PAULO FONTENELLE DE ARAUJO

 -  - PAULO FONTENELLE
Total Visualizações: 81893
Texto mais lido:
ALMA SURDA - Total: 663
Educares são nossos pontos, nossa pontuação! Educares: 4567
10 Autores mais recentes...
GRAZIELLE APARECIDA PEREIRA DE AMORIM
PATRICIA DE ALMEIDA CARVALHO
ANA PAULA DE JESUS OLIVEIRA
MICHELE LIMA CAVALCANTE
ROSA SANTOS DA SILVA
SHIRLEY A. MORAIS
JUCIENE DE SOUZA SANTOS NASCIMENTO
IVONETE MELO DE CARVALHO
PRISCILA MIDORI
SIMONE BIANCHI ZAAR
10 Autores mais lidos...
613 SEDNAN MOURA
SEDNAN MOURA
Total: 6642196
657 ELIO MOREIRA
ELIO MOREIRA
Total: 1334349
285 ALEXANDRE BRUSSOLO
ALEXANDRE BRUSSOLO
Total: 1002317
190 DIRCEU DETROZ
DIRCEU DETROZ
Total: 853478
622 SANTO VANDINHO
SANTO VANDINHO
Total: 511643
1121 THALYA SANTOS
THALYA SANTOS
Total: 251093
272 PEDRO VONO
PEDRO VONO
Total: 153631
218 ZILDO GALLO
ZILDO GALLO
Total: 133880
496 ALBERTO DOS ANJOS COSTA
ALBERTO DOS ANJOS COSTA
Total: 127186
189 LADISLAU FLORIANO
LADISLAU FLORIANO
Total: 111780
Sala de Leitura
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto TituloTexto



Total de visualização: 553
Textos & Poesias
Imprimir

Total Votos: 0
 
 

ALGUMAS PRINCESAS

Hoje noite de gala no teatro Municipal de São Paulo.
Informa o cartaz,
estreia nova atração do corpo de baile:
a fábula da Bela Adormecida,

Imagino a dança,
em uma cena apenas
o príncipe entra,
descobre a princesa dormente,
- sangue europeu imobilizado entre heras -
e cede o beijo de amor na face da mórbida.

Retiro-me do Municipal,
desço as escadarias e reparo
homens sanduíches dançam com placas
e anunciam abreugrafias,
mistérios do corpo na radiografia a revelar-se.
Aquele homem sanduíche bem serve à população.

Inspiro-me e percebo.
Alguém está enclausurado
na praça Ramos de Azevedo.
Dorme por aqui
e na mesma condição da Bela princesa,
alguém dessa multidão
sempre fixa na praça
- camelôs, crentes, mendigos, desempregados .
Gente que parece se eternizar,
marcar o asfalto,
devastar a terra
em volta do castelo que o teatro representa,
prostrarem-se no chão
como quem se aplica a um pasto pobre.

Mas o que é isso?
Essa dança que surge agora e vejo.
O que são aqueles braços lançados na esquina?
Imagens da chapa de raio X enfim revelada,
delírios surgidos da agudização de um tumor?
Não! São índios, índios ali também,
que saem de motocicletas,
rodopiam nos espelhos, nas vitrines,
e brincam
ao som de um tamboril.
Índios em cocares a florescer,
em miçangas a girar suspensas,
enquanto brilha o meio-fio das ruas.

Porém, a clausura da turba real da praça
não percebe a dança.
As bocas entregues a monotonia do dia,
passantes em romaria,
não dão conta do bailado.
Vejo perto da antiga loja Mappim
um quilombo e outros departamentos,
vejo negros escravos a inventarem estrelas,
golpes, piruetas e giros de luta africana
atravessam os faróis da rua Xavier de Toledo
e completam-se no fundo do Vale do Anhangabaú.

De súbito quero gritar,
percebo em mim a concretude de altar,
de pedra fundamental
que me faz calar,
porque todos os negros, todos os índios
são príncipes da cidade aberta para a noite
e a praça Ramos de Azevedo
solta um cheiro de jasmim,
o mesmo de uma praça de cidadezinha,
com o seu chafariz de anjo
e coqueiros tombados pela municipalidade.

O teatro abre uma porta.
Lembro-me do ósculo do príncipe
no rosto tenro da Bela Adormecida
e ocorre que os índios e os negros
beijarão agora as princesas.

Os índios beijam e se aproximam,
beijam e já me intimam:
“Levante o véu, por favor”!

do livro: A CIDADE POSSÍVEL

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login. Mais textos de PAULO FONTENELLE DE ARAUJO:
20 DE JANEIRO DE 1983 Autor(a):
A BELEZA, QUARTA DIMENSÃO Autor(a):
A CEGONHA Autor(a):
A CIDADE POSSÍVEL Autor(a):
A DESCONSTRUÇÃO Autor(a):
A FORÇA DO CIÚME Autor(a):
A FORMIGA ALHEIA Autor(a):
A INVENÇÃO DO FUTEBOL Autor(a):
A MÁQUINA DO TEMPO Autor(a):
A MULHER DO LOUCO Autor(a):
A MÚMIA Autor(a):
A PISADA DO GIGANTE Autor(a):
A PRIMAVERA DAS FADAS Autor(a):
A SONDA AMERICANA VOYAGER I Autor(a):
A TEVÊ LIGADA Autor(a):
AGUMAS MOTIVAÇÕES Autor(a):
ALGUMAS PRINCESAS Autor(a):
ALMA SURDA Autor(a):
ALMA SURDA Autor(a):
AMO A VIDA COMO WALT WHITMAN Autor(a):
AMOR ATO VINTE Autor(a):
AMOR AOS DOZE ANOS Autor(a):
AMOR ATO CINCO Autor(a):
AMOR ATO DEZ Autor(a):
AMOR ATO DEZENOVE Autor(a):
AMOR ATO DEZESSEIS Autor(a):
AMOR ATO DEZESSETE Autor(a):
AMOR ATO DEZOITO Autor(a):
AMOR ATO OITO Autor(a):
AMOR ATO ONZE Autor(a):