DIRCEU DETROZ

 -  - DIRCEU DETROZ
Total Visualizações: 125185
Texto mais lido:
BAILARINA - Total: 530
Educares são nossos pontos, nossa pontuação! Educares: 1639
10 Autores mais recentes...
JOSÉ ROBERTO DA SILVA
VALDINEI DA SILVA CAMPOS
MILTON JORGE DA SILVA
CELSO GABRIEL DE TOLEDO E SILVA
MARIA DE SOUZA CEZAR
EVERALDO JOSÉ CAVALHEIRO PAVÃO
JOSE JOÃO BOSCO PEREIRA
RUAN VIEIRA
FERNANDO DANIEL FRANCO DE CAMARGO
ELIAS OLIVEIRA DE JESUS
10 Autores mais lidos...
613 SEDNAN MOURA
SEDNAN MOURA
Total: 1477156
285 ALEXANDRE BRUSSOLO
ALEXANDRE BRUSSOLO
Total: 250285
190 DIRCEU DETROZ
DIRCEU DETROZ
Total: 125185
272 PEDRO VONO
PEDRO VONO
Total: 112261
1121 THALYA SANTOS
THALYA SANTOS
Total: 91183
622 EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
Total: 55129
218 ZILDO GALLO
ZILDO GALLO
Total: 33631
496 ALBERTO DOS ANJOS COSTA
ALBERTO DOS ANJOS COSTA
Total: 31541
189 LADISLAU FLORIANO
LADISLAU FLORIANO
Total: 30398
385 ANDRADE JORGE
ANDRADE JORGE
Total: 25957
Sala de Leitura
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto TituloTexto



Total de visualização: 349
Textos & Poesias
Imprimir

Total Votos: 0
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!
  Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

A NOSSA IDADE DAS TREVAS


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

Durante a Ditadura militar (1964-1985), houve um período no qual a mão da repressão bateu com mais força, Começa com a edição do AI-5 em dezembro de 1968. Não existe consenso sobre seu fim. Ele pode ser marcado por qualquer ano da década de setenta. Esse período ficou conhecido historicamente como “os anos de chumbo”.

Entre os anos de 1983 e 1984 ainda que em plena ditadura, o povo criou coragem e saiu às ruas exigindo “Diretas Já”. Nos palanques os discursos políticos monopolizavam todas as siglas pela volta da democracia ao Brasil. As vozes que se ouviam iam desde um inesquecível Sobral Pinto, até um hoje amado e odiado Luiz Inácio da Silva.

Promulgada a Constituição de 1988, nossa democracia foi caminhando rumo a escuridão. Fomos rapidamente empurrados para a uma “idade das trevas”. É possível afirmar que vivemos o seu auge atualmente. Sem nenhuma perspectiva de clarear em curto prazo.

Aqueles que escreveram nossa atual Constituição nunca estiveram interessados em espalhar igualdade pela pirâmide social do país. Pelo contrário. Ela foi o trampolim para a continuidade e o surgimento de novas oligarquias.

Nos dias atuais essas oligarquias receberam uma nova denominação. São as quadrilhas. Mesmo assim continuam mandando. Quando não é uma, é outra. Existem aquelas que governam. Também existem as que mandam prender e soltar. Com um sotaque típico de juridiquês. Claro, ninguém quer ser compreendido e nem interpretado.

Para continuarem onde estão, as oligarquias usam as trevas em seu favor e espalham sementes da erva daninha conhecida como ignorância. Neste ambiente que se assemelha a enormes currais, qualquer flor do intelecto que ouse florescer é crucificada e abatida.

Nesta idade das trevas da nossa democracia, é compreensível estar perdido. O primeiro passo dos perdidos é saírem não apenas procurando, mas também fabricando heróis e mártires. Se houver necessidade e possibilidade até santos. Não culpem apenas o povo. A mídia e os formadores de opinião também se perdem facilmente.

A “Idade das Trevas” denominada por Francesco Petrarca, compreendeu o período mais obscuro da raça humana durante a Idade Média entre os séculos V e XV. Este período que vivenciou a caça às bruxas da Inquisição, morreu pisoteada pelo movimento intelectual e filosófico do Iluminismo. A vitória triunfal da razão sobre ignorância.

Talvez, seja este o caminho a trilhar para finalmente assoprar as trevas que pairam sobre nós. Extirpar sem dó a erva daninha da ignorância, e deixar as flores do intelecto florescerem. Demora. É bem provável que não vejamos clarear. Sem problemas. Nenhuma herança será melhor do que deixar nossas futuras gerações viverem na luz.

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login. Mais textos de DIRCEU DETROZ:
A "IA" NÃO SERÁ UM MENINO BONITO Autor(a):
A ALMA A SINGULARIDADE E O FUTURO Autor(a):
A CHEGADA Autor(a):
A CULPA NÃO É DOS OSSOS - Crônica escrita em 2014 Autor(a):
A EQUAÇÃO DA ALMA Autor(a):
À ESPREITA Autor(a):
A GENÉTICA DIVINA Autor(a):
A INDUSTRIA GENÉTICA NÃO É FICÇÃO Autor(a):
A INFÂNCIA DOS LIVROS Autor(a):
A LIZZ DO DIR Autor(a):
A MAÇA DO CONHECIMENTO Autor(a):
A MENINA NA JANELA Autor(a):
A NOITE DE ONTEM Autor(a):
A NOSSA IDADE DAS TREVAS Autor(a):
A NOSSA LÍNGUA PORTUGUESA Autor(a):
A OBRA-PRIMA DO PERDÃO Autor(a):
A REALIDADE E A FICÇÃO Autor(a):
A SAGA DO SOM ESTÉREO Autor(a):
A SENHA Autor(a):
A SENHA Autor(a):
A UTOPIA CÓSMICA Autor(a):
A VAGINA DO PICASSO (Um conto nada intelectual) Autor(a):
A VARIÁVEL ESQUECIDA Autor(a):
A VARIÁVEL HUMANA Autor(a):
A VEZ DAS CIGARRAS Autor(a):
A VEZ DAS CIGARRAS Autor(a):
A VIDA PREGA PEÇAS Autor(a):
A VISITA Autor(a):
A VISITA DO APOPHIS Autor(a):
AÇÃO Autor(a):