TÂNIA DU BOIS

212 -
Total Visualizações: 5617
Texto mais lido:
A ARTE DE FAZER EXISTIR O FIM - Total: 249
Educares são nossos pontos, nossa pontuação! Educares: 193
10 Autores mais recentes...
IVONE DETTMANN GONCALVES
HERBERTEEN SANTOS
DALILA DO NASCIMENTO DOS SANTOS
CLEITON CARVALHO DE JESUS GONSALVES
LUIZA NASCIMENTO ABREU
MARCO PAULO VALERIANO DE BRITO
ALHOSAL
JUAN CARLOS
DARLAN BEZERRA PILAR
JOSÉ ROBERTO DA SILVA
10 Autores mais lidos...
613 SEDNAN MOURA
SEDNAN MOURA
Total: 2246251
285 ALEXANDRE BRUSSOLO
ALEXANDRE BRUSSOLO
Total: 304148
190 DIRCEU DETROZ
DIRCEU DETROZ
Total: 200186
272 PEDRO VONO
PEDRO VONO
Total: 117120
1121 THALYA SANTOS
THALYA SANTOS
Total: 108043
622 EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
Total: 98483
657 ELIO MOREIRA
ELIO MOREIRA
Total: 71803
218 ZILDO GALLO
ZILDO GALLO
Total: 44124
189 LADISLAU FLORIANO
LADISLAU FLORIANO
Total: 39050
496 ALBERTO DOS ANJOS COSTA
ALBERTO DOS ANJOS COSTA
Total: 38854
Sala de Leitura
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto TituloTexto



Total de visualização: 99
Textos & Poesias
Imprimir

Total Votos: 0
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!
  Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

A COR do INVISÍVEL ( II )


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

O pensamento é visível? Pensamos em quê? Pensamos no nada? A vida assegura a ideia de que o pensamento é invisível. Nada é totalmente vazio. O pensamento avança, retrocede, hesita, desaparece e reaparece na imaginação, arrumando e desarrumando o imprevisto dos gestos e das palavras; para Thomaz Albornoz Neves, “Vês / o que / sentes // És o lago do olhar / na ausência dos olhos”.
O pensamento é invisível aos olhos da morte, pois, não a carrega, não é seu instrumento, nem mata.
O pensamento é invisível aos olhos dos sentidos: mãos que se tocam, fluem sem retorno ao perderem o sentido do outro. Thomaz Albornoz Neves demonstra, “És / ouro / onde não há luz // Dormes no cristal escuro / Um fio de relva divide a transparência”.
O pensamento é invisível aos olhos da confiança que, por descarga de desconfiança, inadmitimos a licença na fidelidade.
O pensamento é invisível aos olhos da vida, que nos espantamos por olhar a luz e vivermos no escuro como, ainda nas palavras de Albornoz Neves, “... O que se vê é o eco do que não é visto”.
O pensamento é invisível aos olhos do tempo; ao presente cabe a conta das injustiças, quando o tempo cai sobre todos em notícias, queixas, desamores e despalavra e, segue Albornoz Neves, “Ao gesto / tens o corpo / de luz / onde chove // Do escuro te contemplas”.
O pensamento é invisível aos olhos da lembrança: a vida desfila em palavras, onde o mundo das artes pode ser visto nas cores do sangue, do sol e do mar.
O pensamento é invisível aos olhos do coração na devolução da alma, na pausa do silêncio, num rebrilho da luz. Como escreve Neves, “tua luz / dissipa / as formas // No lago de calor / sou acorrentado”.
O pensamento é invisível aos olhos da paisagem; leva e traz os sentidos e também regressa com o olhar da despedida.
O pensamento é invisível aos olhos do silêncio quando esquecido ou lembrado, fica preso no instante em que é desenhado pela mente, como Albornoz Neves retrata, “Somes / no silêncio // És o que te sonha”.
O pensamento é invisível aos olhos da confissão quando chegamos ao limite expirando e desfolhando o ato que grita descaminhando o nada para o querer ensurdecedor.
O pensamento é invisível aos olhos da mentira que nos encaminha para o nada e nos leva a lugar algum, beirando a margem da sombra; como, ainda, em Albornoz Neves, “É dia // no centro / da luz / raias //A luz é tua sombra”.
O pensamento é invisível aos olhos da memória, pois, o silêncio vela a memória; gestos recriam a memória; a música inventa as suas cores e as palavras dão entonação à memorizada voz.
O pensamento é visível no estalar dos vidros; na inocência e malvadeza; na descoloração das árvores e nas luzes que revelam outras vidas em imagens, fotos e perfumes; então, vemos pessoas desembrulharem os nós e converterem o pensamento em gestos e ideias para a vida. Como refletido por Tanussi Cardoso,... uma coisa é esperar; outra coisa é acontecer / uma coisa é rezar; outra coisa é crer / uma coisa é chorar; outra coisa é doer / voraz é a verdade dos vinhos esmaecidos / feroz é a idade – futura – não – acontecida / ...viver é crer que se quer viver! / É voar nas asas dos pássaros, sem sangrá-los!...”

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login. Mais textos de TÂNIA DU BOIS:
A arte da Escolha Autor(a):
A arte da SIMPLIFICAÇÃO e a beleza da SIMPLICIDADE Autor(a):
A ARTE DE FAZER EXISTIR O FIM Autor(a):
A ARTE DE FAZER EXISTIR O FIM Autor(a):
A BUSCA da BELEZA Autor(a):
A CARTA Autor(a):
A casa Autor(a):
A CIDADE Autor(a):
A COR do INVISÍVEL ( II ) Autor(a):
A COR do INVISÍVEL (I) Autor(a):
A IMAGINAÇÃO É SUFICIENTE PARA DESCREVER O MUNDO? Autor(a):
ARTE: Discussão Literária Autor(a):
ARTE: VOCAÇÃO E PAIXÃO Autor(a):
AS APARÊNCIAS ENGANAM Autor(a):
AS MÃOS Autor(a):
ATRÁS DA NOITE Autor(a):
AUTÓGRAFOS Autor(a):
CASSINO DA MAROCA Autor(a):
CENA de RUA: livro de imagens Autor(a):
CONSTRANGER & ser CONSTRANGIDO Autor(a):
CONVERSANDO sobre SEXUALIDADE Autor(a):
COR no ESCURO Autor(a):
DIA FORA de HORA Autor(a):
DIAS PERDIDOS Autor(a):
DOR Autor(a):
Elogiar Autor(a):
EM PASSOS PESSOAIS Autor(a):
ENCONTRO AMARGO Autor(a):
ESTANTE Autor(a):
EXÍLIO Autor(a):