PAULO FONTENELLE DE ARAUJO

 -  - PAULO FONTENELLE
Total Visualizações: 34369
Texto mais lido:
A CIDADE POSSÍVEL - Total: 354
Educares são nossos pontos, nossa pontuação! Educares: 3147
10 Autores mais recentes...
VALERIA BRITO BULHOES ROCHA
SUELEN LUIZ DE OLIVEIRA
EDENICE SANTOS DA SILVA
LUIZ CARLOS DE OLIVEIRA
DIONILDO DANTAS
VALMIR APARECIDO SAMBO
WALLACE MARINS
DEIVID
IVONE DETTMANN GONCALVES
HERBERTEEN SANTOS
10 Autores mais lidos...
613 SEDNAN MOURA
SEDNAN MOURA
Total: 3642249
657 ELIO MOREIRA
ELIO MOREIRA
Total: 475426
190 DIRCEU DETROZ
DIRCEU DETROZ
Total: 472737
285 ALEXANDRE BRUSSOLO
ALEXANDRE BRUSSOLO
Total: 459244
622 EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
Total: 235943
1121 THALYA SANTOS
THALYA SANTOS
Total: 146305
272 PEDRO VONO
PEDRO VONO
Total: 129200
218 ZILDO GALLO
ZILDO GALLO
Total: 68546
496 ALBERTO DOS ANJOS COSTA
ALBERTO DOS ANJOS COSTA
Total: 59927
189 LADISLAU FLORIANO
LADISLAU FLORIANO
Total: 58237
Sala de Leitura
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto TituloTexto



Total de visualização: 152
Textos & Poesias
Imprimir

Total Votos: 0
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!
  Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

OS DEZENOVE DO FORTE DE COPACABANA


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

O senhor Camargo nasceu e viveu no Rio de Janeiro. Já aposentado, adquiriu o hábito de sempre aos domingos frequentar a Confeitaria Colombo do Forte de Copacabana. Ele gostava do café, gostava dos doces, da vista do mar e, principalmente, gostava da sua infância no Forte. Sua mente alcançava uma distância maior do que um possível disparo dos canhões Krupp ali instalados, cujas balas poderiam atingir vinte e três quilômetros... e quando sentava na parte de fora da confeitaria, sempre lembrava do seu pai narrar o episódio da história do Brasil que chamaram de “ Os dezoito do forte de Copacabana”. Dezessete militares, que em 1922, saíram daquela confeitaria, para enfrentar um exército de três mil homens. Enfrentaram e foram mortos. “Foram assassinados sem jamais se renderem. Permaneceram até o fim com o seu ideal democrático” – repetia o pai.
O menino Camargo sempre se impressionou com a história e sobretudo com o civil Otávio Correia: “Ele não tinha nenhuma relação com a causa... apenas viu o ato heroico dos militares, aderiu a rebelião, ganhou um fuzil Mauser, um terno preto e chapéu e foi um dos primeiros a ser atingido pelo exército com um tiro no coração. Aliás, foi o único a receber o tiro no coração. Sua imagem está na foto histórica”.
O senhor Camargo cogitava: “Quais as ideias passaram na cabeça daquele homem, e porque caminhava rumo ao fuzilamento? Brigou com a noiva e quis provar quando o amor vence todas as guerras ou saiu bêbado, depois de uma noitada em um cabaré, deslumbrou-se e percebeu que a vida significava sentir um enjoo no cais, passar por uma ressaca oceânica até chegar a uma refrega em frente ao mar? Estando tudo ali ao seu redor, ao mesmo tempo, porque não pedir um fuzil ?”
Na confeitaria era bom delirar.
Talvez por causa destas dúvidas, vindas da infância, no último domingo, dia 05, o senhor Camargo sentiu-se mal na Confeitaria e saiu dali com dores no peito. Caminhou devagar pelo mesmo calçadão da batalha, a mesma praia do início do século passado e as coincidências fizeram ainda mais sentido quando ele projetou estar na condição do segundo civil da revolta, o desconhecido décimo nono combatente, aquele não agraciado como o indispensável fuzil Mauser. Sentiu isto e, muito mais decepcionado pela ausência da arma, caminhou mais um pouco e sozinho, sem fotografias, perto da estátua do poeta Carlos Drummond de Andrade, caiu morto, atingido pelo projétil certeiro do infarto.
O senhor Camargo tinha setenta anos. Deixa mulher e três sobrinhos. Seu primeiro nome era Otávio. O primeiro nome era outra coincidência. Uma estranha coincidência com o civil famoso que, em 1922, concluiu algo já fácil de perceber naquela altura da história do mundo: a vida se resume a fotografias.

DO LIVRO: ÓBITOS EM COPACABANA

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login. Mais textos de PAULO FONTENELLE DE ARAUJO:
20 DE JANEIRO DE 1983 Autor(a):
A BELEZA, QUARTA DIMENSÃO Autor(a):
A CEGONHA Autor(a):
A CIDADE POSSÍVEL Autor(a):
A DESCONSTRUÇÃO Autor(a):
A FORÇA DO CIÚME Autor(a):
A FORMIGA ALHEIA Autor(a):
A INVENÇÃO DO FUTEBOL Autor(a):
A MÁQUINA DO TEMPO Autor(a):
A MULHER DO LOUCO Autor(a):
A MÚMIA Autor(a):
A PISADA DO GIGANTE Autor(a):
A PRIMAVERA DAS FADAS Autor(a):
A SONDA AMERICANA VOYAGER I Autor(a):
A TEVÊ LIGADA Autor(a):
ALGUMAS PRINCESAS Autor(a):
ALMA SURDA Autor(a):
ALMA SURDA Autor(a):
AMO A VIDA COMO WALT WHITMAN Autor(a):
AMOR ATO VINTE Autor(a):
AMOR AOS DOZE ANOS Autor(a):
AMOR ATO CINCO Autor(a):
AMOR ATO DEZ Autor(a):
AMOR ATO DEZENOVE Autor(a):
AMOR ATO DEZESSEIS Autor(a):
AMOR ATO DEZESSETE Autor(a):
AMOR ATO DEZOITO Autor(a):
AMOR ATO OITO Autor(a):
AMOR ATO ONZE Autor(a):
AMOR ATO SEIS Autor(a):
Banner aniversariantes

Aniversário Hoje

Aniversariante de Hoje MARCOS A. CAVALCANTE