LUCIANE MARI DESCHAMPS

 -  - LUCIANE MARI
Total Visualizações: 1235
Texto mais lido:
ADOLESCÊNCIA - Total: 212
Educares são nossos pontos, nossa pontuação! Educares: 43
10 Autores mais recentes...
JUAN CARLOS
DARLAN BEZERRA PILAR
JOSÉ ROBERTO DA SILVA
VALDINEI DA SILVA CAMPOS
JOSÉ MARIA AMARANTO
MILTON JORGE DA SILVA
CELSO GABRIEL DE TOLEDO E SILVA
MARIA DE SOUZA CEZAR
EVERALDO JOSÉ CAVALHEIRO PAVÃO
JOSE JOÃO BOSCO PEREIRA
10 Autores mais lidos...
613 SEDNAN MOURA
SEDNAN MOURA
Total: 1601628
285 ALEXANDRE BRUSSOLO
ALEXANDRE BRUSSOLO
Total: 261182
190 DIRCEU DETROZ
DIRCEU DETROZ
Total: 135675
272 PEDRO VONO
PEDRO VONO
Total: 113202
1121 THALYA SANTOS
THALYA SANTOS
Total: 94797
622 EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
Total: 61578
218 ZILDO GALLO
ZILDO GALLO
Total: 35849
496 ALBERTO DOS ANJOS COSTA
ALBERTO DOS ANJOS COSTA
Total: 33174
189 LADISLAU FLORIANO
LADISLAU FLORIANO
Total: 32504
657 ELIO MOREIRA
ELIO MOREIRA
Total: 29835
Sala de Leitura
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto TituloTexto



Total de visualização: 118
Textos & Poesias
Imprimir

Total Votos: 0
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!
  Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

As Moiras


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

As Moiras gregas eram três irmãs chamadas Cloto, Láquesis e Átropos, consideradas Deusas e que determinavam o destino dos mortais, especialmente a duração da vida de cada pessoa e seu quinhão de atribulações e sofrimentos. Elas viviam no Céu, numa caverna ao pé do lago cuja água branca jorrava da mesma caverna: clara imagem do luar. O nome delas, a palavra moira, significa "parte". Alguns diziam serem filhas do Deus Caos, de Érebo ou ainda de Têmis e Zeus. Outros diziam serem as filhas de Nix (a noite).
As Moiras eram representadas como três anciãs que teciam, em forma de fio, o viver dos homens. Também eram tidas como as Deusas fiandeiras da vida, as que regulavam o destino de cada um. Os poetas da antiguidade descreviam as Moiras como velhas de aspecto sinistro, de grandes dentes e longas unhas. Nas artes plásticas, porém, aparecem representadas quase sempre como lindas mulheres.
A Deusa Cloto, que em grego significa "fiar", era a responsável em segurar o fuso e puxar o fio da vida, era a fiadora. Láquesis (cujo nome significava "sortear") enrolava o fio e sorteava e distribuía o nome dos que iriam morrer. A terceira Deusa, Átropos, era a mais irredutível, inflexível, iniludível de todas elas e não admitia a volta, como seu próprio nome significava. Era ela que cortava o fio da vida e impunha o final da existência ao ser humano a qualquer momento. O que ela dizia era inevitável.
As Moiras eram as donas do destino e o que determinavam era como uma lei soberana e que nem mesmo Zeus, o Deus de todos os Deuses do Olímpio, estava autorizado a transgredir sem interferir na harmonia do Universo. As Parcas, como também eram conhecidas, receberam, na mitologia latina, os nomes de Nona (para a que se chamava Cloto), Décima (para a que se chamava Láquesis) e Morta (para a Moira Átropos).
Estas Deusas tinham respectivamente as funções de presidir ao nascimento, ao casamento e à morte. O tempo para o nascimento do homem que fora determinado pela Deusa Nona era as nove luas. A quantidade dos anos vividos era determinada por Décima, a Deusa que distribuía os nomes de quem viveria ou morreria e atribuições e sofrimentos que teria. A Deusa Morta ditava o momento final, sem aviso prévio e cortava o fio, irredutível nesta sua função de colocar um ponto final na vida de quem ela escolhia para morrer. Enfim, a vida dos seres mortais estava nas mãos das fiandeiras e eram elas que traçavam seus destinos. O final, porém, era igual: a morte, sem piedade e sem volta. As fiandeiras da vida davam a medida do quanto viveríamos, mas não do como aproveitaríamos esse tempo.

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login. Mais textos de LUCIANE MARI DESCHAMPS:
A criação do Homem - O Mito de Prometeu, Epimeteu e Pandora Autor(a):
A ESCALADA Autor(a):
ADOLESCÊNCIA Autor(a):
As Moiras Autor(a):
O DIA DOS PAIS PARA UMA CRIANÇA SEM PAI Autor(a):
O MITO DA CAVERNA Autor(a):
RESENHA CRÍTICA DO DOCUMENTÁRIO “ALIVE INSIDE” (Vivos por Dentro) – 2014 Autor(a):
Se eu fosse negra... Autor(a):
TEMPESTADE Autor(a):
TEMPO DE NATAL Autor(a):