SILVIO DUTRA

 -  - SILVIO DUTRA
Total Visualizações: 6329
Texto mais lido:
Há Alguma Coisa Difícil Demais para o Senhor? – P 2 - Total: 265
Educares são nossos pontos, nossa pontuação! Educares: 291
10 Autores mais recentes...
HILTON MARCOS DE OLIVEIRA
WAGNER PAULON
GISELE NEGRO DE LIMA
ALEXANDRE DORNELES DE BRITO PINNA
SALETI HARTMANN
ELIZABETH PEREIRA DA SILVA
ELLENDRA VALENTINE
ONIVAN BARBOSA PANTOJA
THALLES CAKAN
ADALTO FREITAS
10 Autores mais lidos...
613 SEDNAN MOURA
SEDNAN MOURA
Total: 1210259
285 ALEXANDRE BRUSSOLO
ALEXANDRE BRUSSOLO
Total: 226989
272 PEDRO VONO
PEDRO VONO
Total: 110054
190 DIRCEU DETROZ
DIRCEU DETROZ
Total: 80642
1121 THALYA SANTOS
THALYA SANTOS
Total: 80450
622 EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO
Total: 43431
218 ZILDO GALLO
ZILDO GALLO
Total: 28428
496 ALBERTO DOS ANJOS COSTA
ALBERTO DOS ANJOS COSTA
Total: 27839
189 LADISLAU FLORIANO
LADISLAU FLORIANO
Total: 25703
385 ANDRADE JORGE
ANDRADE JORGE
Total: 23194
Sala de Leitura
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto TituloTexto



Total de visualização: 158
Textos & Poesias
Imprimir

Total Votos: 0
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!
  Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

Conforto para os Cristãos – Parte 2


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

A. W. Pink (1886-1952)
Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

CAPÍTULO 4 - A GRANDE DOAÇÃO
“Aquele que não poupou o seu próprio Filho, mas o entregou por todos nós, como não nos dará também com ele todas as coisas?” (Romanos 8:32).
O verso acima nos fornece um exemplo da lógica Divina. Contém uma conclusão tirada de uma premissa; a premissa é que Deus entregou Cristo para todo o Seu povo, portanto cada outra coisa que é necessária para eles tem a certeza de ser dada. Há muitos exemplos nas Escrituras Sagradas de tal lógica Divina. “Se Deus assim veste a erva do campo, que hoje é e amanhã é lançada no forno, não te vestirá muito mais?” (Mateus 6:30). “Se, quando éramos inimigos, fomos reconciliados com Deus pela morte de seu Filho, muito mais sendo reconciliados, seremos salvos pela sua vida” (Romanos 5:10). “Se, pois, sendo maus, sabeis dar boas coisas a vossos filhos, quanto mais vos poderá dar o teu Pai, que está nos céus, coisas boas aos que lhe pedem?” (Mateus 7:11). Estão aqui no nosso texto e o raciocínio é irresistível e vai direto ao entendimento e ao coração. Nosso texto fala do caráter gracioso de nosso Deus amoroso conforme interpretado pelo dom de Seu Filho. E isso, não apenas pela instrução de nossas mentes, mas pelo conforto e segurança de nossos corações. O dom do seu próprio Filho é a garantia de Deus ao Seu povo de todas as bênçãos necessárias. O maior inclui o menor; Seu indescritível dom espiritual é o penhor de todas as misericórdias temporais necessárias. Observe em nosso texto quatro coisas:
1. O SACRIFÍCIO DO PAI. Isso nos traz um lado da verdade sobre o qual temo raramente meditado. Nós nos deleitamos em pensar no maravilhoso amor de Cristo, cujo amor era mais forte do que a morte, e que considerou que nenhum sofrimento era grande demais para o Seu povo. Mas o que deve ter significado para o coração do Pai quando o Seu Amado deixou o Seu Lar Celestial! Deus é amor e nada é tão sensível como o amor. Eu não acredito que a Deidade seja sem emoção, o estoico como representado pelos escolásticos da idade média. Acredito que o envio do Filho foi algo que o coração do Pai sentiu, que foi um sacrifício real de Sua parte. Pense bem então no fato solene que estabelece a promessa certa que segue: Deus “não poupou seu próprio Filho”! Palavras expressivas e profundas! Sabendo muito bem, como só Ele poderia, toda aquela redenção envolvia - a Lei rígida e inflexível, insistindo na obediência perfeita e exigindo a morte de seus transgressores. Justiça, severa e inexorável, exigindo plena satisfação, recusando-se a "limpar o culpado". Mas Deus não reteve o único Sacrifício adequado. Deus "não poupou seu próprio Filho", embora bem sabendo da humilhação e da ignomínia da manjedoura de Belém, da ingratidão dos homens, de o não ter onde reclinar a cabeça, do ódio e da oposição dos ímpios, da inimizade e dos ferimentos de Satanás - mas Ele não hesitou. Deus não relaxou das sagradas exigências de Seu trono, nem diminuiu um pouco da horrível maldição. Não, ele "não poupou o seu próprio Filho". O último ponto foi exigido; os últimos resíduos no cálice da ira devem ser sorvidos. Mesmo quando o seu amado clamou no jardim, “se for possível, que este cálice passe de mim”, Deus “não o poupou”. Mesmo quando as mãos desprezíveis O pregaram no madeiro, Deus gritou “Desperta, ó espada, contra o meu pastor e contra o homem que é meu companheiro”, diz o Senhor dos Exércitos; feri o pastor” (Zacarias 13: 7).
2. O PROJETO GRACIOSO DO PAI. “Mas o entregou por todos nós”. Aqui nos é dito por que o Pai fez um sacrifício tão caro; Ele não poupou a Cristo, para que nos poupasse! Não era falta de amor ao Salvador, mas amor maravilhoso, incomparável e insondável por nós! O maravilhe-se com o maravilhoso desígnio do Altíssimo. “Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito”. Em verdade, esse amor ultrapassa o conhecimento. Além disso, Ele fez este sacrifício caro não de má vontade ou com relutância, mas livremente por amor. Uma vez Deus disse ao Israel rebelde: “Como eu vou desistir de você, Efraim?” (Oseias 11: 8). Infinitamente mais causa tinha Ele para dizer isto do Santo, Seu bem-amado, Aquele em quem Sua alma diariamente se deleitava. No entanto, Ele “O entregou” a – vergonha, ódio e perseguição, sofrimento e morte em si. E Ele O entregou por nós - descendentes de Adão rebelde, depravado e corrompido, corrupto e pecaminoso, vil e sem valor! Para nós, que havíamos entrado no “país distante” da alienação dEle, e ali gastamos nosso patrimônio em uma vida desenfreada. Sim, “para nós”, que nos desgarramos como ovelhas, cada um se voltando para “seu próprio caminho”. Para nós “que éramos por natureza filhos da ira, como os demais”, nos quais não havia nada de bom. Para nós que nos rebelamos contra o nosso Criador, odiamos a Sua santidade, desprezamos a Sua Palavra, quebramos os Seus mandamentos, resistimos ao Seu Espírito. Para nós que merecidamente deveríamos ser lançados nas chamas eternas e receber aqueles salários que nossos pecados tanto mereceram. Sim, por ti cristão, que às vezes é tentado a interpretar suas aflições como sinais da dureza de Deus; que considera tua pobreza como uma marca de sua negligência e suas estações de escuridão como evidências de sua deserção. Ó, confessa a Ele agora a maldade de tais desonrosos questionamentos, e nunca mais questione o amor dAquele que não poupou seu próprio Filho, mas O entregou por todos nós. A fidelidade exige que eu indique o pronome qualificativo em nosso texto. Isto é Deus não "entregou-o para todos", mas "para todos nós". Isto é definitivamente definido nos versos que imediatamente precedem. Em 5:31 é feita a pergunta: “Se Deus é por nós, quem pode ser contra nós?” Em 5:30, esse “nós” é definido como aqueles a quem Deus predestinou e “chamou” e “justificou”. “Nós” são os grandes favoritos do céu, os objetos da graça soberana. Os eleitos de Deus. E, no entanto, em si mesmos eles são, por natureza e prática, merecedores de nada além de ira. Mas ainda assim, graças a Deus, é "todos nós" - o pior e o melhor, o devedor de quinhentas libras, tanto quanto o devedor de cinquenta centavos.
3. A BENDITA INFERÊNCIA DO ESPÍRITO. Conduza bem a gloriosa “conclusão” que o Espírito de Deus aqui extrai do maravilhoso fato declarado na primeira parte de nosso texto: “Aquele que não poupou seu próprio Filho, mas o entregou por todos nós como não nos dará também com ele todas as coisas?” Quão conclusivo e consolador é o raciocínio inspirado do apóstolo. Argumentando a partir do maior para o menor, ele prossegue para assegurar ao crente da prontidão de Deus também conceder livremente todas as bênçãos necessárias. O dom de Seu próprio Filho, concedido de maneira tão sem reservas, é o penhor de todas as outras misericórdias necessárias. Aqui está a segurança e a fiança infalíveis de garantia perpétua para o espírito caído do crente atribulado. Se Deus fez o maior, deixará o menor desfeito? Amor infinito nunca pode mudar. O amor que não poupou a Cristo não pode falhar em seus objetos nas bênçãos necessárias. O triste é que nossos corações se apegam ao que não temos e não ao que temos. Portanto, o Espírito de Deus ainda aquietaria nossos pensamentos inquietos e silenciaria o descontentamento ignorante com um conhecimento satisfatório da verdade da alma; lembrando-nos não apenas da realidade de nosso interesse no amor de Deus, mas também da extensão daquela bênção que flui desse amor. Pondere bem o que está envolvido na lógica desse versículo. Primeiro, o grande presente foi dado sem ser solicitado; Ele não dará aos outros o necessário? Nenhum de nós suplicou a Deus para enviar Seu Amado; todavia, Ele O enviou! Agora, podemos chegar ao trono da graça e apresentar nossos pedidos no nome virtuoso e todo-eficaz de Cristo. Em segundo lugar, o único Grande Dom Lhe custou muito; Ele não concederá, então, os dons menores que não lhe custam nada senão o prazer de dar! Se um amigo me desse um quadro valioso, ele iria recusar o papel e a corda necessários para embrulhá-lo? Ou se um ente querido me oferecesse um presente de uma joia preciosa, ele recusaria uma caixinha para carregá-la? Quanto menos aquele que não poupou o seu próprio Filho, retém o bem a algum dos que andam na retidão. Terceiro, a única dádiva foi concedida quando éramos inimigos; Deus não será então gracioso para nós agora que fomos reconciliados e somos Seus amigos? Se Ele tinha planos de misericórdia para nós enquanto ainda estávamos em nossos pecados, quanto mais Ele nos considerará favoravelmente agora que fomos purificados de todo pecado pelo precioso sangue de Seu Filho!
4. A PROMESSA CONFORTÁVEL. Observe o tempo que é usado aqui. Não é "como ele também não nos deu livremente todas as coisas", embora isso também seja verdade, pois mesmo agora somos "herdeiros de Deus" (Romanos 8:17). Mas nosso texto vai além disso: “Como ele não nos dará também livremente todas as coisas?” A segunda metade deste versículo maravilhoso contém algo mais do que um registro do passado; fornece confiança tranquilizadora tanto para o presente como para o futuro. Não há limites de tempo a serem estabelecidos sobre este "deve". Tanto agora no presente e para sempre e sempre no futuro Deus se manifestará como o grande Doador. Nada para a Sua glória e para nossa boa vontade Ele retém. O mesmo Deus que entregou Cristo para todos nós é “sem mudança ou sombra de variação” (Tiago 1:17). Marque a maneira pela qual Deus dá: “Como não nos dará também com ele todas as coisas?” Deus não precisa ser persuadido; não há relutância nele para nós superarmos. Ele está cada vez mais disposto a dar do que necessitamos receber. Ainda; Ele não tem obrigações com ninguém; se Ele tivesse, Ele conferiria necessariamente, em vez de dar “livremente”. Lembre-se sempre de que Ele tem o direito perfeito de fazer o que quiser com o que é seu, da maneira que lhe agrada. Ele é livre para dar a quem Ele quiser. A palavra “livremente” não significa apenas que Deus não está sujeito a restrições, mas também significa que Ele não cobra por Seus dons, Ele não coloca nenhum preço em Suas bênçãos. Deus não é varejista de misericórdia ou quem barganha coisas boas; se Ele fosse, a justiça exigiria que Ele cobrasse exatamente o valor de cada bênção, e então quem dentre os filhos de Adão poderia encontrar os meios? Não, bendito seja o seu nome, os dons de Deus são “sem dinheiro e sem preço” (Isaías 55: 1), imerecidos. Finalmente, regozije-se com a abrangência desta promessa: “Como não nos dará também com ele toda as coisas? ”O Espírito Santo aqui nos regalaria com a extensão da concessão maravilhosa de Deus. O que você precisa, companheiro cristão? É de perdão? Então Ele não disse: "Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça" (1 João 1: 9)? É graça? Então Ele não disse: “Deus pode fazer-vos abundar em toda graça, a fim de que, tendo sempre, em tudo, ampla suficiência, superabundeis em toda boa obra,” (2 Coríntios 9: 8)? É um “espinho na carne”? isso também será dado "me foi dado um espinho na carne" (2 Coríntios 12: 7). É descanso? Então, dê ouvidos ao convite do Salvador: “Vinde a mim. . . e eu te darei descanso” (Mateus 11:28). É conforto? Não é Ele o Deus de todo o conforto (2 Coríntios 1: 3)? “Como não nos dará com ele também livremente todas as coisas?” São as misericórdias temporais de que o leitor precisa? Suas circunstâncias são adversas para que você fique cheio de pressentimentos sombrios? Será que o seu vaso de azeite e pote de farinha parecem que logo estarão vazios? Em seguida, espalhe sua necessidade diante de Deus e faça-o na simples fé infantil. Você acha que Ele concederá as maiores bênçãos da graça e negará as menores da Providência? Não, "Meu Deus suprirá todas as suas necessidades" (Filipenses 4:19). É verdade... Ele não prometeu dar tudo o que pedíssemos, pois muitas vezes pedimos "errado". Marque a cláusula de qualificação: "Como não nos dará com ele também livremente todas as coisas?” Nós frequentemente desejamos coisas que entrariam entre nós e Cristo se elas fossem concedidas, portanto, Deus em Sua fidelidade os retém. Aqui estão quatro coisas que deveriam trazer conforto a todo coração renovado.
(1) sacrifício caro do pai. Nosso Deus é um Deus que dá e nada de bom retém dos que andam na retidão.
(2) O desígnio gracioso do Pai. Foi para nós que Cristo foi entregue; eram nossos maiores e eternos interesses que Ele tinha no coração.
(3) A inferência infalível do Espírito. O maior inclui o menor; o dom indescritível garante a doação de todos os outros favores necessários.
(4) A promessa reconfortante. Seu alicerce seguro, seu alcance presente e futuro, sua extensão abençoada, são para assegurar nossos corações e a paz de nossas mentes. Que o Senhor adicione Suas bênçãos a esta pequena meditação.
CAPÍTULO 5 - A LEMBRANÇA DIVINA
“Quem se lembrou de nós em nosso abatimento, porque a sua misericórdia dura para sempre” (Salmo 136: 23). “Quem se lembrou de nós?” Isso é um contraste marcante e abençoado de nossos esquecimentos dEle. Como todas as outras faculdades de nossos seres, a memória foi afetada pela Queda e carrega nela as marcas da depravação. Isso é visto a partir do seu poder de reter o que é inútil e a dificuldade encontrada para reter aquilo que é bom. Uma canção de ninar ou canção tola ouvida na juventude é levada conosco para o túmulo; um sermão útil é esquecido dentro de vinte e quatro horas! Mas o mais trágico e solene de tudo é a facilidade com que nos esquecemos de Deus e de Suas incontáveis misericórdias. Mas, bendito seja o seu nome, Deus nunca nos esquece. Ele é o fiel Lembrador. Ficamos muito impressionados quando, ao consultar a concordância, descobrimos que as cinco primeiras vezes em que a palavra “lembrar” é usada nas Escrituras, em cada caso está conectada com Deus. “E Deus se lembrou de Noé e de todos os animais e todo o gado que estava com ele na arca” (Gênesis 8: 1). “O arco estará nas nuvens; vê-lo-ei e me lembrarei da aliança eterna entre Deus e todos os seres viventes de toda carne que há sobre a terra.” (Gênesis 9:16). “Ao tempo que destruía as cidades da campina, lembrou-se Deus de Abraão e tirou a Ló do meio das ruínas, quando subverteu as cidades em que Ló habitara.” (Gênesis 19:29). Na primeira vez em que é usado o homem, lemos: "O mordomo-chefe, porém, não se lembrou de José, mas o esqueceu" (Gênesis 40:23)! A referência histórica aqui é aos filhos de Israel, quando estavam labutando em meio aos fornos de tijolos do Egito. Na verdade, eles estavam em uma “propriedade baixa”: uma nação de escravos, gemendo sob o açoitamento de impiedosos senhores de tarefas, oprimidos por um rei sem coração. Mas quando não havia outro olho para piedade, Jeová olhou para eles e ouviu seus gritos de angústia. Ele “lembrou” deles em seu estado baixo. E por que? Êxodo 2: 24,25 nos diz: “Ouvindo Deus o seu gemido, lembrou-se da sua aliança com Abraão, com Isaque e com Jacó. E viu Deus os filhos de Israel e atentou para a sua condição.” Nosso texto não deve se limitar à semente literal de Abraão: tem referência a todo o “Israel de Deus” (Gálatas 6:16). Os santos deste presente Dia da salvação também se unem dizendo: “Quem se lembrou de nós em nossa propriedade baixa.” Quão “baixa” era nossa “propriedade” por natureza! Como criaturas caídas, nós nos deitamos em nossa miséria, incapazes de nos livrar ou nos ajudar. Mas, em graça maravilhosa, Deus teve pena de nós. Seu braço forte se abaixou e nos resgatou. Ele veio para onde nos deitou, nos viu e teve compaixão de nós (Lucas 10:33). Portanto, cada cristão pode dizer: "Tirou-me de um poço de perdição, de um tremedal de lama; colocou-me os pés sobre uma rocha e me firmou os passos.” (Salmo 40: 2). E por que Ele “lembra” de nós? A própria palavra “lembrar” fala de pensamentos anteriores de amor e misericórdia para conosco. Assim como foi com os filhos de Israel no Egito, assim foi conosco em nossa condição arruinada por natureza. Ele “lembrou” da Sua aliança, aquela aliança na qual Ele havia entrado como a nossa garantia de vida eterna. Como lemos em Tito 1: 2 da vida eterna que Deus, que não pode mentir, prometeu antes da fundação do mundo. Prometido a Cristo, que Ele daria aquela vida eterna àqueles por quem nosso chefe da aliança deveria transacionar. Sim, Deus “lembrou” que Ele “nos havia escolhido nEle antes da fundação do mundo” (Efésios 1: 4); portanto, Ele nos trouxe, no tempo devido, da morte para a vida. Mas essa palavra abençoada vai além de nossa experiência inicial da graça salvadora de Deus. Historicamente, nosso texto não se refere apenas a Deus lembrar-se de Seu povo enquanto estavam no Egito, mas também, como mostra o contexto, enquanto estavam no deserto, a caminho da Terra Prometida. As experiências de Israel no deserto, senão prefiguram a caminhada dos santos através deste mundo hostil. E a “lembrança” de Jeová, manifestada no suprimento diário de todas as suas necessidades, esboçou as provisões ricas de Sua graça para nós enquanto viajamos para nosso Lar nas Alturas. Nossa propriedade atual, aqui na terra, é apenas uma humilde, pois agora não reinamos como reis. No entanto, o nosso Deus está sempre consciente de nós, e de hora em hora ele ministra para nós. “Quem se lembrou de nós em nosso estado baixo.” Nem sempre nos é permitido ficar no monte. Como no mundo natural, também nas nossas experiências. Os dias brilhantes e ensolarados dão lugar aos escuros e nublados: o verão é seguido pelo inverno. Desapontamentos, perdas, aflições, lutos vieram em nossa direção e fomos abatidos. E muitas vezes, quando parecemos precisar mais do conforto de amigos, eles nos falharam. Aqueles com quem contamos para ajudar, nos esqueceram. Mas, mesmo assim, houve um “que se lembrou de nós” e mostrou-se ser “o mesmo ontem, hoje e para sempre”, e então nos provou novamente que “a sua misericórdia dura para sempre” (1 Crônicas 16:34).
Há alguns que podem ler essas linhas que pensarão em outra aplicação dessas palavras: a saber, a época em que você deixou seu primeiro amor, quando seu coração ficou frio e sua vida se tornou mundana. Quando você estava em um estado tristemente recuado. Então, de fato, sua propriedade era baixa; mesmo assim, nosso Deus fiel “lembra” de ti. Sim, cada um de nós tem motivos para dizer com o salmista: “Ele restaura a minha alma; ele me conduz nos caminhos da justiça por causa do seu nome” (23: 3). “Quem se lembrou de nós em nosso estado baixo.” Ainda outra aplicação dessas palavras pode ser feita, ou seja, para a última grande crise do santo, quando ele sai deste mundo. À medida que a centelha vital do corpo se torna sombria e a natureza falha, então também é nossa “propriedade” baixa. Mas também o Senhor se lembra de nós, porque “a sua benignidade dura para sempre.” Os estados extremos do homem é apenas a oportunidade de Deus. Sua força é aperfeiçoada em nossa fraqueza. É então que ele “se lembra” de nós fazendo boas promessas reconfortantes: “Não temas, porque eu estou contigo; não te assombres, porque eu sou teu Deus; eu te fortalecerei, e te ajudarei, e te sustento com a destra da minha justiça” (Isaías 41:10). “Quem se lembrou de nós em nosso estado baixo?” Certamente este texto nos fornecerá palavras adequadas para expressar nossa ação de graças quando estamos em casa, presentes com o Senhor. Como então o louvaremos por Sua fidelidade à aliança, Sua graça inigualável e Sua bondade amorosa, por ter se lembrado de nós em nosso estado baixo! Então saberemos, assim como somos conhecidos. Nossas próprias memórias serão renovadas, aperfeiçoadas e nos lembraremos de todo o caminho em que o Senhor nosso Deus nos guiou (Deuteronômio 8: 2), lembrando com gratidão e alegria Suas lembranças fiéis, reconhecendo com adoração que “Sua misericórdia dura para sempre."
CAPÍTULO 6 – PROVADOS PELO FOGO
“Mas ele sabe o meu caminho; se ele me provasse, sairia eu como o ouro.” (Jó 23:10).
Jó aqui se corrige. No início do capítulo, encontramo-lo dizendo: “Ainda hoje a minha queixa é de um revoltado, apesar de a minha mão reprimir o meu gemido.” (vv. 1, 2). O pobre Jó achava que a sua sorte era insuportável. Mas ele se recupera. Ele verifica sua explosão apressada e revisa sua decisão impetuosa. Quantas vezes todos nós temos que nos corrigir! Apenas um já andou nesta terra que nunca teve ocasião de fazê-lo. Jó aqui se conforta. Ele não conseguia entender os mistérios da Providência, mas Deus sabia o caminho que ele tomou. Jó tinha diligentemente buscado a presença tranquilizadora de Deus, mas, por um tempo, em vão. “Eis que, se me adianto, ali não está; se torno para trás, não o percebo. Se opera à esquerda, não o vejo; esconde-se à direita, e não o diviso.” (vv. 8, 9). Mas ele consolou-se com este fato abençoado - embora eu não possa ver a Deus, o que é mil vezes melhor, Ele pode me ver - "Ele sabe". “Alguém acima” não é indiferente à nossa sorte. Se Ele notar a queda de um pardal, se Ele contar os cabelos de nossas cabeças, é claro que "Ele conhece" o caminho que eu tomo. Jó aqui enuncia uma visão nobre da vida. Como ele era esplendidamente otimista! Ele não permitiu que suas aflições o transformassem em um cético. Ele não permitiu as dolorosas provações e problemas pelos quais passava para dominá-lo. Ele olhou para o lado brilhante da nuvem escura - o lado de Deus, escondido do sentido e da razão. Ele teve uma visão longa da vida. Ele olhou para além dos "julgamentos de fogo" imediatos e disse que o resultado seria ouro refinado. "Mas ele conhece o caminho que eu tomo: quando ele me provasse, sairia como o ouro." Três grandes verdades são expressas aqui: vamos considerar brevemente cada uma separadamente.
1. O CONHECIMENTO DIVINO DA MINHA VIDA. “Ele conhece o caminho que eu tomo”. A onisciência de Deus é um dos maravilhosos atributos da Deidade. “Porque os seus olhos estão sobre os caminhos do homem, e ele vê todos os seus passos” (Jó 34:21). “Os olhos do Senhor estão em todo lugar, contemplando os maus e os bons (Provérbios 15: 3). Purpurião disse:“ Um dos maiores testes da religião experimental é: Qual é o meu relacionamento com a onisciência de Deus? ”Qual é o seu relacionamento com ele, caro leitor? Como isso afeta você? Isso aflige ou conforta você? Você se retrai do pensamento de Deus saber tudo sobre o seu caminho? Talvez um jeito mentiroso, egoísta e hipócrita! Para o pecador este é um pensamento terrível. Ele nega ou, se não, procura esquecê-lo. Mas para o cristão, aqui está o conforto real. Como é animador lembrar que meu Pai sabe tudo sobre minhas provações, minhas dificuldades, minhas tristezas, meus esforços para glorificá-lo. Verdade preciosa para aqueles em Cristo, angustiante pensamento para todos de Cristo, que o caminho que estou tomando é totalmente conhecido e observado por Deus. "Ele sabe o caminho que eu tomo". Os homens não sabiam o caminho que Jó tomou. Ele foi gravemente incompreendido, e para alguém com um temperamento sensível ser mal interpretado, é um julgamento doloroso. Seus amigos acharam que ele era um hipócrita. Eles acreditavam que ele era um grande pecador e punido por Deus. Jó sabia que ele era um santo indigno, mas não hipócrita. Ele apelou contra seu veredicto de censura. “Ele sabe o caminho que eu tomo: quando ele me provasse, sairia como o ouro”. Aqui está a instrução para nós quando é como uma circunstância. Crente fiel, seus semelhantes, sim, e seus companheiros cristãos, podem interpretá-lo mal, e interpretar mal as relações de Deus com você: mas console-se com o fato abençoado que o onisciente conhece. "Ele sabe o caminho que eu tomo." No sentido mais completo da palavra Jó não conhecia o caminho que ele tomava, nem qualquer um de nós. A vida é profundamente misteriosa e a passagem dos anos não oferece solução. Nem filosofar nos ajuda. A vontade humana é um estranho enigma. A consciência é testemunha de que somos mais do que autômatos. O poder da escolha é exercido por nós em cada movimento que fazemos. E, no entanto, é claro que nossa liberdade não é absoluta. Há forças trazidas para nós, tanto boas como más, que estão além do nosso poder de resistir. Tanto a hereditariedade como o meio ambiente exercem influência poderosa sobre nós. Nossos arredores e circunstâncias são fatores que não podem ser ignorados. E o que dizer da providência que “molda nossos destinos”? Ah, quão pouco conhecemos o caminho que “tomamos”. Disse o profeta: “Eu sei, ó SENHOR, que não cabe ao homem determinar o seu caminho, nem ao que caminha o dirigir os seus passos.” (Jeremias 10:23). Aqui entramos no reino do mistério, e é inútil negá-lo. É melhor reconhecer com o homem sábio: “Os passos do homem são dirigidos pelo SENHOR; como, pois, poderá o homem entender o seu caminho?” (Provérbios 20:24). No sentido mais estrito do termo Jó conhecia o caminho que ele tomou. O que esse “caminho” nos disse nos dois versículos seguintes. “Os meus pés seguiram as suas pisadas; guardei o seu caminho e não me desviei dele. Do mandamento de seus lábios nunca me apartei, escondi no meu íntimo as palavras da sua boca.” (Jó 23: 11,12). A maneira que Jó escolheu foi o melhor caminho, o caminho das Escrituras, o caminho de Deus - “Seu caminho”. O que você acha disso? Querido leitor? Não foi uma grande seleção? Ah, não apenas "paciente", mas sábio Jó! Você fez uma escolha semelhante? Você pode dizer: “Os meus pés seguiram as suas pisadas; guardei o seu caminho e não me desviei dele.”? (v. 11). Se puder, louve-o por sua graça capacitadora. Se você não puder, confesse com vergonha o seu fracasso em se apropriar de Sua graça todo-suficiente. Se ajoelhe de uma só vez, e se apegue a Deus. Não esconda nada. Lembre-se que está escrito: "Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça" (1 João 1: 9). O verso 12 explica seu fracasso, e o meu fracasso, querido leitor? Não é porque nós não trememos diante dos mandamentos de Deus, e porque nós temos tão levemente estimado Sua Palavra, que nós "recusamos" o Seu caminho! Então vamos, agora mesmo, e diariamente, buscar a graça do alto para atender aos Seus mandamentos e ocultar Sua Palavra em nossos corações. “Ele sabe o caminho que eu tomo”. Que caminho você está tomando? - o Caminho Estreito que conduz à vida, ou “a Estrada Larga que leva à destruição? Certifique-se sobre este ponto, querido amigo. As escrituras declaram: “Então cada um de nós dará conta de si mesmo a Deus” (Romanos 14:12). Mas você não precisa ser enganado ou andar incerto. O Senhor declarou: “Eu sou o caminho” (João 14: 6).
2. PROVA DIVINA. “Quando ele me provou”. “O crisol prova a prata, e o forno, o ouro; mas aos corações prova o SENHOR.” (Provérbios 17: 3). Este era o caminho de Deus para com Israel de antigamente; é o seu caminho com os cristãos agora. Pouco antes de Israel entrar em Canaã, quando Moisés reviu sua história desde a saída do Egito, ele disse: “E te lembrarás de todo o caminho pelo qual o Senhor teu Deus te guiou nestes quarenta anos no deserto, para te humilhar e te provar, e para saber o que em teu coração guardaria os seus mandamentos ou não” (Deuteronômio 8: 2). Da mesma forma, Deus testa, prova, nos humilha. “Quando ele me provou.” Se nos dermos conta disso mais, devemos nos comportar melhor na hora da aflição e sermos mais pacientes com o sofrimento. As irritações diárias da vida, as coisas que incomodam tanto - qual é o seu significado? Por que eles são permitidos? Eis a resposta: Deus está "provando" você! Essa é a explicação (em parte, pelo menos) desse desapontamento, do esmagamento de suas esperanças terrenas, dessa grande perda; Deus estava testando você. Deus está testando seu temperamento, sua coragem, sua fé, sua paciência, seu amor, sua fidelidade. “Quando ele me provou”. Com que frequência os santos de Deus veem somente Satanás como a causa de seus problemas. Eles consideram o grande inimigo como responsável por grande parte de seus sofrimentos. Mas não há conforto para o coração nisso. Nós não negamos que o Diabo realmente traz muito que nos assedia. Mas acima de Satanás está o Senhor Todo-Poderoso! O Diabo não pode tocar um fio de cabelo de nossas cabeças sem a permissão de Deus, e quando lhe é permitido perturbar e distrair-nos, mesmo assim é somente Deus usando-o para “nos provar”. Aprendemos então, a olhar para além de todas as causas e instrumentos secundários àquele que opera todas as coisas segundo o conselho de sua própria vontade (Efésios 1:11). Isto é o que Jó fez. No capítulo de abertura do livro que leva seu nome encontramos Satanás obtendo permissão para afligir o servo de Deus. Ele usou os sabeus para destruir os rebanhos de Jó (v. 15): ele enviou os caldeus para matar seus servos (v. 17): ele fez com que um grande vento matasse seus filhos (v. 19). E qual foi a resposta de Jó? Isso: ele exclamou: “O Senhor deu, e o Senhor o levou; bendito seja o nome do Senhor” (1:21). Jó olhou para além dos agentes humanos, além de Satanás que os empregou, para o Senhor que controla tudo. Ele percebeu que era o Senhor provando-o. Nós temos a mesma coisa no Novo Testamento. Aos santos sofredores de Esmirna, João escreveu: “Não temas nada daquilo que sofrerás; eis que o diabo lançará alguns de vós na prisão, para que sejais provados” (Apocalipse 2:10). O fato de terem sido lançados na prisão era simplesmente Deus provando-os. Quanto perdemos esquecendo isso! Que estada para o coração perturbado em saber que não importa a forma que o teste possa tomar, não importa qual seja o agente que irrita, é Deus quem está "testando" Seus filhos. Que exemplo perfeito o Salvador nos define. Quando foi abordado no jardim e Pedro desembainhou a espada e cortou a orelha de Malco, o Salvador disse: “O cálice que meu Pai me deu não o beberei?” (João 18:11). Prestes a derramar sua terrível raiva sobre ele, a serpente feriria o calcanhar, mas ele olha acima e além deles.
Caro leitor, não importa quão amargo seja o conteúdo do seu cálice (infinitamente menor do que o que o Salvador sorveu), aceitemos o cálice como sendo da mão do Pai. Em alguns estados de espírito, somos capazes de questionar a sabedoria e o direito de Deus em nos provar. Muitas vezes nós murmuramos em Suas dispensações. Por que Deus deveria colocar uma carga tão intolerável sobre mim? Por que outros deveriam ser poupados de seus entes queridos, e os meus são poupados? Por que a saúde e a força, talvez o dom da visão, deveriam ser negados? A primeira resposta a todas essas perguntas é: “Ó homem, quem és u que a Deus replicas?”! É uma insubordinação perversa para qualquer criatura questionar as relações do grande Criador. “Porventura a coisa formada dirá ao que a formou: Por que me fizeste assim?” (Romanos 9:20). Quão seriamente cada um de nós precisa clamar a Deus, para que Sua graça possa silenciar nossos lábios rebeldes e ainda a tempestade em nossos corações desesperadamente perversos! Mas, para a alma humilde que se curva em submissão diante das dispensações soberanas do Deus todo-sábio, as Escrituras fornecem alguma luz sobre o problema. Esta luz pode não satisfazer a razão, mas trará conforto e força quando recebida em fé e simplicidade infantis. Em 1 Pedro 1: 6 nós lemos: "Em que (na salvação de Deus) você se regozija muito, embora agora por um tempo, se necessário, você está com o peso através das tentações múltiplas (ou provações), para que a prova da vossa fé, sendo muito mais preciosa do que o ouro que perece, embora seja provada com fogo, seja achada em louvor, honra e glória no aparecimento de Jesus Cristo.” Aqui. Primeiro, há uma necessidade para a prova da fé. Já que Deus diz isso, vamos aceitar isso. Segundo, esta provação da fé é preciosa, muito mais do que a de ouro. É preciosa para Deus (cf. Salmos 116: 15) e ainda assim será para nós. Em terceiro lugar, a presente provação tem em vista o futuro. Onde a provaçã0 foi humildemente suportada e corajosamente suportada, haverá uma grande recompensa no aparecimento de nosso Redentor. Mais uma vez, em 1 Pedro 4: 12,13 nos é dito: “Amados, não estranheis o fogo ardente que surge no meio de vós, destinado a provar-vos, como se alguma coisa extraordinária vos estivesse acontecendo; pelo contrário, alegrai-vos na medida em que sois coparticipantes dos sofrimentos de Cristo, para que também, na revelação de sua glória, vos alegreis exultando.” Os mesmos pensamentos são expressos. aqui como na passagem anterior. Há necessidade de nossas “provações” e, portanto, devemos considerá-las não estranhas - devemos esperá-las. E também há novamente a perspectiva abençoada de ser ricamente recompensada no retorno de Cristo. Depois, há a palavra acrescentada de que não apenas devemos enfrentar essas provações com firmeza de fé, mas devemos nos alegrar nelas, visto que nos é permitido ter comunhão nos “sofrimentos de Cristo”. Ele também sofreu: é suficiente então, para o discípulo ser como seu Mestre. "Quando ele me provou." Caro leitor cristão, não há exceções. Deus tinha apenas um Filho sem pecado, mas nunca um sem tristeza. Mais cedo ou mais tarde, de uma forma ou de outra, a provação será dolorosa e pesada. “E enviamos nosso irmão Timóteo, ministro de Deus no evangelho de Cristo, para, em benefício da vossa fé, confirmar-vos e exortar-vos, a fim de que ninguém se inquiete com estas tribulações. Porque vós mesmos sabeis que estamos designados para isto;” (1 Tessalonicenses 3: 2-3). E novamente está escrito: “Devemos, através de muita tribulação, entrar no reino de Deus” (Atos 14:22). Abrão foi “provado”, tentado severamente. Assim também foram José, Jacó, Moisés, Davi, Daniel, os Apóstolos, etc.
3. A QUESTÃO FINAL. “Sairia como o ouro.” Observe o tempo aqui. Jó não imaginava que ele já era ouro puro. "Eu sairia como ouro", declarou ele. Ele sabia muito bem que ainda havia muita escória nele. Ele não se gabava de que ele já era perfeito. Longe disso. No capítulo final de seu livro, encontramos ele dizendo: "Eu me abomino" (42: 6). E bem, ele podia, e bem podemos nós. Quando descobrimos que em nossa carne não existe “coisa alguma boa”, ao examinarmos a nós mesmos e a nossos caminhos à luz da Palavra de Deus e contemplar nossos inumeráveis fracassos, quando pensamos em nossos incontáveis pecados, tanto de omissão quanto de comissão, boa razão temos por nos odiarmos. Ah, leitor cristão, há muita escória sobre nós. Mas nunca será assim. "Eu sairia como o ouro." Jó não disse: "Quando ele me provou, eu posso sair como o ouro", ou "eu espero que venha a ser como o ouro", mas com plena confiança e certeza positiva, declarou: Eu sairia como o ouro. ”Mas como ele sabia disso? Como podemos ter certeza da questão feliz? Porque o propósito Divino não pode falhar. Aquele que começou uma boa obra em nós “terminará” (Filipenses 1: 6). Como podemos ter certeza da questão feliz? Porque a promessa Divina é certa: “O Senhor aperfeiçoará aquilo que me diz respeito” (Salmo 138: 8). Então, tenha bom ânimo, tente e se esforce. O processo pode ser desagradável e doloroso, mas a questão é encantadora e segura. "Eu sairia como o ouro." Isso foi dito por alguém que conhecia aflição e tristeza como poucos dentre os filhos dos homens os conheciam. No entanto, apesar de suas provas de fogo, ele estava otimista. Deixe então esta linguagem triunfante ser nossa. "Eu sairia como o ouro" não é a linguagem da ostentação carnal, mas a confiança de alguém cuja mente permaneceu em Deus. Não haverá crédito para nossa conta - a glória pertencerá ao Refinador Divino (Tiago 1:12). Para o presente, restam duas coisas: primeiro, o Amor é o termômetro Divino enquanto estamos no crisol do teste - “ E ele se assentará (a paciência da graça divina) como um refinador e purificador de prata” etc. (Malaquias 3: 3). Segundo, o próprio Senhor está conosco na fornalha ardente, como estava com os três jovens hebreus. (Daniel 3:25). Para o futuro, isso é certo: a coisa mais maravilhosa no céu não será a rua de ouro ou as harpas de ouro, mas almas de ouro sobre as quais está estampada a imagem de Deus - "predestinado para ser conforme a imagem de seu Filho!" Deus o fará por uma perspectiva tão gloriosa, uma questão tão vitoriosa, um objetivo tão maravilhoso.

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login. Mais textos de SILVIO DUTRA:
A Adoração no Culto Público Autor(a):
A Aliança Eterna, o Suporte do Crente sob Aflição Autor(a):
Amor a Deus Autor(a):
Como Ir para o Céu Autor(a):
Confessar e se Arrepender em vez de se Endurecer Autor(a):
Conforto para os Cristãos – Parte 1 Autor(a):
Conforto para os Cristãos – Parte 2 Autor(a):
Conforto para os Cristãos – Parte 3 Autor(a):
Conforto para os Cristãos – Parte 4 Autor(a):
Deus nos Ordena Sermos Santos Porque Ele é Santo Autor(a):
Domínio do Pecado ou da Graça Autor(a):
Há Alguma Coisa Difícil Demais para o Senhor? – P 1 Autor(a):
Há Alguma Coisa Difícil Demais para o Senhor? – P 2 Autor(a):
Hebreus 1 - Versos 10 a 12 – P1 Autor(a):
Hebreus 1 - Versos 10 a 12 – P2 Autor(a):
Hebreus 1 - Versos 8 e 9 – P1 Autor(a):
Hebreus 1 - Versos 8 e 9 – P2 Autor(a):
Hebreus 1 – Versículos 1 e 2 Autor(a):
Hebreus 2 - Verso 1 – P1 Autor(a):
Hebreus 2 - Verso 1 – P2 Autor(a):
Hebreus 2 - Versos 2 a 4 – P1 Autor(a):
Hebreus 2 - Versos 2 a 4 – P2 Autor(a):
Hebreus 2 - Versos 2 a 4 – P3 Autor(a):
Hebreus 2 - Versos 2 a 4 – P4 Autor(a):
Hebreus 2 - Versos 5 a 9 – P1 Autor(a):
Hebreus 2 - Versos 5 a 9 – P2 Autor(a):
Hebreus 2 - Versos 5 a 9 – P3 Autor(a):
Início, Meio, Fim e Recomeço – Parte 1 Autor(a):
Início, Meio, Fim e Recomeço – Parte 2 Autor(a):
John Owen - Hebreus 1 - Versos 4 e 5 – P1 Autor(a):