LUCIANE MARI DESCHAMPS

 -  - LUCIANE MARI
Total Visualizações: 1062
Texto mais lido:
ADOLESCÊNCIA - Total: 180
Educares são nossos pontos, nossa pontuação! Educares: 43
10 Autores mais recentes...
MILTON JORGE DA SILVA
CELSO GABRIEL DE TOLEDO E SILVA
MARIA DE SOUZA CEZAR
EVERALDO JOSÉ CAVALHEIRO PAVÃO
JOSE JOÃO BOSCO PEREIRA
RUAN VIEIRA
FERNANDO DANIEL FRANCO DE CAMARGO
ELIAS OLIVEIRA DE JESUS
MARISA BARBOSA CAJADO
FATIMA HELUANY ANTUNES NOGUEIRA NOGUEIRA
10 Autores mais lidos...
613 SEDNAN MOURA
SEDNAN MOURA
Total: 1318298
285 ALEXANDRE BRUSSOLO
ALEXANDRE BRUSSOLO
Total: 238636
272 PEDRO VONO
PEDRO VONO
Total: 110863
190 DIRCEU DETROZ
DIRCEU DETROZ
Total: 103567
1121 THALYA SANTOS
THALYA SANTOS
Total: 86005
622 EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
Total: 47820
218 ZILDO GALLO
ZILDO GALLO
Total: 30814
496 ALBERTO DOS ANJOS COSTA
ALBERTO DOS ANJOS COSTA
Total: 29303
189 LADISLAU FLORIANO
LADISLAU FLORIANO
Total: 27927
385 ANDRADE JORGE
ANDRADE JORGE
Total: 24286
Sala de Leitura
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto TituloTexto



Total de visualização: 103
Textos & Poesias
Imprimir

Total Votos: 0
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!
  Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

As Moiras


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

As Moiras gregas eram três irmãs chamadas Cloto, Láquesis e Átropos, consideradas Deusas e que determinavam o destino dos mortais, especialmente a duração da vida de cada pessoa e seu quinhão de atribulações e sofrimentos. Elas viviam no Céu, numa caverna ao pé do lago cuja água branca jorrava da mesma caverna: clara imagem do luar. O nome delas, a palavra moira, significa "parte". Alguns diziam serem filhas do Deus Caos, de Érebo ou ainda de Têmis e Zeus. Outros diziam serem as filhas de Nix (a noite).
As Moiras eram representadas como três anciãs que teciam, em forma de fio, o viver dos homens. Também eram tidas como as Deusas fiandeiras da vida, as que regulavam o destino de cada um. Os poetas da antiguidade descreviam as Moiras como velhas de aspecto sinistro, de grandes dentes e longas unhas. Nas artes plásticas, porém, aparecem representadas quase sempre como lindas mulheres.
A Deusa Cloto, que em grego significa "fiar", era a responsável em segurar o fuso e puxar o fio da vida, era a fiadora. Láquesis (cujo nome significava "sortear") enrolava o fio e sorteava e distribuía o nome dos que iriam morrer. A terceira Deusa, Átropos, era a mais irredutível, inflexível, iniludível de todas elas e não admitia a volta, como seu próprio nome significava. Era ela que cortava o fio da vida e impunha o final da existência ao ser humano a qualquer momento. O que ela dizia era inevitável.
As Moiras eram as donas do destino e o que determinavam era como uma lei soberana e que nem mesmo Zeus, o Deus de todos os Deuses do Olímpio, estava autorizado a transgredir sem interferir na harmonia do Universo. As Parcas, como também eram conhecidas, receberam, na mitologia latina, os nomes de Nona (para a que se chamava Cloto), Décima (para a que se chamava Láquesis) e Morta (para a Moira Átropos).
Estas Deusas tinham respectivamente as funções de presidir ao nascimento, ao casamento e à morte. O tempo para o nascimento do homem que fora determinado pela Deusa Nona era as nove luas. A quantidade dos anos vividos era determinada por Décima, a Deusa que distribuía os nomes de quem viveria ou morreria e atribuições e sofrimentos que teria. A Deusa Morta ditava o momento final, sem aviso prévio e cortava o fio, irredutível nesta sua função de colocar um ponto final na vida de quem ela escolhia para morrer. Enfim, a vida dos seres mortais estava nas mãos das fiandeiras e eram elas que traçavam seus destinos. O final, porém, era igual: a morte, sem piedade e sem volta. As fiandeiras da vida davam a medida do quanto viveríamos, mas não do como aproveitaríamos esse tempo.

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login. Mais textos de LUCIANE MARI DESCHAMPS:
A criação do Homem - O Mito de Prometeu, Epimeteu e Pandora Autor(a):
A ESCALADA Autor(a):
ADOLESCÊNCIA Autor(a):
As Moiras Autor(a):
O DIA DOS PAIS PARA UMA CRIANÇA SEM PAI Autor(a):
O MITO DA CAVERNA Autor(a):
RESENHA CRÍTICA DO DOCUMENTÁRIO “ALIVE INSIDE” (Vivos por Dentro) – 2014 Autor(a):
Se eu fosse negra... Autor(a):
TEMPESTADE Autor(a):
TEMPO DE NATAL Autor(a):