ZILDO GALLO

 -  - ZILDO GALLO
Total Visualizações: 15676
Texto mais lido:
AO MINEIRINHO POETA - Total: 146
Educares são nossos pontos, nossa pontuação! Educares: 908
10 Autores mais recentes...
IVONE DETTMANN GONCALVES
HERBERTEEN SANTOS
DALILA DO NASCIMENTO DOS SANTOS
CLEITON CARVALHO DE JESUS GONSALVES
LUIZA NASCIMENTO ABREU
MARCO PAULO VALERIANO DE BRITO
ALHOSAL
JUAN CARLOS
DARLAN BEZERRA PILAR
JOSÉ ROBERTO DA SILVA
10 Autores mais lidos...
613 SEDNAN MOURA
SEDNAN MOURA
Total: 2205488
285 ALEXANDRE BRUSSOLO
ALEXANDRE BRUSSOLO
Total: 301005
190 DIRCEU DETROZ
DIRCEU DETROZ
Total: 196047
272 PEDRO VONO
PEDRO VONO
Total: 116690
1121 THALYA SANTOS
THALYA SANTOS
Total: 106808
622 EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
Total: 95067
657 ELIO MOREIRA
ELIO MOREIRA
Total: 68064
218 ZILDO GALLO
ZILDO GALLO
Total: 43439
189 LADISLAU FLORIANO
LADISLAU FLORIANO
Total: 38609
496 ALBERTO DOS ANJOS COSTA
ALBERTO DOS ANJOS COSTA
Total: 38388
Sala de Leitura
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto TituloTexto



Total de visualização: 113
Textos & Poesias
Imprimir

Total Votos: 0
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!
  Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

A INCRÍVEL SAGA DO PEIXE BOTINA


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

Rodriguinho e Manoela eram, na sua infância, dois amigos inseparáveis no minúsculo vilarejo de Santa Filomena. Estudavam na mesma escola, a única do local, faziam as lições de casa juntos, brincavam juntos também e tinham um grande amigo em comum, o senhor Chiquinho, um velhinho muito simpático que tinha para mais de setenta anos de idade, acho que bem para mais, e que era um grande contador de histórias.

Em Santa Filomena havia um ribeirão cercado de árvores, muitas árvores, com águas transparentes, o Córrego dos Cascudos, onde os três amigos iam pescar com muita frequência. As pescarias serviam para justificar as longas conversas recheadas de muitas histórias, a maioria delas baseadas na vida real e fictícia do velho Chiquinho, todas elas entremeadas de fantasias, muitas fantasias, uma mais fantástica que a outra.

A última pescaria do trio amistoso terá desdobramentos incríveis no futuro, muito após o momento em que ela acontecia, num futuro bem distante. Num dia em que os peixes passavam ao largo dos anzóis, nem beliscavam, e o senhor Chiquinho estava muito inspirado, contando histórias mil, de repente, a vara de Rodriguinho vergou-se para baixo. Parecia peixe grande. Ele ergueu o caniço rápido e com força e, para sua surpresa, o que viu não foi um peixe, mas uma botina enganchada no anzol.

Foi só risada, muita risada mesmo... O senhor Chiquinho aproveitou o fato para contar muitas histórias sobre objetos estranhos retirados das águas nas suas pescarias, nas pescarias de toda a sua vida. Aquele dia não rendeu nenhum peixe, mas valeu a pena pela diversão. Todavia, o menino levou a botina velha como troféu para casa, tinha ideias na cabeça...

O garoto veio ao mundo com habilidades artísticas inatas e, por conta disso, resolveu transformar o calçado velho e danificado numa obra de arte. Limpou e secou a botina; pintou-a com tinta amarela e desenhou escamas, muitas escamas, com traços finos de tinta preta; desenhou olhos, boca e nadadeiras; colou a sola numa base de madeira e escreveu em letras maiúsculas: PEIXE BOTINA. Ficou uma belezura...

Rodriguinho resolveu presentear seu amigo com a sua obra de arte e, assim, lá se foram as duas crianças até a sua casa. Lágrimas de emoção rolaram pelas faces comovidas do bom velhinho. Foi uma tarde comprida de muita conversa e muita história. Foi a última rodada de histórias, pois Chiquinho caiu doente, acamado, e passou muito rápido para o outro lado da vida. Foi muito dolorido para os dois amigos inseparáveis.

O menino resolveu ficar com o PEIXE BOTINA como lembrança de seu amigão do peito. Mas as dores da separação não pararam por aí; pouco tempo depois a família de Rodriguinho teve que se mudar para a Cidade Grande, bem longe, muito longe de Santa Filomena. Novamente, grandes dores para ele e sua melhor amiga. E o tempo passou... passou...
passou... O tempo costuma anestesiar as dores. Eliminá-las mesmo é muito difícil.

Rodrigo não era mais Rodriguinho, virou adulto e tornou-se um artista plástico famoso, famoso mesmo... Pintava, esculpia, desenhava com bico-de-pena e montava mosaicos coloridos. Suas exposições faziam sucesso e em todas elas ele levava o seu PEIXE BOTINA, mas sempre grudava um recado bem grande nele, com letras maiúsculas: NÃO ESTÁ À VENDA.

O PEIXE BOTINA foi a sua primeira "grande obra" e tornou-se uma espécie de moeda número um do Tio Patinhas (personagem dos gibis da sua infância), transformou-se num precioso talismã. Inspirado nela, ele começou a produzir peças artísticas a partir de objetos abandonados pelas pessoas. Deu certo!

Para confirmar o poder do talismã, certo dia, numa certa exposição, lotada de gente, Rodrigo vê adentrar uma moça diferente. Nossa, que mulher bonita! – pensou ele. Firmou a vista e prestou mais atenção naquela moça com jaqueta jeans, cabelos pretos compridos e olhos grandes e pretos como jabuticabas. Ela lhe abriu um sorriso largo.

_ Manoela! É você?

Aqui termina esta história, a história do PEIXE BOTINA. Quem quiser que imagine a sua continuidade.

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login. Mais textos de ZILDO GALLO:
(RE)(IN)VOLUÇÃO: grandes almas Autor(a):
A conversão de São Francisco: uma loucura divina Autor(a):
A HORA DA AVE MARIA Autor(a):
A ILHA Autor(a):
A INCRÍVEL SAGA DO PEIXE BOTINA Autor(a):
A LUA E O MAR Autor(a):
A MENINA QUE PASSAVA Autor(a):
A POESIA (o poeta e sua sina) Autor(a):
A PROCURA DO POETA Autor(a):
AFETOS ABORTADOS Autor(a):
AFIRMAÇÃO (Smithiana mão invisível) Autor(a):
ÁGORA AGORA Autor(a):
ÁGUA PARA TODOS Autor(a):
ÁGUAS DE OUTUBRO (via crucis) Autor(a):
ALÉM DAS SOMBRAS DA CAVERNA Autor(a):
ANÉIS DE SATURNO Autor(a):
ANTAGONISMOS Autor(a):
AO MINEIRINHO POETA Autor(a):
ÁRVORE SECA Autor(a):
AS FLORES E O CANHÃO Autor(a):
As sombras que assombram a humanidade Autor(a):
ASTRONAUTA (POEMA SIDERAL) Autor(a):
AVES SUICIDAS Autor(a):
BANDEIRA VERMELHA Autor(a):
BATIZADO DOS BICHOS Autor(a):
BAÚ DEBAIXO DA PONTE Autor(a):
BEIJA-FLOR Autor(a):
BEM-TE-VI Autor(a):
BICHO PAPÃO Autor(a):
BIG BANG: (re)nascimento Autor(a):