Total Visualizações: 25747
Texto mais lido:
A CIDADE POSSÍVEL - Total: 288

Amigos Recentes

492 MARIA HILDA DE J. ALÃO1121 THALYA SANTOS622 EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO3 JÚLIO CÉSAR DE ALMEIDA VIDAL1 CLÁUDIO JOAQUIM DOS SANTOS BRAGA2 ANA PAULA SANTOS74 ANA CLAUDIA SANTOS DE LIMA BRAGA
Meus amigos...
Efuturo: Banner inicial para personalizar. 324 Todos os textos de: PAULO FONTENELLE DE ARAUJO
Busca Geral:
     
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!

 
Imprimir Texto
Total Votos: 0
Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

PLATAFORMAS SUTIS


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

“Cuidado com o vão entre o trem
e a plataforma” – dizem as grávidas
que podem sonhar em vão.
Mas é o vão entre o trem e a plataforma,
que estudam os físicos.
Eles descobriram
a gravidade,
os “buracos negros” do céu,
onde nem a luz escapa,
mas não conhecem
o tamanho da ansiedade humana,
que surge quando a porta do trem se abre,
quando diante do rombo,
há uma lacuna exposta na questão:
“A porta do trem abriu-se,
como seguir a vida?”.

Como seguir a vida,
caro passageiro?
Se tu não tens a resposta
continue no vagão,
indo e vindo,
da primeira à última estação.
Como seguir a vida,
se o vão da ansiedade te afeta
quando as portas se abrem?
Ah, basta saber:
esse vão afeta os físicos
dos buracos negros;
os amantes
que cantam tão abertos
no coro da igreja local;
os tísicos
que estão sem luz nos pulmões,
mas não te afetará
porque ao abrirem as portas,
você compreenderá o fluxo.

Não ter tempo para dilemas
evita os transtornos,
e aceita os contornos dentro dos trens.


do livro: As sondas amam

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login.
Total de visualização: 25
[ 30 ] Texto
Votos Poesia Leitura Publicação
0 PLATAFORMAS SUTIS 25 11/02/2020
0 PEÇAS DA NULIDADE 54 25/01/2020
0 AS GUITARRAS 57 10/01/2020
0 AS SONDAS AMAM 45 03/01/2020
0 O PEDINTE AMANTE 48 25/12/2019
0 NÃO HÁ SOBRAS 55 17/12/2019
0 AS COMPROVAÇÕES 59 11/12/2019
0 GERAÇÃO XIS 57 04/12/2019
0 MUITAS TROCAS 43 02/12/2019
0 A CEGONHA 91 21/11/2019
0 CHUVA PRECÁRIA 70 11/11/2019
0 O GOL DE PELÉ 61 02/11/2019
0 AMOR ATO DEZOITO 96 26/10/2019
0 MIL PERDÕES 81 16/10/2019
0 VALAS ESCAVADAS 73 08/10/2019
0 UM NOVO POEMA 85 03/10/2019
0 VIAGENS PELO MUNDO 58 01/10/2019
0 RESÍDUOS SÓLIDOS 72 27/09/2019
0 IDAS E VINDAS 78 20/09/2019
0 EXPOSIÇÕES 88 10/09/2019
0 AMOR ATO VINTE E UM 103 08/09/2019
0 PONTE RIO-NITERÓI 110 20/08/2019
0 FAMÍLIAS RENASCIDAS 78 16/08/2019
0 PEIXES E VERSOS 81 12/08/2019
0 A FORÇA DO CIÚME 128 12/08/2019
0 O QUE GANHAM AS ROSAS? 97 06/08/2019
0 VONTADE SEM SOBRAS 101 01/08/2019
0 FLORES LIGEIRAS 92 24/07/2019
0 SAUDADE ATO VINTE 81 19/07/2019
0 UM PROFESSOR DE LITERATURA 104 11/07/2019