ZILDO GALLO

 -  - ZILDO GALLO
Total Visualizações: 41533
Texto mais lido:
Haicais Lusitanos (4) - Total: 548
Educares são nossos pontos, nossa pontuação! Educares: 1093
10 Autores mais recentes...
HERBERTEEN SANTOS
DALILA DO NASCIMENTO DOS SANTOS
CLEITON CARVALHO DE JESUS GONSALVES
LUIZA NASCIMENTO ABREU
MARCO PAULO VALERIANO DE BRITO
ALHOSAL
JUAN CARLOS
DARLAN BEZERRA PILAR
JOSÉ ROBERTO DA SILVA
VALDINEI DA SILVA CAMPOS
10 Autores mais lidos...
613 SEDNAN MOURA
SEDNAN MOURA
Total: 2016279
285 ALEXANDRE BRUSSOLO
ALEXANDRE BRUSSOLO
Total: 288120
190 DIRCEU DETROZ
DIRCEU DETROZ
Total: 174730
272 PEDRO VONO
PEDRO VONO
Total: 115613
1121 THALYA SANTOS
THALYA SANTOS
Total: 103816
622 EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
Total: 83206
657 ELIO MOREIRA
ELIO MOREIRA
Total: 52528
218 ZILDO GALLO
ZILDO GALLO
Total: 41533
189 LADISLAU FLORIANO
LADISLAU FLORIANO
Total: 36922
496 ALBERTO DOS ANJOS COSTA
ALBERTO DOS ANJOS COSTA
Total: 36880
Sala de Leitura
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto TituloTexto



Total de visualização: 54
Textos & Poesias
Imprimir

Total Votos: 0
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!
  Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

Cântico das criaturas: uma volta à natureza na Carta do Papa Francisco


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

Com a Lettera Enciclica Laudato Si` del Santo Padre Francesco sulla Cura della Casa Comune (Carta Encíclica Laudato Si` do Papa Francisco sobre o Cuidado da Casa Comum), o Papa Francisco lançou uma visão de ecologia integral, que enxerga todos os seres, humanos e não humanos, indistintamente, interligados e se movimentando. A visão antropocêntrica que afastou o ser humano da natureza e colocou-o como dominador sobre os demais, não como um convivente, precisa ser superada e, neste sentido, a Encíclica papal é muito bem vinda, já que ela coloca a vida no centro de tudo. Ela é biocêntrica na sua essência. Todavia, para se compreender melhor a questão, é conveniente um retorno rápido no tempo, bem rápido, para se entender a evolução do antropocentrismo predominante.

Em particular no período pré-socrático, os gregos da antiguidade olhavam para a natureza e a viam tomada por deuses. Toda a natureza e todos os fenômenos naturais eram manifestações divinas. Com o avanço da ciência, particularmente a partir da revolução científica, que acontece em seguida ao Renascimento, e do Iluminismo (movimento filosófico do século XVIII), a natureza perdeu definitivamente a sua sacralidade, que vinha sendo lentamente deteriorada desde os tempos da Grécia clássica, pós-Sócrates. Do século XIX para diante, até os dias de hoje, a natureza foi totalmente dessacralizada. A partir do filósofo francês René Descartes (1596-1650), que pôs Deus fora da natureza e distante dos homens, a natureza tornou-se o que é hoje, um estoque de matérias primas a ser explorado, bem ao gosto do capitalismo em expansão. Para ele a vida consistia em três entidades separadas: um corpo mecânico, um espírito pensante e, acima, o espírito de Deus.

Com Descartes, o espírito pensante dos seres humanos estava livre para se apropriar da natureza e ele o fará com todas as suas forças, pois estava liberado para tanto. Assim, consolidou-se com Descartes o movimento antropocêntrico iniciado no Renascimento. Então, a Terra, com todos os seres nela existentes, tornou-se em definitivo propriedade dos homens. Tornou-se propriedade definitiva de todos os homens? Não, só daqueles que tinham poder e riqueza acumulada para explorá-la. Naqueles tempos os ricos e poderosos residiam em alguns países europeus, com destaque para a Inglaterra, Espanha, Portugal, Holanda e França.

Spinoza, um filósofo contemporâneo de Descartes, por sua vez, combina em uma só as três entidades. Deus não está acima de nós, mas dentro de cada um de nós. O corpo, a inteligência e o espírito são três aspectos de uma realidade única. O mundo é o corpo de Deus, o pensamento que o contempla é a Sua inteligência, e a energia que o movimenta é o Seu espírito. Deus é tudo: a substância, a ideia e o movimento do mundo. Nós humanos e todos os seres, incluindo os menores e até os mais insignificantes (não há insignificância), participamos igualmente da divina essência. Podemos chamar isso de biocentrismo, em contraposição ao antropocentrismo cartesiano; o centro é toda a vida e não apenas a vida dos homens. Ao contrário da visão cartesiana, a espinosiana não triunfará.

Por que as ideias de Spinoza não tiveram a mesma projeção que as cartesianas? Por que o Ocidente aceitou tão facilmente a ideia da separação? O fato de Baruch de Spinoza ser filho de judeus em um mundo cristão pode ter contribuído para tanto, trata-se de uma considerável possibilidade. Contudo, o pensamento cartesiano estava em melhor acordo com o mundo que surgia da Idade Média, pragmático e centrado na ciência, pronto para dominar a natureza e colocá-la a serviço das forças produtivas em expansão, do capitalismo em expansão. Então, o antropocentrismo vitorioso legitimará em definitivo a capacidade humana de dominar a natureza, preparando o caminho para a primeira Revolução Industrial e para toda a posterior expansão do capitalismo industrial em nível mundial, que ainda continua, apesar de todas as recorrentes crises, com a permanente superexploração da natureza que o caracteriza.

Hoje, 2015, com o gigantesco processo de urbanização, decorrente da industrialização e da modernização da agricultura, a famosa e festejada revolução verde (responsável pela derrubada das florestas, pelo envenenamento e empobrecimento do solo, pela morte dos animais, pela poluição e escassez das águas etc.), o ser humano afastou-se quase que por completo da natureza, tornando-se muito ignorante dos seus processos, do seus ciclos. No atual estágio de degradação ambiental, os homens e mulheres estão sendo chamados a uma grande tarefa: mudarem da situação de exploradores para a de cuidadores, de jardineiros da criação. É preciso recuperar o que foi destruído e preservar o que ainda existe, garantindo a existência de meios de vida para as gerações futuras de todos os seres vivos, não apenas dos humanos, rompendo definitivamente com a visão antropocêntrica e caminhando para uma visão centrada em toda vida, biocêntrica.

Assim, é necessária a redescoberta da natureza pela maioria dos seres humanos. Para tanto, em função da imensa separação em relação ao mundo natural e da também imensa ignorância sobre os fenômenos naturais, faz-se necessária uma alfabetização ecológica. Ensinar o saber ecológico precisa tornar-se o maior papel da educação no século XXI. A alfabetização ecológica precisa transformar-se num tipo de obrigação para políticos, empresários, religiosos e profissionais de todas as áreas, com destaque para os professores. Ela deve tornar-se uma preocupação central da educação em todos os seus níveis - fundamental, médio, universitário e profissionalizante. É tarefa urgente, pois se trata da preservação da vida humana com qualidade e também dos demais seres que viajam conosco na nave-mãe Terra.

Então, no sentido de contribuir para a redescoberta da natureza, com a necessária alfabetização ecológica, neste ainda início do século XXI, em maio de 2015, o Papa Francisco, na sua Carta Encíclica, colocou á luz do dia a sua visão biocêntrica do mundo de uma forma muito sábia e amorosa, tomando como ponto de partida a visão de mundo de São Francisco de Assis (1182-1226), que tinha um olhar amoroso para com a natureza, com todas as suas criaturas. No introito da Carta, o Papa cita o Cântico das Criaturas, de São Francisco de Assis, lembrando que ele comparava a Terra ora como uma irmã nossa, ora como uma boa mãe, que nos segura nos seus braços. Conforme o Sumo Pontífice, crescemos pensando que éramos os donos da natureza e passamos a saqueá-la com violência. Para ele, a violência que está no coração humano vislumbra-se nos sintomas de doença que notamos no solo, na água, no ar e nos seres vivos;. Assim, os homens esqueceram-se de que são terra, que os seus corpos são constituídos pelos elementos químicos do planeta e que respiram o seu ar e bebem da sua água.

Para que fique cristalina aos olhos, corações e mentes dos leitores deste pequeno artigo, a visão de mundo de São Francisco de Assis e o porquê de ela ser surpreendentemente contemporânea, a ponto de, mais que merecidamente, inspirar a Carta Encíclica do Papa, reproduzo abaixo o seu poema:

Cântico das Criaturas

Altíssimo, Omnipotente, Bom Senhor
Teus são o Louvor, a Glória,
a Honra e toda a Bênção.
Louvado sejas, meu Senhor,
com todas as Tuas criaturas,
especialmente o senhor irmão Sol,
que clareia o dia e que,
com a sua luz, nos ilumina.
Ele é belo e radiante,
com grande esplendor;
de Ti, Altíssimo, é a imagem.
Louvado sejas, meu Senhor,
pela irmã Lua e pelas estrelas,
que no céu formaste, claras.
preciosas e belas.
Louvado sejas, meu Senhor.
pelo irmão vento,
pelo ar e pelas nuvens,
pelo sereno
e por todo o tempo
em que dás sustento
às Tuas criaturas.
Louvado sejas, meu Senhor,
pela irmã água, útil e humilde,
preciosa e casta.
Louvado sejas, meu Senhor,
pelo irmão fogo,
com o qual iluminas a noite.
Ele é belo e alegre,
vigoroso e forte.
Louvado sejas, meu Senhor,
pela nossa irmã, a mãe terra,
que nos sustenta e governa,
produz frutos diversos,
flores e ervas.
Louvado sejas, meu Senhor,
pelos que perdoam pelo Teu amor
e suportam as enfermidades
e tribulações.
Louvado sejas, meu Senhor,
pela nossa irmã, a morte corporal,
da qual homem algum pode escapar.
Louvai todos e bendizei o meu Senhor!
Dai-Lhe graças e servi-O
com grande humildade!

São Francisco de Assis (http://www.paroquias.org/oracoes/?o=133)

Referências
GALLO, Zildo. Ethos, a grande morada humana: economia, ecologia e ética. Itu, SP: Ottoni Editora, 2007.
PAPA FRANCISCO. Carta Encíclica Laudato Si&039; - Sobre o Cuidado da Casa Comum. São Paulo: Paulinas, 2015.

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login. Mais textos de ZILDO GALLO:
(RE)(IN)VOLUÇÃO: grandes almas Autor(a):
A árvore de beija-flores, o sabiá distraído, o gavião certeiro e o gambá do meu condomínio Autor(a):
A conversão de São Francisco: uma loucura divina Autor(a):
A empresa do futuro e a produção de valores sustentáveis: ou vai ou racha! Autor(a):
A FOME E O PAPEL Autor(a):
A guerra pela água: Grande São Paulo versus Região de Campinas (2015) Autor(a):
A HORA DA AVE MARIA Autor(a):
A HUMANIDADE ASSOMBRADA Autor(a):
A INCRÍVEL SAGA DO PEIXE BOTINA Autor(a):
A LUA E O MAR Autor(a):
A mamadeira de manga e o coquinho da macaúba Autor(a):
A MENINA QUE PASSAVA Autor(a):
A moralidade do mercado ou para quem o crime compensa Autor(a):
A origem mítica do nome da cidade de Atenas (Grécia): um tributo à agricultura Autor(a):
A OUTRA GUERRA Autor(a):
A POESIA (o poeta e sua sina) Autor(a):
A POESIA (o poeta e sua sina) Autor(a):
A PROCURA DO POETA Autor(a):
A riqueza e a diversidade: uma discussão sobre o valor das floresta na economia de mercado Autor(a):
A sonda New Horizons, o rebaixamento de Plutão, o rapto de Perséfone e o Tarô Mitológico Autor(a):
AFETOS ABORTADOS Autor(a):
AFIRMAÇÃO (Smithiana mão invisível) Autor(a):
ÁGUA PARA TODOS Autor(a):
ÁGUA: UM POEMA À CONSCIÊNCIA Autor(a):
ÁGUAS DE OUTUBRO (via crucis) Autor(a):
ALÉM DAS SOMBRAS DA CAVERNA Autor(a):
ANÉIS DE SATURNO Autor(a):
ANTAGONISMOS Autor(a):
AO MINEIRINHO POETA Autor(a):
ÁRVORE SECA Autor(a):