SILVIO DUTRA

 -  - SILVIO DUTRA
Total Visualizações: 7239
Texto mais lido:
Há Alguma Coisa Difícil Demais para o Senhor? – P 2 - Total: 293
Educares são nossos pontos, nossa pontuação! Educares: 296
10 Autores mais recentes...
JOSÉ ROBERTO DA SILVA
VALDINEI DA SILVA CAMPOS
MILTON JORGE DA SILVA
CELSO GABRIEL DE TOLEDO E SILVA
MARIA DE SOUZA CEZAR
EVERALDO JOSÉ CAVALHEIRO PAVÃO
JOSE JOÃO BOSCO PEREIRA
RUAN VIEIRA
FERNANDO DANIEL FRANCO DE CAMARGO
ELIAS OLIVEIRA DE JESUS
10 Autores mais lidos...
613 SEDNAN MOURA
SEDNAN MOURA
Total: 1480508
285 ALEXANDRE BRUSSOLO
ALEXANDRE BRUSSOLO
Total: 250503
190 DIRCEU DETROZ
DIRCEU DETROZ
Total: 125281
272 PEDRO VONO
PEDRO VONO
Total: 112268
1121 THALYA SANTOS
THALYA SANTOS
Total: 91270
622 EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
Total: 55266
218 ZILDO GALLO
ZILDO GALLO
Total: 33676
496 ALBERTO DOS ANJOS COSTA
ALBERTO DOS ANJOS COSTA
Total: 31569
189 LADISLAU FLORIANO
LADISLAU FLORIANO
Total: 30434
385 ANDRADE JORGE
ANDRADE JORGE
Total: 26002
Sala de Leitura
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto TituloTexto



Total de visualização: 149
Textos & Poesias
Imprimir

Total Votos: 0
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!
  Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

John Owen - Hebreus 1 - Versos 4 e 5 – P1


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

John Owen (1616-1683)
Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

“Tendo-se tornado tão superior aos anjos quanto herdou mais excelente nome do que eles.” (Hebreus 1.4)
(Nota do tradutor: Aquele Jesus, que em sua auto-humilhação, e que por um tempo deixou a sua glória celestial, fazendo-se por conta de sua encarnação menor do que os anjos, para a obra da redenção dos pecadores, retornou à sua antiga glória, e agora ainda maior pelo trabalho que fizera e pela honra recebida do Pai, apresentando-se à sua direita, muito mais superior e excelente do que todos os anjos, e a todo o somatório de criaturas morais, quer tanto nos céus, quanto na terra.)
"E ele era muito mais excelente". "E ele é feito muito melhor." "Ele excede completamente", ou "em todas as coisas que ele excede". "Mais excelente". Kreittwn é propriamente "mais poderoso", "capaz", "excelente", quanto ao amor, honra ou estado e condição. "Que sobressai", por ser melhor, 1 Coríntios 4: 7. "Mais excelente". É tanto para diferenciar quanto para se destacar.
Há cinco coisas consideráveis na e para a exposição dessas palavras: - 1. O que é assim que o apóstolo afirma nelas como sua proposição geral, a saber, que o Filho, como grande sacerdote e profeta da igreja, foi preferido acima e feito mais glorioso e poderoso do que os anjos; e como isso foi feito, e em que ele consiste. 2. Como, ele era tão preferido acima deles; que pertence à explicação e ao entendimento correto do primeiro. 3. O grau dessa preferência dele acima dos anjos, intimado na comparação, "Tendo-se tornado tão superior aos anjos quanto herdou mais excelente nome do que eles." 4. A prova da asserção, tanto absoluta quanto indagada; e isso é tirado do nome dele. 5. O caminho pelo qual ele chegou a ter esse nome; ele obteve como sua porção, ou ele herdou isso. 1. Ele é feito "mais excelente" do que os anjos, preferido acima deles, isto é, dizem alguns, declarado ser assim. "Vire res dicitur fieri, cum incipit patefieri." Frequentemente na Escritura, uma coisa é então dita ser feita, ou ser, quando se manifesta assim.
O apóstolo nos diz, em Romanos 1: 4, que o Senhor Jesus Cristo foi "declarado como o Filho de Deus pela ressurreição dentre os mortos". A ressurreição dos mortos não o fez ser o Filho de Deus, mas evidentemente se manifestou e declarou-o assim. De acordo com esta interpretação das palavras, o que o Espírito Santo intima é, que enquanto que o Senhor Jesus Cristo ministrou em uma condição exteriormente baixa neste mundo, enquanto ele purgava nossos pecados, ainda que, sentando-se à direita de Deus, ele era revelado, manifestado, declarado ser mais excelente do que todos os anjos no céu. Mas não vejo nenhuma razão para que devamos abandonar a significação adequada e mais usual das palavras, nada no contexto nos persuadindo a fazê-lo. Além disso, isso não combina o desígnio do apóstolo, que não provará da Escritura que o Senhor Jesus Cristo se mostrou mais excelente do que os anjos, mas que realmente ele era preferido e exaltado acima deles. Então, então, kreittwn genomenov é tanto quanto "preferido", "exaltado", realmente colocado em mais poder, glória, dignidade do que os anjos. Isto João Batista afirma dele, “que ele foi preferido antes de mim, porque ele era antes de mim", - preferido acima dele, chamado para outro ofício do que o que João ministrou, feito antes ou acima dele com dignidade, porque ele era antes dele na natureza e na existência. E este é o sentido próprio das palavras: o Senhor Jesus Cristo, o revelador da vontade de Deus no evangelho, é exaltado acima, preferido antes, feito mais excelente e glorioso do que os próprios anjos, todos ou qualquer um deles, que ministraram ao Senhor na entrega da lei no monte Sinai. Alguns fazem objeção a esta interpretação: "Aquele de quem se diz ser feito ou colocado acima dos anjos deveria ter sido mais baixo antes". A que respondo, E assim ele era, não em relação à essência, à subsistência e à dignidade real, mas em relação às fraquezas e sofrimentos que ele estava exposto no cumprimento de sua obra aqui na terra, como o apóstolo expressamente declara, capítulo 2: 9. 2. E isso nos dá luz em nossa segunda indagação sobre estas palavras, ou seja, quando foi que Cristo foi assim exaltado acima dos anjos. (1.) Alguns dizem que foi no tempo de sua encarnação; pois a natureza humana sendo levada à subsistência pessoal com o Filho de Deus tornou-se mais excelente do que a dos anjos. Esse sentido é afirmado por alguns dos antigos, que são seguidos por vários expositores modernos. Mas nós provamos antes que não é da natureza de Cristo absolutamente ou de modo abstraído que o apóstolo aqui fala, nem da sua pessoa, mas como investido com o seu cargo, e que o descarregou. E, além disso, a encarnação de Cristo fazia parte de sua humilhação, e, portanto, não é especialmente destinada onde sua exaltação e glória são expressamente mencionadas. (2.) Alguns dizem que foi no momento do seu batismo, quando ele foi ungido com o Espírito para a execução de seu ofício profético, Isaías 61: 1,2. Mas ainda assim, essa designação do tempo não pode ser permitida; e isso porque as coisas principais em que ele foi feito inferior aos anjos, como em suas tentações, e sofrimentos, e a própria morte, seguiram seu batismo e unção. (3.) Portanto, deve ser o tempo de sua ressurreição, ascensão e exaltação à direita de Deus, que se seguiu sobre isso, que é projetado como a ocasião em que ele foi feito mais excelente do que os anjos, como evidentemente aparece do texto e contexto: porque, - [1.] Esse foi o tempo, como já mostramos antes, quando ele foi obviamente investido de todo o poder no céu e na terra que foi concebida para ele e preparada para ele. [2.] A ordem também do discurso do apóstolo nos leva a considerar nesta temporada: "Depois de ele ter purificado nossos pecados, ele se sentou", etc. "Sendo feito muito mais excelente", isto é, ali e então ele foi feito. [3.] O testemunho, em primeiro lugar, produzido pelo apóstolo na confirmação de sua afirmação é em outros lugares, como veremos, aplicado por si mesmo para a sua ressurreição e a glória que se seguiu, e, consequentemente, também é neste lugar pretendido. [4.] Esta preferência do Senhor Jesus Cristo acima dos anjos está claramente incluída na concessão de todo o poder que lhe foi dado, Mateus 28:18; e exposto em Efésios 1: 21,22. [5] O testemunho usado pelo apóstolo em primeiro lugar é a palavra que Deus falou ao seu Rei, quando o colocou sobre o seu sagrado monte de Sião, Salmos 2: 6-8; que tipicamente expressa sua entrega gloriosa em seu reino celestial. O Senhor Jesus Cristo, então, que em relação à sua natureza divina sempre foi infinitamente e incomparavelmente mais excelente do que todos os anjos, após sua humilhação na suposição da natureza humana, com a sofrimentos e tentações que sofreu, quando na sua ressurreição foi exaltado em condição de glória, poder, autoridade, excelência e confiado poder sobre eles, como nosso apóstolo aqui nos informa. 3. Nesta preferência e exaltação do Senhor Jesus Cristo, há um grau insinuado: "Ser feito muito mais", etc. Agora, nossas concepções aqui, em relação a este lugar, são totalmente reguladas pelo nome que lhe é dado. "Olhe", diz o apóstolo, "quanto o nome dado ao Messias supera o nome dado aos anjos, tanto ele mesmo os supera em glória, autoridade e poder; pois esses nomes são expressamente atribuídos a Deus para significar seu estado e condição." O que e quão grande é essa diferença, depois, veremos, na consideração das instâncias que o apóstolo deu nos versos que se seguem. 4. A prova dessa afirmação que o apóstolo primeiro fixou é tirada do nome de Cristo, - seu nome, não lhe foi dado pelo homem, não assumido por ele mesmo, mas atribuído a ele pelo próprio Deus. Nem ele, aqui pelo nome de Cristo, nem o nome dos anjos, mas as descrições que são feitas dele e os títulos que lhe são dados por Deus, segundo o qual seu estado e condição podem ser conhecidos. "Observe", diz ele, "como eles são chamados de Deus, por quais nomes e títulos ele os possui, e você pode aprender a diferença entre eles." Este nome ele declara no versículo seguinte: Deus disse-lhe: "Tu és meu Filho, hoje te gerei". Não é absolutamente o seu ser o Filho de Deus que se pretende, mas que, pelo testemunho do Espírito Santo, Deus lhe disse estas palavras: "Tu és meu Filho", e assim declarou que seu estado e condição estavam muito acima daquele dos anjos, para nenhum dos quais ele falou alguma dessas coisas, mas fala deles de maneira muito distinta, como veremos. Mas aqui no verso seguinte. Alguns por este "excelente nome" entendem seu poder, dignidade e glória, chamado "um nome acima de todo nome", Filipenses 2: 9. Mas, então, isso não pode provar o que o apóstolo produz para ele, sendo diretamente o mesmo com o que é afirmado, em cuja confirmação ele é produzido. 5. A última coisa considerável é, como o Senhor Jesus Cristo veio a ter este nome, ou obteve-o. Keklronomhke, - obteve-o por herança, como seu lote e porção peculiar para sempre. Em que sentido ele diz ser klhronomov, "o herdeiro", foi declarado antes. Como ele foi feito o herdeiro de todos, então ele herdou um nome mais excelente do que os anjos. Agora ele foi feito herdeiro de todos, em que todas as coisas sendo feitas e formadas por ele, o Pai cometeu a ele, como mediador, um poder peculiar sobre todas as coisas, para serem governadas por ele em todos os fins de sua mediação. Assim, também sendo o Filho de Deus natural e eterno, e na execução de sua obra, o Pai declarou que era seu nome. Veja Lucas 1:35; Isaías 7:14, 9: 6. O seu ser o Filho de Deus é o fundamento próprio de seu chamado assim; e a sua operação de seu ofício na ocasião da sua declaração. Então ele chegou a ele por direito de herança, quando ele foi "declarado como o Filho de Deus com poder, pela ressurreição dentre os mortos", Romanos 1: 4. Esta é, portanto, a soma da proposição do apóstolo e a confirmação disso. Um nome dado por Deus para esse fim e propósito realmente declara a natureza, o estado e a condição daquele ou a quem é dado; mas a Cristo, o mediador, há um nome dado a Deus mesmo, muito mais excelente do que qualquer um que por ele é dado aos anjos, o que indubitavelmente evoca que ele seja colocado em um estado e condição de glória muito acima deles, ou preferida antes deles. Só devo observar uma ou duas coisas relativas aos hebreus, a quem o apóstolo escreveu, e assim pôr fim à nossa exposição deste verso. Primeiro, então, este discurso do apóstolo, provando a preeminência do Messias acima dos anjos era muito necessário para os hebreus, embora fosse muito adequado aos seus próprios princípios e, em geral, reconhecido por eles. Há até hoje uma tradição entre eles que o Messias será exaltado acima de Abraão, e Moisés, e os anjos ministradores. Além disso, eles reconheceram as Escrituras do Antigo Testamento, em que o apóstolo mostra-lhes que esta verdade foi ensinada e confirmada. Mas eles foram aborrecidos e lentos em fazer a aplicação desses princípios para a confirmação de sua fé no evangelho, como o apóstolo carrega a eles, capítulo 5:11, 12. E eles tiveram na época grandes especulações sobre a glória, dignidade e excelência dos anjos, e caíram em algum tipo de adoração deles. E pode ser que essa curiosidade, vaidade e superstição fossem aumentadas pelo calor da controvérsia entre os fariseus e saduceus sobre eles; - a negação da existência e do ser; o outro, a quem o corpo do povo seguiu, exaltando-os acima da medida e inclinando-se ao culto deles. Isto o apóstolo declara, em Colossenses 2:18. Tratando daqueles professantes judaizantes que então perturbaram as igrejas, ele os carrega com especulações infrutíferas e curiosas sobre anjos, e a adoração deles. E de seu ministério na concessão da lei, eles ainda se vangloriam. Era necessário, portanto, tirá-los da confiança desse privilégio e da superstição que se seguiu sobre ele, para instruí-los na preeminência do Senhor Jesus Cristo acima de todos eles, para que seus pensamentos pudessem ser dirigidos a ele, e sua confiança colocada somente nele. E essa exaltação do Messias alguns de seus últimos doutores afirmam em Daniel 7: 9. - "Eu vi até que os tronos fossem postos", "colocados", "exaltados" - como no Caldeu original, e como todas as traduções antigas, gregas, latinas, siríacas e árabes, representam as palavras, no entanto, lemos "até que os tronos fossem lançados", afirmando que um desses tronos era para o Messias, diante do qual todos os anjos ministraram em obediência. Em segundo lugar, pode não ser bom observar que os judeus sempre tiveram uma tradição do nome glorioso do Messias, que, mesmo depois de sua total rejeição, retêm uma lembrança obscura disso. O nome que eles magnificam principalmente é "Metatron". Ben Uzziel, em seu Targum em Gênesis 5, atribui esse nome a Enoque quando foi traduzido: "Ele subiu ao céu na palavra do Senhor, e seu nome era chamado Metatron, o grande escriba." Mas esta opinião de Enoque sendo Metatron é rejeitada e confundida no Talmud. Lá eles nos dizem que Metatron é &956;lw [h wç, "o príncipe do mundo", ou, como Elias o chama em Thisbi, &956;ynph rç, "o príncipe da presença de Deus". E na primeira menção deste nome, que é Talmud. Tract.Sanhed. cap. 4. fol. 38, eles claramente intimam que se refere a um anjo incriado por esta expressão. E, de fato, ele deve ser a quem se atribua o que atribuem a Metatron; pois, como Reuchlin, dos Cabalistas, nos informa, eles dizem, "quer dizer", o professante do próprio Moisés foi Metatron. "Ele é, diz Elias, esse é o anjo sempre aparecendo na presença de Deus, de quem se diz: "Meu nome está nele:" e os Talmudistas, que ele tem poder para apagar os pecados de Israel, de onde o chamam de chanceler do céu. E Bechai, no Êxodo 23, afirma que esse nome significa tanto um senhor, um mensageiro quanto um detentor; - um senhor, porque ele governa tudo; um mensageiro, porque ele permanece sempre diante de Deus para fazer a vontade dele; e um guardião, porque ele guarda Israel. Confesso que a etimologia que ele dá deste nome para esse propósito é fraca e tola; como também é o de Elias, que nos diz que Metatron é wy wçlb, - na língua grega, "um enviado". Mas, ainda assim, é evidente o que se pretende com todas essas sugestões obscuras. O Príncipe da glória, e sua exaltação sobre todos, com a excelência de seu nome, é visado. Quanto à própria palavra, é uma simples corrupção da palavra latina, "mediador", como é usual entre eles; ou uma ficção cabalista para responder a "o Todo-Poderoso", havendo uma coincidência em suas letras numéricas. A doutrina da preferência e preeminência de Cristo é insistida pelo apóstolo até o final deste capítulo e, portanto, eu devo não me preocupar com isso até que passemos por todas as provas produzidas; nem então, senão brevemente, tendo já em parte falado sobre isso, em nossa consideração de sua soberania e senhorio sobre todos. O que nos é particularmente instruído por estas palavras é que: - Toda preeminência e exaltação de um acima de outros depende do conselho supremo e da vontade de Deus. O exemplo que ele dá daquele que é exaltado sobre tudo confirma nossa regra geral. Ele teve seu "nome", denotando sua glória e excelência, por "herança", uma herança projetada para ele e dada a ele no conselho, vontade e bom prazer de Deus. Ele deu a ele aquele "nome acima de todo nome", Filipenses 2: 9, e a vontade e prazer dele: "Agradou ao Pai que, nele, toda plenitude deveria habitar", assim, em todas as coisas, ele poderia ter a "preeminência", Colossenses 1: 16-19. Ele ordenou a ele desde a eternidade, 1 Pedro 1:20; e realmente o exaltou de acordo com o seu conselho eterno na plenitude dos tempos, Atos 2:36, 5: 31. Esta preeminência, então, de Cristo, acima de tudo, depende do conselho e do prazer de Deus; e ele é aqui um padrão de todos os privilégios e preeminência nos outros. A graça, a misericórdia e a glória, as coisas espirituais e eternas são aquelas em que realmente há alguma diferença entre os filhos dos homens. Agora, que qualquer uma dessas coisas seja preferida antes de outra, depende apenas do único bom prazer de Deus. Nenhum homem nestas coisas se distingue dos outros, e não tem nada que ele não tenha recebido. "Deus tem piedade de quem tem misericórdia". E essa discriminação de todas as coisas pela vontade suprema de Deus, especialmente espiritual e eterna, é a fonte, e a regra de toda a glória que ele manifestará e será exaltada até a eternidade. 5. O apóstolo procede à confirmação de sua proposição sobre a preeminência do Senhor Jesus Cristo acima dos anjos e da sua prova da excelência do nome que lhe foi dado; e isso ele faz por vários testemunhos produzidos a partir do Antigo Testamento, dois dos quais estão conjugados neste versículo, como os versos estão divididos em nossas Bíblias.
Versículo 5.
“Pois a qual dos anjos disse jamais: Tu és meu Filho, eu hoje te gerei? E outra vez: Eu lhe serei Pai, e ele me será Filho?” (Hebreus 1.5)
Estas palavras são tomadas, do Salmo 2.7: “Proclamarei o decreto do SENHOR: Ele me disse: Tu és meu Filho, eu, hoje, te gerei.” E são também citadas em Atos 13.32,33: “Nós vos anunciamos o evangelho da promessa feita a nossos pais, como Deus a cumpriu plenamente a nós, seus filhos, ressuscitando a Jesus, como também está escrito no Salmo segundo: Tu és meu Filho, eu, hoje, te gerei."
Duas coisas são consideráveis nessas palavras: - 1. A maneira como o apóstolo produz o testemunho que ele pretendia fazer uso: "A qual dos anjos disse ele a qualquer momento? 2. O próprio testemunho: "Tu és meu Filho, hoje te gerei". Nisto, três coisas podem ser observadas: - Primeiro, que o testemunho que, em questão de fé, ele insistiu é aquele da Escritura. Ele remete os judeus para esse princípio comum que foi reconhecido entre eles. Os homens ainda não tinham aprendido em tais concursos para fazer esse exame ao qual agora estamos habituados: "Como você conhece essas Escrituras para serem a palavra de Deus?" Nem, de fato, é adequado à honestidade comum para os homens questionarem e prostituírem a autoridade de seus próprios princípios mais sagrados, sem outro fim senão prejudicar os adversários. Mas nosso apóstolo aqui envia com confiança os hebreus para a regra reconhecida de sua fé e adoração, cuja autoridade ele sabia que não iriam recusar, Isaías 8: 20.
O apóstolo trata expressamente em todo este capítulo do testemunho da Escritura, e com isso apenas as suas palavras se relacionam, e nela ele emite toda a controvérsia que ele tinha em mãos, sabendo que os judeus tinham muitas tradições corruptas, expressamente contrárias ao que ele comprometeu-se a provar; particularmente, que a lei de Moisés era eternamente obrigatória, contra o que ele contesta diretamente em toda a epístola. Um argumento, então, tomado negativamente da autoridade da Escritura em questões de fé, ou o que se relaciona com a adoração de Deus, é válido e eficaz, e aqui consagrado para sempre ao uso da igreja pelo apóstolo. Terceiro, isso o apóstolo ou de fato concede, ou então, por argumentos, condescende à apreensão dos hebreus, que há uma distinção de graus e preeminência entre os próprios anjos. Para confirmar, portanto, sua afirmação geral da dignidade e da preeminência de Cristo acima de todos eles, ele provoca a instância em qualquer um deles, que, de fato ou em sua apreensão, foi promovido acima de outros, a quem tais palavras como essas já falaram: "A qual dos anjos disse ele". Sua afirmação respeita não só à comunidade deles, como também qualquer um dos chefes ou príncipes entre eles. Há &956;ynicarih; &956;yric; Daniel 10:13, "principais príncipes" entre os anjos. E deles, Miguel, o príncipe do povo de Deus, é não em ordem, mas o chefe na dignidade, a cabeça e o líder. Agora, diz o apóstolo, a qual destes, ou ao resto deles, foram dirigidas estas palavras? Prossiga agora ao próprio testemunho produzido. São necessárias três coisas para torná-la pertinente ao seu propósito, e útil para o fim para o qual ele menciona: - Primeiro, que aquele de quem ele fala é peculiarmente previsto. Em segundo lugar, que haja nela uma designação de um nome feito por Deus, que sobre ele poderia reivindicar como sua herança peculiar. Em terceiro lugar, que este nome, seja absolutamente ou em sua maneira peculiar de apropriação para ele, é mais excelente do que qualquer um que tenha sido dado aos anjos, como sinal de sua dignidade, autoridade e excelência. E essas coisas, para o esclarecimento do argumento do apóstolo, devem ser particularmente insistidas. Primeiro, as palavras produzidas pertencem peculiarmente a ele a quem são aplicadas; isto é, é ao Messias, que é profetizado no segundo salmo, de onde são extraídas. Isso com todos os cristãos é levado a uma disputa, pela sua aplicação em vários lugares a ele; como Atos 4: 25-27, 13:33; Hebreus 5: 5.

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login. Mais textos de SILVIO DUTRA:
A Adoração no Culto Público Autor(a):
A Aliança Eterna, o Suporte do Crente sob Aflição Autor(a):
Amor a Deus Autor(a):
Como Ir para o Céu Autor(a):
Confessar e se Arrepender em vez de se Endurecer Autor(a):
Conforto para os Cristãos – Parte 1 Autor(a):
Conforto para os Cristãos – Parte 2 Autor(a):
Conforto para os Cristãos – Parte 3 Autor(a):
Conforto para os Cristãos – Parte 4 Autor(a):
Deus nos Ordena Sermos Santos Porque Ele é Santo Autor(a):
Domínio do Pecado ou da Graça Autor(a):
Há Alguma Coisa Difícil Demais para o Senhor? – P 1 Autor(a):
Há Alguma Coisa Difícil Demais para o Senhor? – P 2 Autor(a):
Hebreus 1 - Versos 10 a 12 – P1 Autor(a):
Hebreus 1 - Versos 10 a 12 – P2 Autor(a):
Hebreus 1 - Versos 8 e 9 – P1 Autor(a):
Hebreus 1 - Versos 8 e 9 – P2 Autor(a):
Hebreus 1 – Versículos 1 e 2 Autor(a):
Hebreus 2 - Verso 1 – P1 Autor(a):
Hebreus 2 - Verso 1 – P2 Autor(a):
Hebreus 2 - Versos 2 a 4 – P1 Autor(a):
Hebreus 2 - Versos 2 a 4 – P2 Autor(a):
Hebreus 2 - Versos 2 a 4 – P3 Autor(a):
Hebreus 2 - Versos 2 a 4 – P4 Autor(a):
Hebreus 2 - Versos 5 a 9 – P1 Autor(a):
Hebreus 2 - Versos 5 a 9 – P2 Autor(a):
Hebreus 2 - Versos 5 a 9 – P3 Autor(a):
Início, Meio, Fim e Recomeço – Parte 1 Autor(a):
Início, Meio, Fim e Recomeço – Parte 2 Autor(a):
John Owen - Hebreus 1 - Versos 4 e 5 – P1 Autor(a):