PAULO FONTENELLE DE ARAUJO

 -  - PAULO FONTENELLE
Total Visualizações: 81874
Texto mais lido:
ALMA SURDA - Total: 663
Educares são nossos pontos, nossa pontuação! Educares: 4567
10 Autores mais recentes...
GRAZIELLE APARECIDA PEREIRA DE AMORIM
PATRICIA DE ALMEIDA CARVALHO
ANA PAULA DE JESUS OLIVEIRA
MICHELE LIMA CAVALCANTE
ROSA SANTOS DA SILVA
SHIRLEY A. MORAIS
JUCIENE DE SOUZA SANTOS NASCIMENTO
IVONETE MELO DE CARVALHO
PRISCILA MIDORI
SIMONE BIANCHI ZAAR
10 Autores mais lidos...
613 SEDNAN MOURA
SEDNAN MOURA
Total: 6641443
657 ELIO MOREIRA
ELIO MOREIRA
Total: 1334240
285 ALEXANDRE BRUSSOLO
ALEXANDRE BRUSSOLO
Total: 1001998
190 DIRCEU DETROZ
DIRCEU DETROZ
Total: 853390
622 SANTO VANDINHO
SANTO VANDINHO
Total: 511583
1121 THALYA SANTOS
THALYA SANTOS
Total: 251054
272 PEDRO VONO
PEDRO VONO
Total: 153629
218 ZILDO GALLO
ZILDO GALLO
Total: 133817
496 ALBERTO DOS ANJOS COSTA
ALBERTO DOS ANJOS COSTA
Total: 127161
189 LADISLAU FLORIANO
LADISLAU FLORIANO
Total: 111701
Sala de Leitura
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto TituloTexto



Total de visualização: 614
Textos & Poesias
Imprimir

Total Votos: 0
 
 

A FORMIGA ALHEIA

Um dia a formiga não precisou pensar
tudo estava em seu lugar.
O mundo se encaixara,
as paredes eram extensas
e o formigueiro a obra perfeita
se ajustara a todas
cada casta possuía sua tarefa.

Hoje uma formiga não precisa pensar,
mas de vez em quando...
ela pode parar
e passar às outras
o feromônio de algo como:
“Estamos aqui!”
Mensagem rápida
na trilha de comida.

Hoje uma formiga já formiga,
ela não precisa pensar,
apenas casualmente,
(as formigas são obreiras,
a rainha é obreira,
títulos não existem),
qualquer operária transmite
uma satisfação como dizer:
“Agora pra frente!”
Alguma outra formiga terá a ideia
sentirá por instantes,
a felicidade alheia
e talvez abaixe antenas
sem interromper a tarefa
(nada cessará o serviço,
foi acertado no período Jurássico,
em um consenso de carapaças)

Uma formiga não precisa pensar,
por motivos longe da sua evolução,
talvez levante a cabeça,
em milésimos de ócio
e surgirá algo como:
“Sou igual a formiga à frente
a formiga no meu calcanhar é igual a mim.
Vivemos em um período dócil”.

Uma formiga não precisa pensar,
apenas ocasionalmente
quando se reproduzem,
a rainha à vista,
do chão todas percebem:
“Os machos voam!
Que lindo! Que lindo!
Mas tudo bem... tudo bem...”

A formiga jamais entende o porquê dos machos.
“Por que somente eles parecem morrer?”

DO LIVRO: AS ONDAS AMAM

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login. Mais textos de PAULO FONTENELLE DE ARAUJO:
20 DE JANEIRO DE 1983 Autor(a):
A BELEZA, QUARTA DIMENSÃO Autor(a):
A CEGONHA Autor(a):
A CIDADE POSSÍVEL Autor(a):
A DESCONSTRUÇÃO Autor(a):
A FORÇA DO CIÚME Autor(a):
A FORMIGA ALHEIA Autor(a):
A INVENÇÃO DO FUTEBOL Autor(a):
A MÁQUINA DO TEMPO Autor(a):
A MULHER DO LOUCO Autor(a):
A MÚMIA Autor(a):
A PISADA DO GIGANTE Autor(a):
A PRIMAVERA DAS FADAS Autor(a):
A SONDA AMERICANA VOYAGER I Autor(a):
A TEVÊ LIGADA Autor(a):
AGUMAS MOTIVAÇÕES Autor(a):
ALGUMAS PRINCESAS Autor(a):
ALMA SURDA Autor(a):
ALMA SURDA Autor(a):
AMO A VIDA COMO WALT WHITMAN Autor(a):
AMOR ATO VINTE Autor(a):
AMOR AOS DOZE ANOS Autor(a):
AMOR ATO CINCO Autor(a):
AMOR ATO DEZ Autor(a):
AMOR ATO DEZENOVE Autor(a):
AMOR ATO DEZESSEIS Autor(a):
AMOR ATO DEZESSETE Autor(a):
AMOR ATO DEZOITO Autor(a):
AMOR ATO OITO Autor(a):
AMOR ATO ONZE Autor(a):