IZILDINHA JOSEFA SORDI RENZO

282 -
Total Visualizações: 3294
Texto mais lido:
CATALISAÇÃO - Total: 463
Educares são nossos pontos, nossa pontuação! Educares: 35
10 Autores mais recentes...
IVONE DETTMANN GONCALVES
HERBERTEEN SANTOS
DALILA DO NASCIMENTO DOS SANTOS
CLEITON CARVALHO DE JESUS GONSALVES
LUIZA NASCIMENTO ABREU
MARCO PAULO VALERIANO DE BRITO
ALHOSAL
JUAN CARLOS
DARLAN BEZERRA PILAR
JOSÉ ROBERTO DA SILVA
10 Autores mais lidos...
613 SEDNAN MOURA
SEDNAN MOURA
Total: 2456187
285 ALEXANDRE BRUSSOLO
ALEXANDRE BRUSSOLO
Total: 317413
190 DIRCEU DETROZ
DIRCEU DETROZ
Total: 221368
272 PEDRO VONO
PEDRO VONO
Total: 118183
622 EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
Total: 115097
1121 THALYA SANTOS
THALYA SANTOS
Total: 111377
657 ELIO MOREIRA
ELIO MOREIRA
Total: 96637
218 ZILDO GALLO
ZILDO GALLO
Total: 46276
189 LADISLAU FLORIANO
LADISLAU FLORIANO
Total: 40711
496 ALBERTO DOS ANJOS COSTA
ALBERTO DOS ANJOS COSTA
Total: 40631
Sala de Leitura
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto TituloTexto



Total de visualização: 232
Textos & Poesias
Imprimir

Total Votos: 0
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!
  Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

SAUDADE DOÍDA


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

Saudade, como uma pedra certeira.
Solta na mão, de um menino levado.
Pelo tempo, amarrada e se esgueira.
Encomprida o dia, e o faz desolado.

Inquieta, arredia, coalhada de sonhos.
Lágrimas em lembranças tão doentes.
Absoluta, e ajeita pesadelos medonhos.
Tralhas, mágoas, quanto ambivalentes.

Uma saudade doída, trazendo uma falta,
Roendo esmerilando uma fenda no peito.
Ancestral árvore, extensamente tão alta.
Extravia um rio, secando todo o seu leito.

Recuei-me num canto, ficando sozinha,
Assim não deparar, com tanta saudade.
Quando acenando, e no sol da tardinha.
Vindo e atacando sem dó, nem piedade.

Saudade, como um beco abandonado.
Fazendo barulho, bem dentro do peito.
Uma mata virgem, também ralo cerrado.
Um rio finando, secando seu pobre leito.

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login. Mais textos de IZILDINHA JOSEFA SORDI RENZO:
ABRAÇO Autor(a):
AMOR ANTIGO Autor(a):
ANCESTRAIS DECISÕES Autor(a):
CATALISAÇÃO Autor(a):
COM POUCO OU MUITO Autor(a):
IMAGENS Autor(a):
JAMAIS Autor(a):
MINHA VIDA Autor(a):
NEM CONTIGO Autor(a):
PALAVRA AMIÚDE Autor(a):
PALAVRA AMIÚDE Autor(a):
PELO AMOR Autor(a):
REVOADA Autor(a):
SAUDADE DOÍDA Autor(a):
SILÊNCIO TOTAL Autor(a):