Total Visualizações: 441
Texto mais lido:
O governante - Total: 109

Amigos Recentes

597 ADEMYR OLÍVIO BORTOT1 CLÁUDIO JOAQUIM DOS SANTOS BRAGA2 ANA PAULA SANTOS
Meus amigos...
Foto de Capa Efuturo FERNANDO DANIEL 2733
Todos os textos de: FERNANDO DANIEL FRANCO DE CAMARGO
Busca Geral:
     
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!

 
Imprimir Texto
Total Votos: 0
Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

Maldita tempestade


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

Choveu tanto, mas tanto, que a roupa amanheceu molhada no varal. Tinha sido uma tempestade nunca antes vista; com vendavais capazes de arrastar pequenas cadeiras de quintais, e derrubar grandes árvores. O chão de terra batida havia se transformado em lama, tudo estava sujo. Geladeiras, mesmo colocadas no alto estavam cheias d’água, água suja que não podia ser reaproveitada.
A enchente assustou a todos. Sempre chovia nessa época na cidade, mas com essas proporções era a primeira vez. As ruas estavam impregnadas de lodo, pessoas corriam tentando salvar o que fosse possível. Tinha gente carregando fogões, geladeiras, roupas; tinha gente carregando gente e gente empenhando-se para sobreviver em meio a tanto caos.
Como eram tristes e desoladores estes cenários. Onde só se enxergava destruição e não se vê nem um pingo de esperança. Mangueiras eram esticas e torneiras foram abertas. Jatos de água limpa, porém, fraca, eram jogados nas calçadas. Moradores esfregavam suas vassouras gastas na expectativa de que aquilo ficasse como antes, mais digno.
Então o céu começou a escurecer outra vez, e um raio riscou o céu. A correria foi grande. As pessoas corriam para salvar o pouco que ainda restava, mas quando o aguaceiro começou nada mais adiantava. E foram lágrimas misturadas com chuva, desespero e gritos misturados com o barulho dos raios e tristeza, mas muita tristeza ao ver que tudo que fora conquistada a custa de muito esforço estava sendo levado pelas águas. E quando o morro veio abaixo e casas foram soterradas a dor foi maior; três crianças, uma com dois anos, outra com cinco e mais uma com sete estavam debaixo da lama, sem vida e sem sorte. Pobre gente, pobre vida, maldita tempestade.

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login.
Total de visualização: 55
[ 5 ] Texto
Votos Poesia Leitura Publicação
0 Maldita tempestade 55 23/07/2019
0 O governante 109 29/03/2019
0 Os anjos 87 28/03/2019
0 Desejo de vingança 92 27/03/2019
0 A Promessa 98 26/03/2019