PAULO FONTENELLE DE ARAUJO

 -  - PAULO FONTENELLE
Total Visualizações: 81885
Texto mais lido:
ALMA SURDA - Total: 663
Educares são nossos pontos, nossa pontuação! Educares: 4567
10 Autores mais recentes...
GRAZIELLE APARECIDA PEREIRA DE AMORIM
PATRICIA DE ALMEIDA CARVALHO
ANA PAULA DE JESUS OLIVEIRA
MICHELE LIMA CAVALCANTE
ROSA SANTOS DA SILVA
SHIRLEY A. MORAIS
JUCIENE DE SOUZA SANTOS NASCIMENTO
IVONETE MELO DE CARVALHO
PRISCILA MIDORI
SIMONE BIANCHI ZAAR
10 Autores mais lidos...
613 SEDNAN MOURA
SEDNAN MOURA
Total: 6641786
657 ELIO MOREIRA
ELIO MOREIRA
Total: 1334271
285 ALEXANDRE BRUSSOLO
ALEXANDRE BRUSSOLO
Total: 1002192
190 DIRCEU DETROZ
DIRCEU DETROZ
Total: 853431
622 SANTO VANDINHO
SANTO VANDINHO
Total: 511620
1121 THALYA SANTOS
THALYA SANTOS
Total: 251072
272 PEDRO VONO
PEDRO VONO
Total: 153630
218 ZILDO GALLO
ZILDO GALLO
Total: 133845
496 ALBERTO DOS ANJOS COSTA
ALBERTO DOS ANJOS COSTA
Total: 127176
189 LADISLAU FLORIANO
LADISLAU FLORIANO
Total: 111730
Sala de Leitura
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto TituloTexto



Total de visualização: 619
Textos & Poesias
Imprimir

Total Votos: 0
 
 

AMOR AOS DOZE ANOS

Um daqueles amores,
dos que sempre acertam,
e por isso mesmo,
quis me surgir assim:
em minha escola,
no primeiro dia,
dentro da sala
do oitavo ano.
Meu amor agora vive ali.
Vive
e para o meu encanto,
senta em uma cadeira
da primeira fila
do lado da janela,
está presente na chamada,
e nem rabisca a lousa.
Eu o vejo tanto
que naquela prova
de matemática
meu amor saiu antes,
saiu para que eu soubesse:
amor
ao se multiplicar,
não precisa provar
e nem aparecer.
pois ele surgirá depois,
no fundo do pátio,
quase na saída,
perto da esquina,
ou no fim da rua.

Amo,
e não quero
que o meu amor sofra,
por examiná-lo assim.
Meus olhos se esticam
até o seu pescoço,
até os seus cabelos
e os outros notam
e talvez zombem,
deixando-me nervoso,
por estar errado,
quando sei que amo;
quando amar
é quase perceber:
o amor pode se transformar;
ter outro rosto
pra você reconhecer.


Digo isso porque ontem,
eu me distraí
e o meu amor grudou
um “piercing” dourado,
na ponta da língua.
Agora ele parece mascar
um chiclete diferente;
parece mastigar
um pedaço da orelha;
e parece também um amor torto,
pois vejo em cada lóbulo
um brinco
em formato de caveira.

O meu amor se dobrou
se misturou,
mas sei que por isso mesmo,
por este amor me entortar tanto,
meu amor,
um dos que sempre acertam,
acertou em mim.

Do livro: "A criança, substantivo sobrecomum"

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login. Mais textos de PAULO FONTENELLE DE ARAUJO:
20 DE JANEIRO DE 1983 Autor(a):
A BELEZA, QUARTA DIMENSÃO Autor(a):
A CEGONHA Autor(a):
A CIDADE POSSÍVEL Autor(a):
A DESCONSTRUÇÃO Autor(a):
A FORÇA DO CIÚME Autor(a):
A FORMIGA ALHEIA Autor(a):
A INVENÇÃO DO FUTEBOL Autor(a):
A MÁQUINA DO TEMPO Autor(a):
A MULHER DO LOUCO Autor(a):
A MÚMIA Autor(a):
A PISADA DO GIGANTE Autor(a):
A PRIMAVERA DAS FADAS Autor(a):
A SONDA AMERICANA VOYAGER I Autor(a):
A TEVÊ LIGADA Autor(a):
AGUMAS MOTIVAÇÕES Autor(a):
ALGUMAS PRINCESAS Autor(a):
ALMA SURDA Autor(a):
ALMA SURDA Autor(a):
AMO A VIDA COMO WALT WHITMAN Autor(a):
AMOR ATO VINTE Autor(a):
AMOR AOS DOZE ANOS Autor(a):
AMOR ATO CINCO Autor(a):
AMOR ATO DEZ Autor(a):
AMOR ATO DEZENOVE Autor(a):
AMOR ATO DEZESSEIS Autor(a):
AMOR ATO DEZESSETE Autor(a):
AMOR ATO DEZOITO Autor(a):
AMOR ATO OITO Autor(a):
AMOR ATO ONZE Autor(a):