais terão fim.” (Salmos 102.25-27)
As palavras são as mesmas nas Bíblias gregas como neste lugar do apóstolo, nem há nenhum passo de qualquer outra tradução antiga delas no salmo.
“Eles perecerão...” 2 Pedro 3:10: “Virá, entretanto, como ladrão, o Dia do Senhor, no qual os céus passarão com estrepitoso estrondo, e os elementos se desfarão abrasados; também a terra e as obras que nela existem serão atingidas.”
“Tu, porém, permaneces...” "Mas serás como tu és." Corretamente, "e tu, como tu arte, arte, "isto é," é o "No passado", aqui, "no início". "Você fundou", "a terra; e os céus são as obras"- "a obra", que o grego faz "obras", por causa da sua variedade, "das suas mãos". "Eles perecerão, mas você ficará de pé" ou "permanecerá o mesmo".
"Sim, todos eles envelhecerão como uma peça de roupa", aqui: "E todos envelhecerão como uma veste": uma pequena variedade sem diferença, e isso não precisa, o texto grego expressando exatamente o hebraico. "E, como uma veste, você os dobrará;" - "trocá-los-ás". A mudança de uma vestimenta, a que se compara a mudança dos céus, sendo dobrando e deitando, pelo menos do antigo uso, o apóstolo em vez de "você mudará, faz a palavra por "você dobrará" (ou "enrolará") "eles". "Mas você e os teus anos não terão fim", "não falharão", "não serão consumidos". Não há dúvida de que essas palavras demonstram suficientemente a preeminência daquele de quem elas são faladas, incomparavelmente acima de todas as criaturas. Duas coisas, portanto, são questionadas pelos inimigos da verdade contida neles: 1. Se elas foram originalmente faladas em tudo de Cristo, que os judeus presentemente negam. 2. Se elas foram faladas todas de Cristo, que é questionado pelos socinianos. Estas consultas são satisfeitas pela primeira vez, as palavras devem ser abertas e a força do argumento do apóstolo foi declarada. 1. Que o que é dito neste salmo respeite adequadamente ao Messias é negado pelos judeus presentemente. Que era propriedade dos antigos hebreus é suficientemente evidente a partir daí, que o apóstolo, lidando com eles em seus próprios princípios, os ajude com o testemunho disso. O salmo também nos fornece luz suficiente na mesma instrução. É parcialmente ético, em parte profético; ambas as partes se adequavam à condição da igreja quando o templo foi destruído, e Sião ficou no pó durante o cativeiro em Babilônia. Na parte profética há três coisas: - (1.) A redenção do povo, com a reedificação do templo, como um tipo desse templo espiritual e adoração que depois foram erguidos: como o versículo 13, " Levantar-te-ás e terás piedade de Sião; é tempo de te compadeceres dela, e já é vinda a sua hora;" e o versículo 16: " porque o SENHOR edificou a Sião, apareceu na sua glória,". (2.) O chamado dos gentios para a igreja e adoração de Deus: Versículo 15: "Todas as nações temerão o nome do SENHOR, e todos os reis da terra, a sua glória;". Versículos 21, 22: "a fim de que seja anunciado em Sião o nome do SENHOR e o seu louvor, em Jerusalém, quando se reunirem os povos e os reinos, para servirem ao SENHOR." (3). A criação de um novo povo, um mundo novo, é trazido: no versículo 18: "Ficará isto registrado para a geração futura, e um povo, que há de ser criado, louvará ao SENHOR." (O mundo vindouro): "e as pessoas que devem ser criadas" (a nova criação de judeus e gentios) "louvará ao Senhor." Estes são os chefes da parte profética do salmo, e todos respeitam às coisas em todos os lugares peculiarmente atribuídos ao Filho, que deveria estar encarnado, ou os dias do Messias, que é tudo um; porque, - [1.] A redenção e libertação da igreja do pecado é o seu bom trabalho. Onde quer que seja mencionado, é a ele que se destina, Salmo 98. Então, de modo significativo, Zacarias 2: 8-13 e outros lugares inumeráveis. [2.] A entrada dos gentios é reconhecida por todos os judeus para respeitar o tempo do Messias; sendo ele quem seria luz para os gentios, e a salvação de Deus até os confins da terra. [3.] Além disso, "a geração a vir" e "o povo a ser criado", os próprios judeus interpretam, "mundo por vir", ou o novo estado da igreja sob o Messias. Estes dois últimos juntos, a reunião do povo e o mundo vindouro, criados para o louvor de Deus, tornam evidente que é o Filho a quem o salmista se referiu. Gregório, neste lugar afirma que o apóstolo aplica ao Messias, o que foi dito de Deus. E ele acha que é um argumento suficiente para provar que as palavras não foram faladas sobre o Messias, porque foram ditas de Deus; enquanto elas são produzidas pelo apóstolo para provar sua excelência das propriedades e obras de sua natureza divina. E ele acrescenta, como o sentido das palavras, como acomodado a Cristo, "Você estabeleceu os alicerces da terra", isto é, "o mundo foi feito por sua causa". Mas essa interpretação ou deformação violenta das palavras se destroem; pois se eles foram falados de Deus absolutamente, e não do Messias, a quem eles são acomodados, como pode ser dito que o mundo foi feito por causa dele, e não por ele? Ambos os sentidos das palavras não podem ser verdadeiros. Mas isso é, de fato, claramente negar a autoridade do apóstolo. Parece, então, que muitas coisas neste salmo são faladas diretamente e imediatamente do Filho; embora seja provável, também, que diversas coisas nele sejam afirmadas distintamente da pessoa do Pai. E, portanto, pode ser, são as variações frequentes de fala da segunda para a terceira pessoa que ocorrem neste salmo. 2. Quanto ao segundo inquérito, os socinianos, que concedem a autoridade divina desta epístola, e, portanto, não podem negar, mas que essas palavras de alguma maneira ou outra pertencem ao Senhor Jesus Cristo, mas claramente percebendo que, se forem completamente compreendidas sobre ele, há um fim de toda a sua religião (a criação, não de um mundo novo, mas daquilo que foi feito antigamente, e que perecerá no último dia, sendo aqui atribuído a ele), consertar uma nova e peculiar evasão. "Algumas palavras", dizem eles, "deste testemunho pertencem a Cristo" (tanto eles cederão à autoridade do apóstolo), "mas não todos eles", pelo que esperam garantir seu próprio erro. Agora, porque se essa pretensão não é válida, esse testemunho é fatal para sua persuasão, espero que não seja inaceitável se em nossa passagem considerarmos a distribuição que fazem das palavras de acordo com sua suposição e os argumentos que elas produzem para a confirmação de sua exposição, já que eles são gerenciados por Crellius e Schlichtingius em seu comentário sobre este lugar. (1.) Ele diz que "este testemunho pertence até agora a Cristo, como pertence ao escopo do escritor da epístola. Esta escritura, "diz ele", como aparece no versículo 4, é provar que depois de Cristo sentar-se à mão direita de Deus, ele foi feito mais excelente do que os anjos; para onde afirmar que ele criou o céu e a terra, de maneira alguma não pode conduzir. (1.) Suponha que para ser o escopo do apóstolo que é insinuado, como esse autor sabe que não se adapta ao seu propósito de mostrar que o Senhor Jesus Cristo é Deus, por quem o céu e a terra foram feitos, vendo que é manifesto que Ele mesmo pensou em contrário, ou ele não havia produzido esse testemunho? (2.) O testemunho não é inadaptado ao escopo pretendido; pois, no entanto, na administração de seu ofício, o Filho foi aparentemente por um tempo menor do que os anjos, ele pode, nessas palavras, descobrir a equidade dele após a exaltação acima deles, na medida em que, em sua natureza divina e obras, ele era tanto mais excelente do que eles. (3.) O verdadeiro e apropriado desígnio do apóstolo que antes mostramos; que é provar a excelência da pessoa por quem o evangelho foi revelado, e sua preeminência acima dos homens e dos anjos; que nada demonstra de forma incontestável do que isso, que por ele o mundo foi criado, de onde se desencadeia inegavelmente a atribuição de uma natureza divina. (2.) Para promover esta observação, ele acrescenta um grande discurso sobre o uso e aplicação de testemunhos do Antigo Testamento no Novo; e diz que "eles são usados pelos escritores, seja por algum acordo e semelhança entre as coisas pretendidas em um e no outro, ou por alguma subordinação. Da maneira anterior, o que é falado do tipo é aplicado ao antitipo: e, às vezes, por causa da semelhança, o que foi falado de uma coisa é aplicado a outra; como, Mateus 15: 7,8, nosso Salvador aplica as palavras de Isaías aos judeus presentes aquilo que foi falado de seus antepassados ". (1.) O que é falado em primeiro lugar de um tipo instituído também é falado sobre o antitipo, ou coisa prefigurada por ele, na medida em que é representada pelo tipo, de modo que uma coisa ensina a outra; e sobre isso as palavras têm uma aplicação dupla, primeiro para o tipo, em última análise para o antitipo. Mas, aqui, tais testemunhos não têm interesse. (2.) A Escritura às vezes faz uso de alegorias, ilustrando uma coisa por outra, como Gálatas 4: 21-25. Nem tem nenhum lugar aqui. (3.) Que o que é falado de uma pessoa deve, por causa de alguma semelhança, ser afirmado para ser falado de outra, e se em nada concorda devidamente com ele, é falso e não deve ser exemplificado com nenhuma instância aparente. (4.) As palavras de Isaías, capítulo 29:13, que o nosso Salvador faz uso, Mateus 15: 7-9, foram uma profecia dos judeus que viveram, como o nosso Salvador expressamente afirma e o contexto no profeta declaram claramente. "Algumas coisas", ele acrescenta, "são aplicadas aos outros do que são faladas, por causa de sua subordinação a ele ou a quem elas são faladas. Assim, as coisas que são ditas de Deus são aplicadas a Cristo, por causa de sua subordinação a ele; e disso", diz ele, "temos um exemplo em Atos 13:47, onde as palavras faladas do Senhor Jesus Cristo, Isaías 49: 6, "eu te estabeleci para ser uma luz dos gentios, para que possas ser para a salvação até os confins da terra ", são aplicadas aos apóstolos por causa de sua subordinação a Cristo. E, neste caso, as palavras têm apenas um sentido, e pertencem principalmente a ele de quem são faladas pela primeira vez, e são aplicadas secundariamente ao outro." De acordo com esta regra, não há nada que tenha sido falado de Deus, mas pode ser falado e aplicado a alguma de suas criaturas, tudo em subordinação a ele; pelo menos, pode ser assim naquilo em que eles agem sob ele e estão em uma subordinação peculiar a ele. E, no entanto, nenhuma subordinação desse tipo, de acordo com a opinião deste homem, pode ser aplicada a Cristo, que na criação do céu e da Terra não foi subordinado a Deus senão em outras coisas que ainda não foram feitas ou existentes. Para que esta regra, que o que é dito de Deus seja aplicado aos que estão subordinados a ele, como é falso em si mesmo, de modo que não é adequado ao negócio atual, sendo Cristo, no julgamento deste homem, em nenhuma subordinação a Deus quando o mundo foi feito, sendo absolutamente em todos os aspectos na condição de coisas que não eram. Nem a instância dada prova ou ilustra o que é fingido. O apóstolo, ao citar essas palavras aos judeus, não as aplica ao menos, mas apenas declara o fundamento de sua vontade de pregar o evangelho aos gentios; que era que Deus havia prometido fazer com que ele pregasse ser uma luz e trazer salvação para eles também. Por isso, acrescenta: (3) o que é direto a sua pretensão: "Que todas as palavras ou coisas significassem para eles, em qualquer testemunho, que em primeiro lugar são faladas de um, e então são, para algumas das causas mencionadas "(isto é, conveniência, semelhança ou subordinação)", aplicadas a outro, não devem ser consideradas como apropriadas para Aquele a quem são assim aplicadas mas muito delas deve ser admitido como concordando com o escopo daquele por quem o testemunho é usado: como no testemunho produzido, versículo 5: "Eu serei para ele um pai, e ele será para mim um filho, "As palavras que se seguem imediatamente são: "Se ele transgredir contra mim, eu o castigarei com a vara dos homens", cujas palavras, falando de Salomão, não podem ser aplicadas a Cristo". O que se fala de qualquer tipo e de Cristo em conjunto não é tão falado por nenhuma conveniência natural, similitude ou subordinação, mas por causa da instituição de Deus, nomeando o tipo para representar e sombrear o Senhor Jesus Cristo, que o que ele ensinaria sobre ele deve ser falado sobre o tipo pelo qual ele foi representado. Agora, nenhuma pessoa que foi designada para ser um tipo deve ser de todas as coisas, não é necessário que seja falado sobre o que foi falado sobre ele, mas apenas o que foi falado dele sob aquela consideração formal de um tipo. Isto mostrou o caso de ter estado com Salomão, de quem as palavras mencionadas foram ditas como tendo à luz a pessoa de Cristo. Outras coisas são adicionadas no mesmo lugar, que lhe pertencia em sua própria capacidade moral pessoal; e, portanto, essas coisas (como essa, "Se ele transgredir contra mim") não são mencionadas pelo apóstolo, como não sendo falado dele como um tipo. E isso destrói claramente a pretensão de nosso comentarista; pois se o apóstolo não produzisse as próximas palavras para o testemunho que ele trouxe, porque não pertenciam Àquele de quem ele falou, isso prova indubitavelmente que todas as que ele produziu foram devidamente faladas dele. E não posso alcançar a força dessa inferência: "Porque em um lugar onde tudo o que foi falado não foi falado de Cristo, o apóstolo faz uso do que foi dito assim dele e omite o que não foi; portanto, daquilo que ele produz no próximo lugar, um pouco pertence a ele, e um pouco não." Se alguém for oferecido a esse propósito, deve ser em um exemplo de um testemunho produzido, e não no que pode seguir no mesmo capítulo e salmo - há o afirmado que agora não pertence mais a Cristo do que a criação do céu ou da terra pertence a este escritor; que é o caso à mão. Com base nessas considerações gerais, ele faz aplicação delas em particular à sua interpretação deste testemunho usado pelo apóstolo. "Essas palavras", diz ele, "sendo primeiro expressamente faladas de Deus, e aqui por este escritor se referiu a Cristo, devemos considerar o que elas fazem para o seu alcance e propósito, o que é agradável à natureza e condição de Cristo, quem certamente era um homem; e tal, certamente, não é aquele sobre o qual o salmo fala sobre a criação do céu e da terra. E isso era bem conhecido para eles com quem o apóstolo tinha que lidar." Mas qualquer um pode perceber que essas coisas são faladas gratuitamente, e sob a suposição de que Cristo era um mero homem, e não Deus por natureza, quando as próprias palavras, atribuindo-lhe uma pré-existência ao mundo e a sua onipotência, comprovam o contrário. Qual o escopo do apóstolo em todo o discurso em consideração, como também, como diretamente esse testemunho inteiro tende à prova do que ele havia proposto. É verdade que as palavras são faladas sobre aquele que é Deus; mas não menos verdade, o apóstolo sendo juiz, que é o Filho de Deus que é esse Deus. É verdade que ele também era homem, e nada lhe é atribuído senão o que pertence ao que era homem, mas não como ele era homem; e tal foi a criação do céu e da terra. A opinião desses homens é que, enquanto duas coisas são mencionadas nas palavras, a criação do mundo, que foi no passado, e a dissolução ou destruição dele, que estava por vir, que o último é atribuído a Cristo, mas não o primeiro; e para esta divisão das palavras, que, confessadamente, não é menos adotada pelo apóstolo, ele dá os seguintes motivos: 1. "Todas as palavras do salmo são manifestamente faladas sobre o Deus altíssimo e nenhuma palavra no salmo declara ser Cristo esse Deus, ainda que necessário, se essas palavras forem aplicadas a Cristo, deve ser suposto ser o Deus altíssimo de que falou. Mas se este escritor divino tivesse dado por certo isso, ele tinha sido incrivelmente insensato para provar por argumentos e testemunhos de que o Criador supera todas as criaturas. Ele deve usar, em uma questão que não seja duvidosa, e as testemunhas não são necessárias." Esta é a primeira razão pela qual ele provaria que o apóstolo não aplicou as palavras a Cristo, embora ele mesmo diga claramente que ele o faz; pois o seu prefácio para elas é: "Mas ao Filho ele diz:" Para que o salmo fale assim do Deus altíssimo, que diretamente e peculiarmente se refere a Cristo, o Filho de Deus, foi declarado em parte, e mais tarde será revelado. E o louvor nestas palavras dado a ele prova que ele é assim. E, embora ele afirma que foi uma coisa tola do apóstolo provar das obras dele que é Deus que ele está acima dos anjos, as mais gloriosas criaturas criadas, mas o próprio Deus ele mesmo com essas suas obras, sua onisciência, onipresença e outros atributos é declarado nelas, prova sua excelência em comparação com ídolos, que não têm existência senão na imaginação dos homens. Veja Isaías 41:21, etc. Por este testemunho, então, o Espírito Santo com infinita sabedoria prova que aquele que foi feito menor por pouco tempo do que os anjos, em um aspecto, era absolutamente e em sua própria pessoa infinitamente acima deles, como sendo o criador do céu e da terra. 2. Ele acrescenta: "Aqueles hebreus a quem escreveu foram persuadidos de que Cristo era Deus, criador do céu e da terra, ou não era. Se fosse, no que precisa de todos esses argumentos e testemunhos? Uma palavra poderia ter despachado toda essa controvérsia, afirmando que Cristo era o criador, nem haveria qualquer motivo para temer que o direito proferido pela administração dos anjos fosse preferido ao evangelho, do qual ele foi o autor. Se dissermos o último, que eles ainda não acreditam nisso, agora suponhamos que ele se esforça muito por pouco propósito; pois ele assume e dá por certo que isso era verdade, o que estava sozinho em questão. O que precisava, então, de provar por tantos argumentos que Cristo era mais excelente que os anjos, e de dar isso por certo, o que o colocaria fora de questão, a saber, que ele era Deus, que fez o céu e a terra? Resposta: Este dilema tem tanta força contra os outros testemunhos produzidos neste capítulo ou em outro lugar pelo apóstolo como ele tem contra isso; de modo que o uso dele é difícil argumentar que a reverência à santa Palavra de Deus que é exigida de nós. Mas a verdade é, conceder se das suposições que você deseja, nada de inconveniente quanto à argumentação do apóstolo irá resultar. Que seja concedido que eles acreditassem, e que, expressamente, Cristo seja Deus, os crentes não têm necessidade de ter sua fé confirmada pelos testemunhos da palavra que não pode acontecer tão prontamente para eles mesmos? Não têm necessidade de ser fortalecidos na fé, especialmente em pontos que, naqueles dias, se opuseram muito, como era esta da eterna glória do Messias, sobre o qual os hebreus crentes tinham que lidar com adversários aprendidos e teimosos continuamente? E se o apóstolo pudesse ter terminado toda a controvérsia ao afirmar claramente que ele era o criador de todas as coisas e das criaturas dos anjos, talvez ele também não tivesse terminado a disputa sobre sua preeminência acima dos anjos com uma palavra, sem citar tantos testemunhos para provar isso? Mas, então, ele desdobrou os mistérios do Antigo Testamento para os hebreus, qual era o desígnio dele? Ele manifestou que ele não ensinava nada além do que antes foi revelado (embora obscuramente) a Moisés e aos profetas; que ele pretendia fazer, fortalecendo e confirmando na fé aqueles que acreditavam e convencer os adversários? Mais uma vez, suponha que alguns deles a quem ele escreveu ainda não acreditavam expressamente na divindade de Cristo, - como os próprios apóstolos não acreditavam por um tempo na sua ressurreição, - poderia ser encontrado um modo mais convincente de persuadi-los a isso, do que por apresentando esses testemunhos do Antigo Testamento em que os atributos e as obras de Deus são atribuídos a ele? Nem agora estava em questão se Cristo era Deus ou não, mas se ele era mais excelente do que os anjos que deram a lei; e que curso mais eficaz poderia ser levado a pôr fim a essa indagação do que provando que ele criou o céu e a terra - isto é, produzindo um testemunho em que a criação de todas as coisas lhe é atribuída - está além da sabedoria do homem para inventar. 3. Ele acrescenta: "Para que Cristo seja falado neste lugar, quer em relação à sua natureza humana ou à sua divina. Se do primeiro, para que fim ele deveria mencionar a criação do céu e da terra? Cristo, como homem, e feito acima dos anjos, não fez céu e terra. Se, como Deus, como ele poderia ser dito ser feito acima dos anjos?" Mas a resposta é fácil. Cristo é dito ser feito acima e mais excelente que os anjos, nem absolutamente como Deus, nem absolutamente como homem, mas como ele era Deus-homem, o mediador entre Deus e o homem; em que respeito, como mediador, para a descarga de uma parte de seu ofício, ele foi um pouco mais baixo do que eles; e assim a criação do céu e da terra demonstra a dignidade de sua pessoa, e a equidade de seu ser feito mais excelente do que os anjos em seu ofício. E isso remove completamente a seguinte exceção, que a lembrança de sua divindade não poderia ser um argumento para provar que a humanidade era exaltada acima dos anjos; pois não é um argumento da exaltação de sua humanidade, mas a demonstração da excelência de sua pessoa, que o apóstolo tem em mãos. 4. Ele alega que "é contrário ao uso perpétuo da Escritura, afirmar absolutamente de Cristo que ele criou alguma coisa. Quando qualquer atribuição é atribuída a ele, ainda é aplicado a ele como causa imediata, e é dito ser feito por ele ou nele; Ele não disse nada absolutamente para ser criado. E se ele criou o mundo, por que Moisés não lhe atribuiu claramente como os escritores do Novo Testamento fazem quanto à nova criação?" Foi afirmado neste lugar apenas que Cristo fez todas as coisas, mas as palavras são claras e evidentes, e o próprio assunto em si, agradável à Escritura em outros lugares, e não repugnante a qualquer testemunho nela contido, não há pretensão, para aqueles que verdadeiramente são reverentes à sabedoria e à autoridade do Espírito Santo na palavra, negar as palavras a serem ditas corretamente e diretamente; nem, se pudermos seguir esse curso, haverá alguma coisa deixada sagrada na Escritura. Além disso, mostramos já a vaidade dessa distinção, de Deus fazendo as coisas por Cristo, como se denunciasse qualquer subordinação na causalidade; nem os próprios socinianos admitem tal coisa, mas confundem essa noção nos arianos. Mas este não é o único lugar em que se afirma que Cristo fez todas as coisas que estão no céu e na terra. João 1: 1-3, Colossenses 1:16, versículo 3 deste capítulo, com diversos outros lugares, afirmam o mesmo. Para o que eles exijam de Moisés, não acreditamos que Deus soubesse o que a revelação de si mesmo se tornou essa dispensação obscura melhor do que eles, podemos considerá-lo. Mas ainda há mesmo no próprio Moisés, e seus expositores, os profetas, muito mais testemunhos da criação do mundo pela Palavra, que é o Filho de Deus; que foram abertos e vindicados em outros lugares. 5. Ele conclui: "Que a ordem e o método do procedimento do apóstolo mostram que essa criação do céu e da terra não lhe é atribuída. Pois vemos que ele prova a excelência de Cristo acima dos anjos - que ele é pelo caminho da eminência chamado Filho de Deus; e então ele continua a ser adorado por anjos; e, em terceiro lugar, ele passa à honra real e ao trono de Cristo; depois disso, ele produz o testemunho sobre o qual insistimos; e depois acrescenta o fim desse reino que Cristo agora administra na terra. Para que fim nesse discurso ele deve mencionar a criação do céu e da terra, quando, se isso for omitido, todas as séries do discurso concordam e se encaixam bem juntos? Por ter declarado o reino de Cristo, com a continuação do seu trono para sempre, ele afirma um efeito eminente do reino na redenção do céu e da terra, e depois do fim desse mesmo reino". Mas essa análise do discurso do apóstolo não concorda com a mente do apóstolo nem com o seu desígnio no lugar, nem com os princípios dos homens que o formaram, nem são senão palavras vãs, para persuadir-nos de que o apóstolo não disse o que ele disse, e que está escrito para as nossas instruções. Não é, em primeiro lugar, agradável aos seus próprios princípios; pois coloca a nomeação de Cristo, o Filho de Deus, e a sua adoração pelos anjos, como antecedente do seu ser elevado ao seu trono real; ambos os quais, especialmente os últimos, fazem constantemente consequências e efeitos dele. Também não é de acordo com o desígnio do apóstolo, que não é provar diretamente com estes testemunhos que Cristo foi exaltado acima dos anjos, mas para mostrar a dignidade e a excelência de sua pessoa que foi tão exaltada e que razoável é que deveria ser assim; o que é eminentemente comprovado pelo testemunho em consideração. Para a prova desta excelência, o apóstolo produz os testemunhos que lhe são dados no Antigo Testamento, e quanto ao seu nome, a sua honra e glória e suas obras neste lugar. Tampouco há razão para atribuir a destruição do céu e da terra ao poder real de Cristo, excluindo o seu poder divino na sua criação; para a redenção do mundo (se é necessário), ou a mudança disso, é não menos um efeito de poder infinito do que a criação dele; nem se refere diretamente ao reino de Cristo, mas, por acaso, como outras obras da providência de Deus. Essas exceções, então, sendo removidas, antes de procedermos à interpretação das palavras, veremos quais evidências podem ser adicionadas ao que já oferecemos, do salmo, para provar que todo esse testemunho lhe pertence; que, não havia nenhum outro testemunho (como muitos) para esse propósito, eram abundantemente suficientes para determinar essa controvérsia. 1. Temos a autoridade do apóstolo para isso, atribuindo-lhe a ele. A palavra "e", no início do versículo 10, relata confessadamente: "Mas ao Filho ele diz:" versículo 8: como se ele tivesse dito: "Mas ao Filho ele diz: o teu trono, ó Deus, é para sempre e sempre; e ao Filho ele disse: Tu, ó Deus, no princípio, fundaste a terra." 2. Mais uma vez, todo o testemunho fala da mesma pessoa, não havendo nenhuma intenção de empurrar outra pessoa para o texto que não se destina no início; de modo que, se alguma parte do que é falado pertence a Cristo, toda a necessidade deve fazê-lo. Para supor que nesta frase: "Você estabeleceu os alicerces da terra, ..... e, como uma veste, você os dobrará," uma pessoa é entendida no primeiro lugar, outra no último, não existe tal coisa sendo intimada pelo salmista ou pelo apóstolo, é supor o que agradecemos, para que possamos atingir o que temos em mente. Uma pessoa está aqui certamente e apenas de uma é falado. Se este for o Pai, as palavras não se referem a Cristo, e o apóstolo foi enganado em sua alegação sobre eles; se o Filho, o todo é falado dele, como afirma o apóstolo. 3. Nem qualquer razão pode ser atribuída por que as últimas palavras devem ser atribuídas a Cristo, e não ao primeiro. Eles dizem que é porque Deus destruirá o mundo, que é o que nas últimas palavras é dito. Mas, onde está escrito que Deus destruirá o mundo por Cristo? Se eles dizem neste lugar, digo que Cristo é falado e neste lugar; e, em caso afirmativo, fala-se nas primeiras palavras: "E tu, senhor", ou não. Além disso, a quem essas palavras de encerramento pertencem: "Mas tu és o mesmo, e os teus anos não falharão". Se estas palavras são ditas de Cristo, é evidente que tudo o que precede deve ser assim também; por ter passado o mesmo e não falhar em seus anos, ou seja, sua eternidade, - se opõe à criação e à duração temporária do mundo. Se eles dizem que pertencem ao Pai principalmente, mas são atribuídos a Cristo, como a de mudar ou redimir o mundo, porque o Pai o faz por ele, eu desejo saber qual é o significado dessas palavras: "Tu és o mesmo por Cristo, e os teus anos não falham por Cristo." Não é o Pai eterno, mas o homem Cristo Jesus? Se eles dizem que não pertencem a Cristo, então é a soma do que eles dizem: "O início das palavras, e o fim delas, se falando de Cristo, provaria seu poder infinito, eternidade e divina natureza. Uma passagem que existe nas palavras que supomos não o fará, portanto, vamos conceder que essa passagem diz respeito a ele, mas não o começo nem o fim do testemunho, embora falando inegavelmente da mesma pessoa."- que se torne homem professar uma reverência pela palavra de Deus é deixado a si mesmos para julgar. Além disso, devemos conceder todas essas sugestões para ser verdade, o apóstolo ao citar este testemunho não provaria nada para o seu propósito, não, nada em relação ao que eles afirmam que ele pretende, ou seja, que ele foi feito mais excelente do que os anjos; por que essas palavras devem ser feitas para comparecer? Eles dizem que, por ele, Deus dobrará os céus como um vestuário. Mas, primeiro, nenhuma dessas coisas é mencionada ou intimada. Aquele que os criou é dito que os dobra. E se eles dizem que, de outros lugares, pode ser feito parecer que será feito por Cristo, então, como este lugar deve ser deixado de lado para não ser útil ao apóstolo, então, de fato, não há nada atribuído a Cristo, senão o que os anjos devem ter uma participação, e que provavelmente o mais principal, ou seja, ao dobrar a criação como uma peça de vestuário; que é um trabalho em que os empregados são usados, e não o próprio Rei ou o próprio Senhor. Na verdade, aquele que, sem prejuízo, considerará que o discurso do apóstolo encontrará pouca necessidade de argumentos para manifestar a quem ele aplica esse testemunho. Ele o chama Kuriov (Senhor) no início, usando essa palavra que perpetuamente no Novo Testamento denota o Senhor Jesus Cristo, como explicando claramente o texto até declarar de quem fala. Nem esse testemunho lhe atribui nada além do que, em geral, ele tinha antes afirmado dele, a saber, que por ele os mundos foram feitos. Tampouco foi ouvido falar de que qualquer homem em seu juízo correto deveria citar um testemunho para confirmar seu propósito, contendo palavras que nunca foram faladas daquele a quem ele as aplica; nem existe qualquer coisa nelas que possa ser aplicado de maneira tolerável a ele, e a maioria delas declararia que ele era o que ele não é de todo: de modo que as palavras usadas para o propósito dele precisam ser falsas e ambíguas. Quem, então, não pode mais acreditar, neste testemunho do apóstolo, que Cristo, o Senhor, fez o céu e a terra? E se o apóstolo pretendia não afirmar isso, o que há no texto ou perto dele como uma boia para advertir os homens de correr em uma prateleira, onde existe um porto tão justo? De tudo o que foi dito, é evidente que todo esse testemunho pertence a Cristo, e é pelo apóstolo afirmado para fazer. Proceda agora à interpretação das palavras. A pessoa falada nelas é o Senhor: "Tu, Senhor". As palavras não estão no salmo neste versículo, mas o que é falado é referido a ti, "meu Deus" "Eu disse: Ó meu Deus, não me leve no meio dos meus dias", consolando-se, sob a consideração da fragilidade e miséria de sua vida, com o pensamento e a fé da eternidade e do poder de Cristo. Pois a nossa vida nunca é tão frágil, senão a vida eterna, porque ele vive, também viveremos, e ele é poderoso para nos ressuscitar no último dia, João 14:19; 1 Coríntios 15:20; e esse é o fundamento de toda a nossa consolação contra a brevidade e a miséria das nossas vidas. Por isso, também parece que é o Senhor Jesus Cristo a quem o salmista se dirige; pois, aparte da consideração absoluta da onipotência e da eternidade de Deus, nenhum consolo pode ser esperado. E, de fato, os judeus haviam afirmado abertamente que não podiam lidar imediatamente com Deus, senão com um mediador - o que Deus eminentemente aprovou neles, desejando que tal coração sempre permanecesse neles, Deuteronômio 5: 25-29, de modo que ele não os aproximou de sua presença típica entre os querubins, senão por um mediador típico, seu sumo sacerdote, assim como eles foram instruídos em sua aproximação real a Deus, que não fosse feito imediatamente ao Pai, mas pelo Filho, a quem, em particular, o apóstolo declara a intenção do salmista neste lugar. Sobre essa pessoa, ou o "Senhor", ele afirma duas coisas, ou atribui duas coisas a ele. 1. A criação do céu e da terra; 2. A redenção ou alteração deles. A partir dessa atribuição, ele procede a uma comparação entre ele e a mais gloriosa de suas criaturas, e sobre a duração ou a eternidade; fragilidade e mudança em si mesmo, uma das criaturas, sendo aquilo em que ele se dirige ao Senhor.

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login. Mais textos de SILVIO DUTRA:
A Adoração no Culto Público Autor(a):
A Aliança Eterna, o Suporte do Crente sob Aflição Autor(a):
Amor a Deus Autor(a):
Como Ir para o Céu Autor(a):
Confessar e se Arrepender em vez de se Endurecer Autor(a):
Conforto para os Cristãos – Parte 1 Autor(a):
Conforto para os Cristãos – Parte 2 Autor(a):
Conforto para os Cristãos – Parte 3 Autor(a):
Conforto para os Cristãos – Parte 4 Autor(a):
Deus nos Ordena Sermos Santos Porque Ele é Santo Autor(a):
Domínio do Pecado ou da Graça Autor(a):
Há Alguma Coisa Difícil Demais para o Senhor? – P 1 Autor(a):
Há Alguma Coisa Difícil Demais para o Senhor? – P 2 Autor(a):
Hebreus 1 - Versos 10 a 12 – P1 Autor(a):
Hebreus 1 - Versos 10 a 12 – P2 Autor(a):
Hebreus 1 - Versos 8 e 9 – P1 Autor(a):
Hebreus 1 - Versos 8 e 9 – P2 Autor(a):
Hebreus 1 – Versículos 1 e 2 Autor(a):
Hebreus 2 - Verso 1 – P1 Autor(a):
Hebreus 2 - Verso 1 – P2 Autor(a):
Hebreus 2 - Versos 2 a 4 – P1 Autor(a):
Hebreus 2 - Versos 2 a 4 – P2 Autor(a):
Hebreus 2 - Versos 2 a 4 – P3 Autor(a):
Hebreus 2 - Versos 2 a 4 – P4 Autor(a):
Hebreus 2 - Versos 5 a 9 – P1 Autor(a):
Hebreus 2 - Versos 5 a 9 – P2 Autor(a):
Hebreus 2 - Versos 5 a 9 – P3 Autor(a):
Início, Meio, Fim e Recomeço – Parte 1 Autor(a):
Início, Meio, Fim e Recomeço – Parte 2 Autor(a):
John Owen - Hebreus 1 - Versos 4 e 5 – P1 Autor(a):