ALBERTO DOS ANJOS COSTA

 -  - ALBERTO DOS
Total Visualizações: 102691
Texto mais lido:
Agradecimentos! - Total: 1722
Educares são nossos pontos, nossa pontuação! Educares: 1974
10 Autores mais recentes...
SIDNAIDE DALINA DOS SANTOS
JOSE HENRIQUE SANTOS
ELIZANDRO APARECIDO ROCHA DOS SANTOS
MARIA DE LOURDES ALVES RIBEIRO FIDELES
FELIPE RAFAEL DOS SANTOS
MARIA EDUARDA BARBOSA CASTRO
ALCILEIA
LARA FÁBIA SCHUNCK
EMILLY SCHWAMBACH UHL
WESLAYNE HOLLUNDER PESSOA
10 Autores mais lidos...
613 SEDNAN MOURA
SEDNAN MOURA
Total: 5315235
657 ELIO MOREIRA
ELIO MOREIRA
Total: 1013920
285 ALEXANDRE BRUSSOLO
ALEXANDRE BRUSSOLO
Total: 813521
190 DIRCEU DETROZ
DIRCEU DETROZ
Total: 755170
622 SANTO VANDINHO
SANTO VANDINHO
Total: 419032
1121 THALYA SANTOS
THALYA SANTOS
Total: 216291
272 PEDRO VONO
PEDRO VONO
Total: 144491
218 ZILDO GALLO
ZILDO GALLO
Total: 111381
496 ALBERTO DOS ANJOS COSTA
ALBERTO DOS ANJOS COSTA
Total: 102691
189 LADISLAU FLORIANO
LADISLAU FLORIANO
Total: 93783
Sala de Leitura
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto TituloTexto



Total de visualização: 18
Textos & Poesias
Imprimir

Total Votos: 0
 
 

SEPULTAR DE ILUSÕES

Espectros em amálgamas pérfidas,
solapam ilusões quiméricas,
por ciladas que se elevam lépidas,
no embate de ações tétricas!

Devaneios alteiam-se intrusos,
na quietude silente em brandura;
cingindo refletir obtuso,
na introspecção que agora vislumbra!

Vertigens vesânicas recrescem,
ações estertorantes figadais;
soçobram ímpetos e arrefecem,
o viço em rompantes temporais!

Dores alçam-se profusas,
em apatias e prosternação difusas,
obliterando vontades reclusas,
pela pandemia que tanto assusta!

A verve que foi inumada,
fomenta letargia e oclusão!
A vida morrediça e quebrantada,
susta esperanças; denegando a emoção!

Cáustica pandemia beligerante,
de temores e aflições subsidiárias,
de suplícios apavorantes,
e de incertezas incendiárias!

O isolamento ancorando a solidão,
metamorfoseando-se em dores!
O repulsivo tormento em amplidão,
cinge o nefasto em olhares estertores!

Abismais medos em consistência,
a mostrar nossa vulnerabilidade,
pondo a reflexão em evidência,
de sermos um sopro de brevidade.

Perniciosas fobias em privacidade,
incitando segregação epidêmica,
tratando a velhice com perversidade,
por algozes neuroses sistêmicas.

Ah! Esperança vivificante,
que rejubila e rejuvenesce,
destitua essa dúvida angustiante,
do minaz contágio que nos falece!

Como castigo por nossas ações,
o vírus se eleva copioso,
contaminando corações,
tornando-se um réu insidioso.

Seria uma provação?
Por sermos confessos predadores,
criando nódoas e azedume!
Quiçá, por sermos conscientes destruidores,
vertendo ódios em costume!

Tantas iniquidades inescrupulosas,
de humanos sem humanidade;
em ações tão ardilosas,
requintadas pela crueldade!

Deveras prostituídos,
por egoísmos e futilidades!
Sentimo-nos confrangidos,
por olvidarmos da fraternidade!

Inerentes vaidades!
Presunçosa! Convencida!
Soberba em disfarce!
Vaidades consumidas,
pelo individualismo em enlace!

Vaidades! Sempre vaidades!
Recônditas em nosso ser,
vamos fingindo em castidade,
logrando a vida sem a conhecer!

Oh, ambições!
Desprezíveis e necessárias!
Idealizadora de ações,
instigantes e arbitrárias!

Somos seres insaciáveis;
no afã de ter sempre mais!
As conquistas inadiáveis,
deixam-nos brutos animais!

Se o homem é a imagem de Deus,
alguma coisa está errada,
pois, não é possível que filhos seus,
tenham a perversidade em sua jornada!

Somos poeira,
escamoteando a humildade,
grãos de areia,
introduzindo tempestades!

Moléculas em sopro,
perdendo o elo,
somos indoutos,
desperdiçando o belo!

Somos o passado,
presente e futuro;
primor marcado,
empossando o impuro!

Lépida brisa,
em telúrico passeio,
formando ventania,
no paraíso em esteio!

Somos estrelas,
nascendo e morrendo,
vontades guerreiras,
que o tempo vai vencendo!

Oh, morte! Que tudo finda!
Que nos exime de toda culpa!
Ensina-nos, que a vida ainda;
é perseverança até o fim da luta!

A vida é uma plêiade de estrelas;
de ígneas sensações em ardor!
A pandemia veio voraz e sorrateira,
adornando a morte e içando a dor!

Vivenciaremos instantes funestos,
que despertarão lágrimas e temores!
O vírus em seu invisível gesto,
empossou incertezas e dissabores!

Quantas ilusões sepultadas!
Quantos desejos subtraídos!
Quantas quimeras encerradas!
Quantos sonhos rescindidos!

Oh, vírus que nos aflige,
deixando-nos mudo de estupor;
infecção que nos inflige,
ingente açoite em furor!

Oh! Heróis que sucumbem,
pelo contágio que se difunde!
A pandemia se incumbe,
de promover cortejos fúnebres!

Muitos serão os escolhidos,
dentre séquitos de atores!
Muitos óbitos serão assistidos,
suscitando desgraça e estertores!

Quanta falta de empatia,
de um governo em deboche,
para ele a morte é a garantia,
de que alguns não tiveram sorte.

Quanta discriminação aviltante,
para pessoas em avançada idade,
muitos dizem que já viveram o bastante,
e de que a morte faz parte da interinidade.

Oh, vírus! Revelastes o desumano,
em nossa própria espécie!
Mostrastes egoísmos e o modo insano,
em gélidos corações que embrutecem!

Desventuras abraçam o isolamento,
com a pútrida ação contra o idoso,
que sente o travo do confinamento,
pelo desprezo tão doloroso!

Injustiças! Quantas injustiças!
O mundo já fomentou!
Esperanças morrediças,
pelo desamor que se alastrou!

Nesse sistema de hipocrisias,
onde a indignidade é o deslumbre!
Solapa a sapiência e a põe em paralisia;
excitando o insano que a transfunde!

Como posso não me impactar com a pandemia!
Se a morte nos observa noite e dia!
Como posso não me sentir destroçado!
Se o que vejo é o alento sendo derrotado!

Oh! Quanta insegurança,
num trilhar cáustico e pungente!
O dia a dia com a esperança,
traz o coração sempre contente!

Oh! Imperdoável engodo;
em um mundo dividido!
Este paraíso é um todo!
O amor é decisivo!

Túmulos erigidos pela virulência,
mostram-nos como somos fragilizados!
Consternados ratificamos em penitência,
de que nosso pedantismo é inadequado!

Pensar que uma vida é dispensável,
é desconhecer um universo de querença!
Ilusões fazem parte do inefável!
São sentimentos ornando nossa presença!

Que torpe politicagem,
nas artimanhas pela vacinação!
As mortes são as homenagens,
pelos votos na eleição!

Dois Brasis dentro do Brasil,
com seu povo e suas diferenças!
A Pandemia em seu ardil,
criou a vacinação com desavenças!

E o vírus disse incontinenti!
Brasil, sois uma nação dividida,
em que sua brava gente,
faz a desunião ser acolhida!

Quantos brasileiros partiram,
sepultando suas ilusões!
Silentes pranteiam em seus jazigos,
o findar de suas emoções!

Será que aprenderemos,
nessa angustiosa provação?
Que a pandemia faz nós sofrermos,
se não tivermos o amor no coração!

Porquanto, lutamos tanto,
para não levarmos nada!
A vida é um terno encanto!
A morte é o fim da jornada!

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login. Mais textos de ALBERTO DOS ANJOS COSTA:
A Idade da Inocência Autor(a):
A noite Autor(a):
A Outra Autor(a):
Abnegação Materna Autor(a):
Aborto Negligenciado Autor(a):
Acordes Autor(a):
Adolescência Autor(a):
Afetuosa Amizade Autor(a):
Agradecimentos! Autor(a):
Agrado Autor(a):
Agravo Autor(a):
AIDS Autor(a):
Alberto dos Anjos Costa Autor(a):
Aliança Autor(a):
Alienação Autor(a):
Alma Santa Autor(a):
Alquimia do Amor Autor(a):
Alternâncias Autor(a):
Altivos Monumentos Autor(a):
Alvo Sentenciar Autor(a):
Amigo Especial Autor(a):
Amigos Autor(a):
Amizade Autor(a):
Amor Autor(a):
Amor Proibido Autor(a):
Amor Proibido Autor(a):
Amor sem Registro Autor(a):
ÂNIMO Autor(a):
Aniversariante Autor(a):
Anjos Autor(a):
Banner aniversariantes

Aniversário Hoje

Aniversariante de Hoje GILMAR GROSSINI
Aniversariante de Hoje MARCELO DE AZEVEDO TOJAL
Aniversariante de Hoje SIDNEI PIEDADE