MARIA HILDA DE J. ALÃO

 -  - MARIA HILDA
Total Visualizações: 15759
Texto mais lido:
BRINCANDO COM PALAVRAS INVERTIDAS - Total: 1050
Educares são nossos pontos, nossa pontuação! Educares: 187
10 Autores mais recentes...
MAXIMILIANO SKOL
WILLIAN DE CAMPOS
ELIZANDRA GOMES
ERNI OLIVEIRA
LOHAYNE FERNANDA RODRIGUES PEDRO
TÂNIA REGINA BRAGA TORREÃO SÁ
JOÃO HENRIQUE DE SOUZA
SUZE MARTINS FRANCO MONTEIRO
HEITOR MENDES
HEITOR ABREU VIEIRA MENDES
10 Autores mais lidos...
613 SEDNAN MOURA
SEDNAN MOURA
Total: 7709501
657 ELIO MOREIRA
ELIO MOREIRA
Total: 1723040
285 ALEXANDRE BRUSSOLO
ALEXANDRE BRUSSOLO
Total: 1204134
190 DIRCEU DETROZ
DIRCEU DETROZ
Total: 938099
622 SANTO VANDINHO
SANTO VANDINHO
Total: 589914
1121 THALYA SANTOS
THALYA SANTOS
Total: 291498
272 PEDRO VONO
PEDRO VONO
Total: 163093
218 ZILDO GALLO
ZILDO GALLO
Total: 158350
496 ALBERTO DOS ANJOS COSTA
ALBERTO DOS ANJOS COSTA
Total: 151549
189 LADISLAU FLORIANO
LADISLAU FLORIANO
Total: 133446
Sala de Leitura
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto TituloTexto



Total de visualização: 30
Textos & Poesias
Imprimir

Total Votos: 0
 
 

A RAPOSA VIDENTE (cordel infantil)

Boa tarde meninos e meninas,
Sejam bem-vindos a esta escola.
Sentem-se em ordem e silêncio,
Pois contarei em forma de verso
Uma história acontecida
Com uma raposa muito esperta.

Cansada de só caçar coelhos
Dona Raposina vivia vigiando
Um galinheiro de um fazendeiro
Zeloso de sua propriedade.
Raposina arquitetava planos
Mas das galinhas, só o cheiro.

Um dia a natureza resolveu
Colaborar com dona Raposina
E fez desabar um forte temporal
Que arruinou o sólido galinheiro
Da fazenda do senhor Agostinho.
Derrubada a casa, as galinhas

Espalharam-se pelo denso matagal.
Sabedora do fato, Raposina resolveu
Que era hora de tirar de sua boca
Aquele gosto ruim de carne de coelho.
E foi para o mato em busca das galinhas
Já planejando o farto jantar que faria.

Caminhou, farejou e nada das penosas.
Cansada voltou para sua toca dizendo:
- Vamos aos coelhos porque ninguém
Neste mundo merece dormir com fome.
Amanheceu o dia e a procura continuou
A noite chegou e nada de galinhas.

Ouvindo a conversa dos outros animais
Raposina soube que as galinhas estavam
À procura do caminho para voltarem
À fazenda Três X de onde elas saíram
Na noite escura do grande temporal.
A raposa, agitada, bolava mais um plano.

Pensou muito e olhando em volta da toca
Viu uma tábua quadrada e teve a ideia:
- Já sei! Farei uma placa com os dizeres:
“Perdeu seu caminho? Raposina, a vidente
O encontra para você. Consulta grátis.”
E colocou a enorme tábua ao lado da toca.

Cansadas de caminhar sem rumo, as aves
Resolveram consultar dona Raposina.
E fizeram uma fila. Na frente ia Teodoro
O galo chefe cantando um, dois, três, quatro
Motivando pintinhos e galinhas mais velhas
A caminharem rápido. Era preciso chegar

Antes de a noite estender seu negro véu
E como sabem galinhas dormem cedo.
Enquanto isso na fazenda, Agostinho
Preparava seu mais forte e esperto cão
Para sair em busca de suas belas galinhas.
Subiram e desceram morros e nada viram

Até que o cão começou a farejar inquieto.
O fazendeiro soltou o animal com a ordem:
- Não me volte sem as minhas galinhas.
O cão Spartacus, em desabalada carreira,
Foi cumprir a ordem dada pelo patrão,
Mas no caminho encontrou a dona Paca:

- O amigo canino está neste mato perdido?
Não se preocupe Raposina, a vidente,
Achará seu caminho de volta. É só consultá-la.
Spartacus ficou intrigado com aquela história
E foi até a toca da raposa para averiguar.
- Ah, malandra! Então é assim que quer pegar

As galinhas do meu patrão, pois receberás
Tudo que mereces pelo engodo bolado.
Encontrando-se com as galinhas bem perto
Do consultório da raposa vidente
O cão expôs ao galo o seu plano.
E chegaram finalmente à toca de Raposina.

De lá de dentro vinha a voz fina e rouquenha:
- Entrem minhas belezas, minhas lindinhas.
Raposina, a vidente, sentada em uma pedra,
Tendo na cabeça um véu azul com estrelas,
Só via diante de seus olhos frangos e galinhas
Todos assados sobre a pedra em que sentava.

A saliva escorria pelo canto de sua bocarra
Quando o primeiro cliente entrou dizendo:
- Quero achar o caminho da fazenda.
Acordada do seu sonho de comer galinha
Ela deu de cara com o cão Spartacus.
Sabendo que na luta ela levaria a pior,

Raposina saiu em desabalada carreira
Deixando o véu e a placa de vidente.
Dizem os bichos que quando perguntam
Se ela ainda gosta de galinha assada
A resposta é que galinha não tem carne nobre
Como a dos coelhos que ela come todo dia.

(Maria Hilda de J. Alão)

21/04/13
(História que contava para o meu neto)

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login. Mais textos de MARIA HILDA DE J. ALÃO:
A APOSTA Autor(a):
A BONECA ZAROLHA Autor(a):
A BRINCADEIRA DAS LETRINHAS (história) Autor(a):
A CARTA SOBRE A CAMA Autor(a):
A FESTA DO LEÃO (cordel infantil) Autor(a):
A FORMIGA E O COELHO Autor(a):
A GALINHA AMARELA Autor(a):
A GIRAFA LINGUARUDA Autor(a):
A GIRAFA LINGUARUDA (cordel) Autor(a):
A MENINA E A BONECA Autor(a):
À PROCURA DA POESIA Autor(a):
A RAPOSA VIDENTE (cordel infantil) Autor(a):
ALGUM DIA EU TE DIREI. Autor(a):
BRIGA DE GATO GRANDE (cordel infantil) Autor(a):
BRINCANDO COM A CACOFONIA Autor(a):
BRINCANDO COM O NÚMERO CINCO Autor(a):
BRINCANDO COM O NÚMERO TRÊS (poesia) Autor(a):
BRINCANDO COM PALAVRAS INVERTIDAS Autor(a):
CARNAVAL NA FLORESTA Autor(a):
CIDADE DOS PATOS (cordel infantil) Autor(a):
CONCERTO PARA UMA FORMIGA Autor(a):
CRIANÇA POETA Autor(a):
CRIANÇA POETA Autor(a):
DEIXA-ME FICAR MAIS UM POUCO Autor(a):
DOM RATÃO NA MANSÃO Autor(a):
DOM RATÃO NÃO GOSTA DE PÃO Autor(a):
DONA CORUJA SABICHONA (cordel infantil) Autor(a):
INVASÃO DA FORTALEZA Autor(a):
MARIA DA GRAÇA Autor(a):
MEU CACHORRO TOTÓ (poesia) Autor(a):
Banner aniversariantes

Aniversário Hoje

Aniversariante de Hoje IEDA MARCONDES
Aniversariante de Hoje MARIA NAZARETH BIZUTTI