Total Visualizações: 60450
Texto mais lido:
BAILARINA - Total: 314

Amigos Recentes

1121 THALYA SANTOS622 EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO385 ANDRADE JORGE477 ADEMYR BORTOT587 RODRIGO GIOVANI BORCHARDT284 MARLI  FIORENTIN3 JÚLIO CÉSAR DE ALMEIDA VIDAL444 DRILLY MANFRE
Meus amigos...
Efuturo: Banner inicial para personalizar. 190 Todos os textos de: DIRCEU DETROZ
Busca Geral:
     
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!

 
Imprimir Texto
Total Votos: 0
Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

MUITO ALÉM DO MEL


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

As abelhas nos remetem a dois tipos de sensação. Doçura, quando saboreamos o mel fabricado nas suas colmeias. Dolorida, quando ela enfia seu ferrão em qualquer parte do nosso corpo. Entre o doce e o dolorido existe ainda outra certeza. Não iremos querer viver num mundo sem abelhas.

Se alguém acha que não corremos este perigo está enganado. Estamos vivendo a era do que se chamou “Síndrome do Colapso das Abelhas”. São três as causas principais. Na primeira, as abelhas se igualam aos humanos. Elas também morrem de causas naturais. As outras duas nos colocam como seus assassinos.

Predadores que somos, estamos destruindo o ambiente no qual as abelhas vivem. Não contentes, passamos a produzir alimentos com o uso indiscriminado de agrotóxicos e agroquímicos. Desde julho de 2018, sete espécies de abelhas foram colocadas na lista das que correm risco eminente de extinção.

Estudos indicam que esses venenos agem no sistema nervoso das abelhas interferindo diretamente na sua memória e orientação. Ao entrar em contato com eles, as abelhas não conseguem retornar para suas colmeias e acabam morrendo. Como exemplo, no Reino Unido o número de abelhas já é apenas 25% do necessário para a polinização.

Um mundo onde as abelhas fossem extintas fatalmente estaria destinado ao colapso. Não seria a lenda do apocalipse bíblico. Este de fato aconteceria. E acreditem, seria muito pior do que uma ferroada daquelas bem dolorosas. Sem as abelhas, a extinção da raça humana se daria com uma rapidez surpreendente. Com o apocalipse em andamento, sentiremos o sumiço delas também no nosso bolso.

As abelhas são responsáveis pela polinização de 90% dos vegetais e frutas. Nas amêndoas é 100%. Pensem ir aos mercados e não encontrar cenouras, brócolis, couve-flor, cebola, maça, abacate... E a que preço quando encontrar.

Outra coisa sabida é que 70% dos alimentos humanos depende da polinização. As áreas verdes do planeta dependem 85% da polinização Não esperem que os pássaros e outros insetos responsáveis pelos restantes 10% da polinização conseguirão nos salvar.

O Brasil também está incluído no contexto da extinção das abelhas. Aqui a diminuição das abelhas começou a ser sentida nos últimos cinco anos. Na região Sul já está afetado a produção de maracujá que necessita de abelhas “Mamangavas” para a polinização.

Albert Einstein famoso pela Teoria da Relatividade, deixou um alerta preocupante quando disse: “Se as abelhas desaparecerem da face da Terra a humanidade terá apenas mais quatro anos de existência”. Muito além do mel, os humanos dependem das suas fabricantes para continuarem existindo.

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login.
Total de visualização: 12
[ 30 ] Texto
Votos Poesia Leitura Publicação
0 MUITO ALÉM DO MEL 12 18/02/2019
0 GANGORRA 10 16/02/2019
0 A VARIÁVEL ESQUECIDA 55 11/02/2019
0 A INFÂNCIA DOS LIVROS 52 07/02/2019
0 O EPITÁFIO DA ESCRITA MANUAL 30 07/02/2019
0 A UTOPIA CÓSMICA 33 07/02/2019
0 O HIPNOTISMO DAS IDEOLOGIAS 58 04/02/2019
0 NO UNIVERSO TUDO É ONTEM 100 28/01/2019
0 LEGENDA 50 27/01/2019
1 FONTE DE AMOR 71 25/01/2019
0 UM JUÍZO FINAL 91 21/01/2019
0 ESTIBORDO 72 17/01/2019
0 AINDA É ELA 77 14/01/2019
0 ESCOLHA 80 06/01/2019
0 JARDINS 89 01/01/2019
0 HERANÇA NEGREIRA 85 26/12/2018
2 CIRANDAS 78 22/12/2018
0 SURREAL 65 22/12/2018
0 EM MODO EXTINÇÃO 86 17/12/2018
0 DESRESPEITANDO OS MACACOS (Crônica de 2007) 75 15/12/2018
0 ALICE OU FLORBELA (Crônica escrita em setembro de 2012) 70 14/12/2018
0 CAÇADORES DE TRAGÉDIAS 97 10/12/2018
0 PSICOSES 79 07/12/2018
0 MANJARES E DELEITES 73 06/12/2018
0 À ESPREITA 103 04/12/2018
0 MEU HERÓI SETENTÃO 81 03/12/2018
0 ONDAS DO MAR 81 01/12/2018
0 LONGITUDES 89 28/11/2018
0 NOSSA POBRE EDUCAÇÃO 90 26/11/2018
0 ATALHOS 81 24/11/2018