PAULO FONTENELLE DE ARAUJO

 -  - PAULO FONTENELLE
Total Visualizações: 8036
Texto mais lido:
DELÍRIO DE PEIXE - Total: 109
Educares são nossos pontos, nossa pontuação! Educares: 1147
10 Autores mais recentes...
MILTON JORGE DA SILVA
CELSO GABRIEL DE TOLEDO E SILVA
MARIA DE SOUZA CEZAR
EVERALDO JOSÉ CAVALHEIRO PAVÃO
JOSE JOÃO BOSCO PEREIRA
RUAN VIEIRA
FERNANDO DANIEL FRANCO DE CAMARGO
ELIAS OLIVEIRA DE JESUS
MARISA BARBOSA CAJADO
FATIMA HELUANY ANTUNES NOGUEIRA NOGUEIRA
10 Autores mais lidos...
613 SEDNAN MOURA
SEDNAN MOURA
Total: 1320570
285 ALEXANDRE BRUSSOLO
ALEXANDRE BRUSSOLO
Total: 238851
272 PEDRO VONO
PEDRO VONO
Total: 110895
190 DIRCEU DETROZ
DIRCEU DETROZ
Total: 104685
1121 THALYA SANTOS
THALYA SANTOS
Total: 86097
622 EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
Total: 47911
218 ZILDO GALLO
ZILDO GALLO
Total: 30850
496 ALBERTO DOS ANJOS COSTA
ALBERTO DOS ANJOS COSTA
Total: 29340
189 LADISLAU FLORIANO
LADISLAU FLORIANO
Total: 27982
385 ANDRADE JORGE
ANDRADE JORGE
Total: 24311
Sala de Leitura
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto TituloTexto



Total de visualização: 39
Textos & Poesias
Imprimir

Total Votos: 0
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!
  Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

A DESCONSTRUÇÃO


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

Ordenei-me no caos.
Quis edificar
a ampla estrutura de ser
no loteado planalto humano.
Parti do minuto areia
e aceitei os dias
como pedras pulverizadas.
O ESQUECIMENTO FOI ALICERCE.
Admiti a resina dos povos.
(Todos povos possuem resinas).
Aceitei os homens
e seus desatinos quando em massa reunida
e suportaria o aglomerado,
caso ele não fosse impactado sobre mim.
Construi. Levantei paredes.
Entendi nossa consistência
de barro cozido
e a reciclagem da lama
através da idade.
Terminei a obra. Vistoriei.
A edificação imensa sim, pomposa também,
era desnecessária.
//////////////////////////////////
A alvenaria nunca será o Partenon,
nem mesmo uma esquina conhecida
de rua com nome de Barão.
Há somente um oco escavado atrás de tudo.
Pois sou gruta,
sempre fui gruta,
vão úmido maior que todos os projetos
e milhões de sons me cercam.
Uma estalactite coteja,
segundos absurdos em meu ouvido.

Do livro "Borboletas noturnas não existem" - não publicado
phcfontenelle@gmail.com

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login. Mais textos de PAULO FONTENELLE DE ARAUJO:
20 DE JANEIRO DE 1983 Autor(a):
A ALMA SURDA Autor(a):
A BELEZA, QUARTA DIMENSÃO Autor(a):
A CIDADE POSSÍVEL Autor(a):
A DESCONSTRUÇÃO Autor(a):
A FORMIGA ALHEIA Autor(a):
A LISTA Autor(a):
A MÁQUINA DO TEMPO Autor(a):
A MULHER DO LOUCO Autor(a):
A MÚMIA Autor(a):
A PRIMAVERA DAS FADAS Autor(a):
A SONDA AMERICANA VOYAGER I Autor(a):
A TEVÊ LIGADA Autor(a):
ALGUMAS PRINCESAS Autor(a):
ALMA SURDA Autor(a):
AMOR AOS DOZE ANOS Autor(a):
AMOR ATO CINCO Autor(a):
AMOR ATO DEZ Autor(a):
AMOR ATO DEZESSEIS Autor(a):
AMOR ATO DEZESSETE Autor(a):
AMOR ATO OITO Autor(a):
AMOR ATO ONZE Autor(a):
AMOR ATO SEIS Autor(a):
AMOR ATO TRÊS Autor(a):
AMOR ATO UM Autor(a):
ANDANDO PELO CALÇADÃO Autor(a):
ANÚNCIOS BRANCOS Autor(a):
AQUI SE MORRE DE CÂNCER Autor(a):
AS CRIANÇAS DO GENERAL MÉDICI Autor(a):
AS MARCAS Autor(a):