TÂNIA DU BOIS

212 -
Total Visualizações: 22356
Texto mais lido:
A ARTE DE FAZER EXISTIR O FIM - Total: 454
Educares são nossos pontos, nossa pontuação! Educares: 328
10 Autores mais recentes...
CELSO J.
VALERIA BRITO BULHOES ROCHA
SUELEN LUIZ DE OLIVEIRA
EDENICE SANTOS DA SILVA
LUIZ CARLOS DE OLIVEIRA
DIONILDO DANTAS
VALMIR APARECIDO SAMBO
WALLACE MARINS
DEIVID
IVONE DETTMANN GONCALVES
10 Autores mais lidos...
613 SEDNAN MOURA
SEDNAN MOURA
Total: 3773411
657 ELIO MOREIRA
ELIO MOREIRA
Total: 542274
190 DIRCEU DETROZ
DIRCEU DETROZ
Total: 514848
285 ALEXANDRE BRUSSOLO
ALEXANDRE BRUSSOLO
Total: 500399
622 SANTO VANDINHO
SANTO VANDINHO
Total: 256305
1121 THALYA SANTOS
THALYA SANTOS
Total: 156711
272 PEDRO VONO
PEDRO VONO
Total: 131107
218 ZILDO GALLO
ZILDO GALLO
Total: 74659
496 ALBERTO DOS ANJOS COSTA
ALBERTO DOS ANJOS COSTA
Total: 65146
189 LADISLAU FLORIANO
LADISLAU FLORIANO
Total: 63188
Sala de Leitura
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto TituloTexto



Total de visualização: 126
Textos & Poesias
Imprimir

Total Votos: 0
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!
  Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

JOGO DE ARMAR


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

Desafio o jogo de armar ao resaltar a poesia e a sua construção na arte. No jogo se destaca a inspiração como uma constante, que com formas sobrepostas e montadas, define o estilo do poeta. Nesse sentido, cada poeta é como se deixasse aparente o vão que compõe suas diferentes linguagens e variantes. Como demonstra T.S.Eliot, “... por quem de de modo, foi isto concebido? / Pelo sortilégio sussurrado que permite / Trânsito livre aos fantasmas da mente? // Por ti; por aquelas cadências ilusórias / com as quais a métrica do povo se refina; / Pela arte consciente praticada com naturalidade...”
Na diversidade, percebo que os poetas favorecem sobremaneira a liberdade no buscar a luz de suas potencialidades expressivas, que lhes permite transformar e revelar o mistério da espontaneidade ao recriar, no jogo de armar, a inspiração como detalhe e acessório, no refinamento com que equilibram as palavras.
Para Otávio Paz, “A natureza histórica do poema se revela imediatamente pelo fato de ser um texto que alguém escreveu e que alguém lê... Em outra perspectiva, o contrário também é certo. Enquanto escreve, o poeta não sabe como vai ser o poema; só saberá quando o ler, já terminado. O autor é o primeiro leitor do seu poema e com essa leitura tem início uma série de interpretações e recriações. Cada leitura produz um poema diferente... O texto permanece, resiste às mudanças de cada leitura... A leitura nos faz regressar a outro tempo: ao poema... O tempo da leitura é um hoje e um aqui: um hoje que acontece em qualquer momento e um aqui que fica em qualquer lugar...”; como encontro em Antonio Olinto, no livro Tempo de Versos, “Diverso é o tempo do verso, //... Imerso é o tempo do verso / Imerso na palavra indominável //... Alheia a significados //... Adverso é o tempo do verso, //... Verso e universo em ritmo de presságio. / Perverso é o tempo do verso / Na sua aparente entrega //... Do corpo e do pensamento / Cada tempo envolvendo o outro, o outro... / De verso em verso diverso / Em cada novo pasmo / Entusiasmo / Orgasmo”.
O jogo de armar consiste entre significado e significante, inspiração e estilo, palavras e expressões, o que me leva à vontade de mostrar como a poesia desempenha papel importante em nossas vidas, e faz por merecer o destaque, pois, basta citar a palavra “poesia” para ter o sentimento e o sentido da expressão da palavra com ritmo poético. Nas palavras de Otávio Paz, “a poesia nos coloca em sintonia com os ritmos do mundo”; ainda, T. S. Eliot retrata, “... Trazer nas mãos Amor, flores mais brancas / Do que a branca neblina sobre o mar; / Não terás flores tropicais mais vivas / E de alma em fogo para me entregar?”.

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login. Mais textos de TÂNIA DU BOIS:
100 ANOS?!?! Autor(a):
A arte da Escolha Autor(a):
A arte da SIMPLIFICAÇÃO e a beleza da SIMPLICIDADE Autor(a):
A ARTE DE FAZER EXISTIR O FIM Autor(a):
A ARTE DE FAZER EXISTIR O FIM Autor(a):
A BUSCA da BELEZA Autor(a):
A BUSCA pela BELEZA Autor(a):
A CARTA Autor(a):
A casa Autor(a):
A CIDADE Autor(a):
A COR do INVISÍVEL ( II ) Autor(a):
A COR do INVISÍVEL (I) Autor(a):
A IMAGINAÇÃO É SUFICIENTE PARA DESCREVER O MUNDO? Autor(a):
A INTENÇÃO E O FEITO Autor(a):
A LINGUAGEM da DIFERENÇA Autor(a):
A LINGUAGEM da DIFERENÇA Autor(a):
AFETIVIDADE e EFETIVIDADE: torna real a relação? Autor(a):
AGONIA Autor(a):
AMAR Autor(a):
AMORES versus HORAS Autor(a):
ARROGÂNCIA ou IGNORÂNCIA Autor(a):
ARTE: Discussão Literária Autor(a):
ARTE: VOCAÇÃO E PAIXÃO Autor(a):
AS APARÊNCIAS ENGANAM Autor(a):
AS MÃOS Autor(a):
ATRÁS DA NOITE Autor(a):
AUTÓGRAFOS Autor(a):
AVESSO A MÁS NOTÍCIAS Autor(a):
BANDIDA MALDADE Autor(a):
BOM COMPORTAMENTO Autor(a):