Total Visualizações: 4413
Texto mais lido:
ENCANTO - Total: 354

Amigos Recentes

622 EVANDRO JORGE DO ESPIRITO SANTO613 SEDNAN MOURA477 ADEMYR BORTOT587 RODRIGO GIOVANI BORCHARDT235 RAFAEL MATOS482 MARCOS DONIZETI DOS SANTOS449 BETO COSTA456 ELIEL ROSHVEDER
Meus amigos...
Foto de Capa Efuturo LUNA DI 394
Todos os textos de: LUNA DI PRIMO
Busca Geral:
     
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!

 
Imprimir Texto
Total Votos: 0
Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

UM ROSTO NA JANELA


*** Faça o seu Login e envie esse texto por email ***

Ele a olhava furtivamente. Aquele rosto, tão alheio à sua presença. Era assim, sempre assim. O carro deslizava suave, pela estrada tranquila, sem movimento. Era um momento triste, porém, mágico, quando ele se encantava mais com sua amada. Tinha a visão de um busto em fino talhe. Não precisava olhar para ver aquele rosto. Conhecia em cada detalhe, aquela tez clara e aveludada. O desenho da boca sensual impingindo ao desejo do beijo suave e prolongado. O nariz em estilo greco-romano. Aqueles olhos, ah, aqueles olhos, ele sempre dizia. Tinha o olhar tão misterioso e magnético que nunca conseguira decifrar a mensagem que vinha deles. O tempo nublado acentuava mais aquela angustiante e nostálgica distância. Sentiu um repentino desejo de tê-la para si. Como se tivesse recebido uma mensagem, daquele pensamento, ela deixa escapulir um profundo suspiro. Ele entende que o corpo de sua amada havia respondido àquele mudo desejo. Os seus corpos se comunicavam pela vontade de se pertencerem. Absorta em sua viagem mental, não percebeu o desvio do asfalto, para uma estrada de chão avermelhado e compacto. A mata fechada parecia saber da intenção do amor. Ela continuava no seu aparente alheamento e parecia que não, mas percebia a mudança de paisagem. Ficou extasiada com a visão exótica que surge à sua frente. O éden... Imaginou... Tanta beleza em meio àquela mata fechada, aquele espaço circulado por um paredão rochoso. De toda aquela extensão rochosa descia uma calma e cristalina água, na qual refletiam diamantes solares. A relva, circundada por aquele semicírculo aquoso, proporcionava uma estranha sensação. Flores nativas das mais variadas cores e perfumes. A mistura dos aromas confundia seus sentidos, deixando-a levemente inebriada. Era uma visão fantástica como que sobrenatural. De repente, lembra-se dele e o procura com os olhos. A imagem que surge à sua frente a faz arder de desejo. No desenho das pedras, a natureza esculpiu duas pequenas escadas, também em semicírculo. A água que descia pelos degraus corria da mesma forma para o lago. As escadas eram cobertas de minúsculas flores, como um papel parede natural. O tapete verde que cobria o espaço completava a visão paradisíaca. Sobre o tapete verde, outro havia sido colocado por ele. Tinha o vermelho do fogo. Ao imaginar o que viria a seguir, sente seu sexo arder, interrompendo sua respiração, por alguns milésimos de segundos. Vê que ele caminha em sua direção, outra vez seu corpo estremece. Ele se aproxima, abre a porta do carro e olhando fixamente em seus olhos,  a toma nos braços. Ela sente-se esmorecer e suavemente, com a cabeça em seu peito, se deixa levar. O fogo que a queimava lhe impedia qualquer resistência.
Ele a conduz envolto no desejo há tanto sufocado. Assim como ela, sente-se aéreo, como se o chão não registrasse seus passos. O cheiro que vinha da amada colaborava para seu desejo de possuí-la, naquele fascínio que sempre lhe acompanhou. Deita-a com o desvelo que se tem com a mais delicada flor. Ela sente-se afundar naquele macio e vermelho tapete de nuvens. Tudo parece flutuar... Inclusive seu corpo. 
Quando consegue abrir os olhos, ofuscados pela luz solar, vê-o, com as pernas circundando seu corpo, na altura das coxas. Podia sentir o calor que vinha dele, que a queimava mais. Com as mãos espalmadas no tapete, à altura de seus ombros, ele a olhava, como se olhasse algo, nunca visto naquela perfeição. Os olhares, cruzados, aumentavam o desejo, em ambos. Ela fixava aqueles olhos carregados de desejo, que aumentava o seu. Já não controlava o tremor dos lábios e ele vai descendo o rosto rumo ao seu e os seus lábios se encontram num longo, suave e ardente beijo.

 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login.
23/05/2018 09:44:20
LUNA: Assim, vou virar seu admirador literário. Temos definitivamente estilos absolutamente opostos. Meus trabalhos obrigatoriamente "devem" contar uma historia", isto porque não domino (como você) nosso idioma. Para garantir que leiam até o final uso essa tática, mas parabéns - amei - TITO CANCIAN
Comentado por: TITO CANCIANData Cadastro: 23/05/2018 09:44:20


Total de visualização: 197
[ 25 ] Texto
Votos Poesia Leitura Publicação
0 ENCANTO 354 10/06/2018
0 TRICOTE - como se faz 161 03/06/2018
0 TRICOTE 163 01/06/2018
0 O NONADIPRIMO PODE TER MOTE SEMPRE NOS DOIS PRIMEIROS VERSOS DE CADA ESTROFE- 160 25/05/2018
0 AMANHECE 143 23/05/2018
0 VIDA OUTONAL 147 23/05/2018
0 EU CONSEGUI 173 22/05/2018
0 UM ROSTO NA JANELA 197 19/04/2018
0 MINDIM - MULHER 195 18/04/2018
0 MINDIM - VIDA 144 18/04/2018
0 MINDIM - Alberto Santos Dumont 174 18/04/2018
0 MINDIM - CORTINA NEGRA 147 18/04/2018
0 MINDIM - POESIA 172 18/04/2018
0 MINDIM 2 131 18/04/2018
0 MINDIM 1 161 18/04/2018
0 MINDIM 133 18/04/2018
0 MISTURA DE SENTIMENTOS DENTRO DA NATURAL MORTE 158 17/04/2018
0 A ESPERA 128 17/04/2018
0 ASSIM SE FAZ O NONADIPRIMO 187 14/04/2018
0 O NONADIPRIMO PODE TER MOTE SEMPRE NOS DOIS PRIMEIROS VERSOS DE CADA ESTROFE 157 09/04/2018
0 NONADIPRIMO PODE SER COMPOSTO EM QUANTOS VERSOS DITAR A INSPIRAÇÃO 177 08/04/2018
0 MADRIGAL AO AMIGO 160 06/04/2018
2 FILHA DA LUA 257 02/04/2018
1 DE DEUSA À DEMÔNIA 237 01/04/2018
1 NONADIPRIMO 197 20/03/2018