TÂNIA DU BOIS

212 -
Total Visualizações: 16802
Texto mais lido:
A ARTE DE FAZER EXISTIR O FIM - Total: 398
Educares são nossos pontos, nossa pontuação! Educares: 298
10 Autores mais recentes...
SUELEN LUIZ DE OLIVEIRA
EDENICE SANTOS DA SILVA
LUIZ CARLOS DE OLIVEIRA
DIONILDO DANTAS
VALMIR APARECIDO SAMBO
WALLACE MARINS
DEIVID
IVONE DETTMANN GONCALVES
HERBERTEEN SANTOS
DALILA DO NASCIMENTO DOS SANTOS
10 Autores mais lidos...
613 SEDNAN MOURA
SEDNAN MOURA
Total: 3565850
285 ALEXANDRE BRUSSOLO
ALEXANDRE BRUSSOLO
Total: 444975
190 DIRCEU DETROZ
DIRCEU DETROZ
Total: 425481
657 ELIO MOREIRA
ELIO MOREIRA
Total: 412607
622 EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
Total: 221506
1121 THALYA SANTOS
THALYA SANTOS
Total: 140604
272 PEDRO VONO
PEDRO VONO
Total: 127641
218 ZILDO GALLO
ZILDO GALLO
Total: 65485
496 ALBERTO DOS ANJOS COSTA
ALBERTO DOS ANJOS COSTA
Total: 56656
189 LADISLAU FLORIANO
LADISLAU FLORIANO
Total: 55772
Sala de Leitura
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto TituloTexto



Total de visualização: 194
Textos & Poesias
Imprimir

Total Votos: 0
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!
  Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

PLURAL de LEITURAS


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

As histórias começam parecidas... Apesar do enredo, ideia e construção serem semelhantes, cada escritor tem o seu modo, estilo e tempo de escrever – o que chamo de plural de leituras, onde a arte de escrever se reflete na inspiração como expressão. Escrever é ato imprevisível que exige entrega e desprendimento, em que cada escritor leva o leitor a repetir o slogan de “quem lê viaja” e de “quem não lê não vê”. Isto é, aproveitamos o nosso interesse para ler uma obra de qualquer época e estilo de linguagem e, assim, construímos novos conceitos para ir além das diferenças culturais. Para Pedro Du Bois, “cinco minutos / tudo o que peço // só cinco minutos / separando minha necessidade / da vida normal que passa / entre todas as horas...”
Muitas vezes, em nossas vidas, o calendário corre na velocidade que não alcançamos. Então, questionamos os dias e as noites, onde os números representam o nosso tempo. Recontamos os anos que se repetem: a infância, juventude, meia idade e a melhor idade. Ousamos pensar ter alcançado a verdade ao nos permitir refletir sobre a vida literária em relação aos números, como no livro 150 Momentos mais importantes de Passo Fundo, obra que retrata o plural de leituras da Academia Passo-Fundense de Letras e os fatos marcantes da cidade.
Recontamos as experiências e nos permitimos abordar as suas múltiplas riquezas; assim, conseguimos, no plural de leituras, impor nossas próprias ideias. Nada é definitivo: fugas, comoções e novos horizontes. A certeza de seguir se faz através dos números, como W. J. Solha demonstra em seu livro “Sobre 50 Livros (Brasileiros e Contemporâneos) Que Eu Gostaria de Ter Assinado”.
Encontro o livro de Machado de Assis, Um Apólogo, onde ele conta a importância da função de cada um através de linhas e agulha, levando-nos a perceber quantas vezes servimos de agulha na vida...
As escritas são diversificadas em suas construções e nos impressionam pelas fantasias e ilusões, porque trazem à luz a hora mágica em que se misturam com a realidade. O ocaso do acaso não irradia a solução dos tempos, porque não há hora para a inspiração, começo e término de cada obra.
Há atos e fatos que resumem a vida. Quantos? Quantas vezes, com dúvida ou sem dúvida, compartilhamos ideias com alguém para suprir nossas vidas agitadas? Agendamos nossas vidas em compromissos e preços. Proclamamos virtudes aos quatro ventos, como fazem os escritores Rubem Braga, com 200 Crônicas Escolhidas; Apparício da Silva Rillo, com Doze Mil Rapaduras e outros Poemas; Dalton Trevisan, com 111 AIS (minicontos); Sérgio Capparelli, com 111 poemas para Crianças e Nilma G. Lacerda, com Dois Pássaros E o Voo Arcanjo.
Lembramos-nos dos números como plural de leituras, na marcação dos passos nas histórias. Os momentos de criação nos mantém vivos e podem estar perto ou longe da plenitude, mas, o mais importante é que contamos as estrelas e os dias de trabalho; acertamos o relógio e numeramos os milagres; relembramos o primeiro beijo, filho, livro, neto. A primeira carta, fotografia, música, pergunta e descoberta. Lorenzo G. Ferrarri demonstra, “Nosso amor tem um dia especial, / Ele anda lentamente, / E ao mesmo tempo segue rápido, / Nosso amor tem vinte e cinco horas...”
Assim, desfrutamos o encantamento do tempero da vida nos estilos de linguagem, formando o plural de leituras. Nas palavras de Pedro Du Bois, “Faço contas números / de agradecimentos e louvor / ao horror de contar até dez / sabendo que a vida termina noves fora //... confusos pares e ímpares / primos entre si / na improbabilidade de serem corretos...”.

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login. Mais textos de TÂNIA DU BOIS:
100 ANOS?!?! Autor(a):
A arte da Escolha Autor(a):
A arte da SIMPLIFICAÇÃO e a beleza da SIMPLICIDADE Autor(a):
A ARTE DE FAZER EXISTIR O FIM Autor(a):
A ARTE DE FAZER EXISTIR O FIM Autor(a):
A BUSCA da BELEZA Autor(a):
A CARTA Autor(a):
A casa Autor(a):
A CIDADE Autor(a):
A COR do INVISÍVEL ( II ) Autor(a):
A COR do INVISÍVEL (I) Autor(a):
A IMAGINAÇÃO É SUFICIENTE PARA DESCREVER O MUNDO? Autor(a):
A INTENÇÃO E O FEITO Autor(a):
A LINGUAGEM da DIFERENÇA Autor(a):
A LINGUAGEM da DIFERENÇA Autor(a):
AFETIVIDADE e EFETIVIDADE: torna real a relação? Autor(a):
AGONIA Autor(a):
AMORES versus HORAS Autor(a):
ARROGÂNCIA ou IGNORÂNCIA Autor(a):
ARTE: Discussão Literária Autor(a):
ARTE: VOCAÇÃO E PAIXÃO Autor(a):
AS APARÊNCIAS ENGANAM Autor(a):
AS MÃOS Autor(a):
ATRÁS DA NOITE Autor(a):
AUTÓGRAFOS Autor(a):
AVESSO A MÁS NOTÍCIAS Autor(a):
BANDIDA MALDADE Autor(a):
BOM COMPORTAMENTO Autor(a):
CARLOS PESSOA ROSA, em palavras Autor(a):
CASSINO DA MAROCA Autor(a):