WILLIAM PEREIRA DE MENDONÇA

 -  - WILLIAM PEREIRA
Total Visualizações: 20571
Texto mais lido:
ÍRIS - Total: 685
Educares são nossos pontos, nossa pontuação! Educares: 101
10 Autores mais recentes...
ALEXANDRE DORNELES DE BRITO PINNA
SALETI HARTMANN
ELIZABETH PEREIRA DA SILVA
ELLENDRA VALENTINE
ONIVAN BARBOSA PANTOJA
THALLES CAKAN
ADALTO FREITAS
PERGENTINO JUNIOR
MARIA DO SOCORRO DOMINGOS
PAOLA CAMILA DOS SANTOS ESQUIVEL
10 Autores mais lidos...
613 SEDNAN MOURA
SEDNAN MOURA
Total: 1193085
285 ALEXANDRE BRUSSOLO
ALEXANDRE BRUSSOLO
Total: 224868
272 PEDRO VONO
PEDRO VONO
Total: 109953
1121 THALYA SANTOS
THALYA SANTOS
Total: 79724
190 DIRCEU DETROZ
DIRCEU DETROZ
Total: 77632
622 EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
Total: 42888
218 ZILDO GALLO
ZILDO GALLO
Total: 28089
496 ALBERTO DOS ANJOS COSTA
ALBERTO DOS ANJOS COSTA
Total: 27597
189 LADISLAU FLORIANO
LADISLAU FLORIANO
Total: 25479
385 ANDRADE JORGE
ANDRADE JORGE
Total: 23031
Sala de Leitura
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto TituloTexto



Total de visualização: 60
Textos & Poesias
Imprimir

Total Votos: 0
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!
  Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

EMILY DICKINSON - A poetisa reclusa


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

O dom da poesia - é sabido - não privilegia nenhum sexo. Tanto homens quanto mulheres têm a capacidade, quase uma centelha divina, de expressar sentimentos e idéias nos versos, uma prática que acompanha a humanidade há milhares de anos. No entanto, em qualquer compêndio de literatura as mulheres estão em menor número - fruto da situação de submissão a que foram relegadas na sociedade ocidental nos últimos séculos. Devido a esse preconceito, à falta de espaço, até mesmo a zombaria dos meios acadêmicos, muitas poetisas talentosas sequer chegaram a publicar seus poemas.
Mas o tempo, muitas vezes, devolve à luz da Justiça esses nomes que pareciam esquecidos. É o caso claro da poetisa americana Emily Dickinson, nascida em 10 de dezembro de 1830 na cidade de Amherst, Massachusetts. Sem dúvida, uma das maiores poetisas de todos os tempos, com uma sensibilidade apurada, Emily foi criada no ambiente puritano da Nova Inglaterra. Nunca se casou e apenas três vezes saiu de sua cidade natal, para pequenas viagens. Praticamente não sofreu influências de gêneros ou estilos poéticos - produziu uma obra original.
Desde os dezoito anos, Emily dava vazão aos seus sentimentos em versos mas só dez anos depois, em 1858, decidiu reunir os poemas em pequenos volumes manuscritos. Muito do que tinha escrito até ali era uma forma de sublimação de uma paixão proibida, por um homem casado, com quem Emily não se deixou envolver graças aos sua formação puritana. Até 1866, produziu ardentemente.
Em 1862, quando sua produção tinha atingido o auge, Emily tomou coragem, reuniu quatro poemas e os enviou a um crítico literário. Este, do alto da falta de sensibilidade que sempre caracterizou os críticos, desaconselhou Emily a publicar seus poemas - mesmo reconhecendo suas originalidades métricas. O crítico acreditava que os poemas não teriam aceitação pública. Por conta disso, Emily, com sua personalidade retraída, nunca publicou seus poemas. Somente após a sua morte, que ocorreu em 15 de maio de 1886, sua irmã descobriu os numerosos manuscritos, com centenas de poemas, publicando “Poems by Emily Dickinson” (1890).
Ao contrário do que previra o crítico, os poemas de Emily Dickinson tiveram aceitação imediata e a transformaram em um dos maiores nomes da literatura mundial.

(Parte da coletânea "História de Poetas". Publicado no jornal A VOZ DE MARAMBAIA. Publicado no site www.williammendonca.com em 15/09/2008.)

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login. Mais textos de WILLIAM PEREIRA DE MENDONÇA:
20 DE OUTUBRO: DIA DO POETA Autor(a):
A AREIA FINA Autor(a):
A DOR QUE ME VISITA Autor(a):
A LIRA DOS VINTE ANOS Autor(a):
A MIL POR HORA Autor(a):
A MORAL RASTEJANTE Autor(a):
A PAZ NO OLHAR DE GABRIELA Autor(a):
A POESIA DAS NOITES DE HOJE Autor(a):
A QUEM NÃO AMA Autor(a):
A RENÚNCIA DO PAPA Autor(a):
A ÚLTIMA QUIMERA Autor(a):
A VERDADE RELATIVA Autor(a):
ABSINTO Autor(a):
AGORA Autor(a):
AGRADECIMENTO Autor(a):
ALGUMAS TROVAS IMPERFEITAS Autor(a):
AMANHECER Autor(a):
ANA C. - O brilho interrompido Autor(a):
ANACRÔNICO Autor(a):
ÂNSIA Autor(a):
ANTONIN ARTAUD - O teatro e sua santa loucura Autor(a):
ANUNCIADA Autor(a):
AO TEU SOL EM PEIXES Autor(a):
AONDE VAI O POVO? (Conversa com o Brasil) Autor(a):
AOS ABUTRES Autor(a):
AOS NOSSOS FILHOS Autor(a):
APARTHEID BANCÁRIO Autor(a):
ARGONAUTA Autor(a):
ARTAUD Autor(a):
ARTHUR MILLER - o mestre indiscutível do drama moderno Autor(a):