SILVIO DUTRA

 -  - SILVIO DUTRA
Total Visualizações: 552
Texto mais lido:
John Owen - Hebreus 1 – Verso 3 – P4 - Total: 39
Educares são nossos pontos, nossa pontuação! Educares: 182
10 Autores mais recentes...
VERA SALVIANO
SANDRA TAÍS AMORIM DA CUNHA
GURU EVALD
ROBERT THOMAZ
MOISÉS ANTÓNIO
MAGO JAM
DURVALINA CASTOLDI
GILMAR GROSSINI
DEJANILDA DOS SANTOS BARBOSA MARQUEZINO
TATIANA ROZARIO
10 Autores mais lidos...
613 SEDNAN MOURA
SEDNAN MOURA
Total: 133182
272 PEDRO VONO
PEDRO VONO
Total: 100181
285 ALEXANDRE BRUSSOLO
ALEXANDRE BRUSSOLO
Total: 60063
247 VANESSA  SOARES
VANESSA SOARES
Total: 7568
189 LADISLAU FLORIANO
LADISLAU FLORIANO
Total: 7432
375 WILLIAM PEREIRA DE MENDONÇA
WILLIAM PEREIRA DE MENDONÇA
Total: 6677
190 DIRCEU DETROZ
DIRCEU DETROZ
Total: 6483
385 ANDRADE JORGE
ANDRADE JORGE
Total: 4805
192 ALCINA MARIA SILVA AZEVEDO
ALCINA MARIA SILVA AZEVEDO
Total: 4450
196 SUZETTE RIZZO
SUZETTE RIZZO
Total: 3720
Sala de Leitura
Busca Geral:
Nome/login (Autor)
Título
Texto TituloTexto



Total de visualização: 4
Textos & Poesias
Imprimir

Total Votos: 0
DICA: Utilize o botão COMPARTILHAR (do facebook em azul) ou o LINK CURTO que disponibilizamos logo abaixo desse botão para compartilhar seu TALENTO nas Redes Sociais, compartilhando com mais fãs e leitores de toda parte do Mundo Virtual. Esse recurso foi desenvolvido para ajudar na divulgação de seus textos. USE SEMPRE QUE DESEJAR!
  Anote esse link curto de seu texto e divulgue nas redes sociais.

Hebreus 2 - Versos 2 a 4 – P2

John Owen (1616-1683)
Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

As observações para nossa própria instrução que esses versículos nos oferecem são as seguintes: I. Os motivos para uma valorização do evangelho e perseverança na profissão dele, tirados das penalidades anexadas à negligência, são evangélicos e de uso singular na pregação da palavra: “Como escaparemos, se nós negligenciamos?” Esta consideração é aqui administrada pelo apóstolo, e que quando ele tinha estabelecido a glória de Cristo, e a grandeza da salvação oferecida no evangelho, da maneira mais persuasiva e atraente. Alguns imaginam que todas as ameaças pertencem à lei, como se Jesus Cristo tivesse deixado a si mesmo e seu evangelho para ser seguramente desprezado pelos pecadores profanos e impenitentes; mas como eles encontrarão o contrário de sua eterna ruína, assim é a vontade de Cristo que os deixemos conhecê-los e, assim, advertir os outros a prestar atenção aos seus pecados e suas pragas. Agora, esses motivos de cominações e ameaças eu chamo de evangélicos, 1. Porque eles estão registrados no evangelho. Ali somos ensinados a eles, e mandados a fazer uso deles, Mateus 10:28, 24:50, 51, 25:41, Marcos 16:16, João 3:36, 2 Coríntios 2: 15,16, Tessalonicenses. 1: 8, 9 e em outros lugares inumeráveis. E para este fim eles são registrados, para que possam ser pregados e declarados como parte do evangelho. E se os dispensadores da palavra insistirem neles, eles lidam com as almas dos homens de maneira enganosa, e se retêm do conselho de Deus. E como tais pessoas se encontrarão tendo um ministério fraco e enfadonho aqui, assim também eles terão uma triste prestação de conta de sua parcialidade na palavra para dar a seguir. Que os homens não se considerem mais evangélicos do que o autor do evangelho, mais habilidosos no mistério da conversão e edificação das almas dos homens do que os apóstolos; em uma palavra, mais sábios que o próprio Deus; o que eles devem fazer se negligenciarem essa parte de sua ordenança. 2. Porque eles se tornam o evangelho. É para atender o evangelho que deve ser armado com ameaças, bem como atendido com promessas; e que, - (1.) Da parte do próprio Cristo, o autor dele. No entanto, o mundo perseguiu e desprezou-o enquanto ele estava na terra, e ele "não o ameaçou", 1 Pedro 2:23, por conta própria, no entanto eles continuaram a desprezar e blasfemar seus caminhos e salvação, sabendo que ele está armado com poder para vingar sua desobediência. E é de sua honra tê-lo declarado. Um cetro num reino sem espada, uma coroa sem cetro de ferro, será rapidamente pisoteado. Ambos são, portanto, entregues nas mãos de Cristo, para que a glória e a honra de seu domínio sejam conhecidas, Salmos 2: 9-12. (2) Eles se tornam o evangelho da parte dos pecadores, sim, de todos a quem o evangelho é pregado. E estes são de dois tipos: - [1.] Incrédulos, hipócritas, apóstatas, negligentes impenitentes da grande salvação declarada nele. É neste sentido que a dispensação do evangelho é assistida com ameaças e cominações de castigo; e isso, - 1º. Para guardá-los aqui em temor e tremor, para que eles não possam corajosamente e abertamente desprezar a Cristo. Estas são as suas flechas que estão afiadas no coração de seus adversários, por meio das quais ele os espanta, e no meio de todo o seu orgulho os faz tremer às vezes em sua condição futura. Cristo nunca os sofre por estarem tão seguros, mas que seus terrores nessas ameaças os visitam sempre e anonimamente. E assim também ele os mantém dentro de alguns limites, refreia sua fúria e subjuga muitos deles a alguma utilidade no mundo, com muitos outros fins abençoados que não devem ser insistidos agora. 2º. Que eles podem ser deixados indesculpáveis, e o Senhor Jesus Cristo seja justificado em seus procedimentos contra eles no último dia. Se eles ficassem surpresos com “ardente indignação” e “chamas eternas” no último dia, como poderiam alegar que, se tivessem sido advertidos sobre essas coisas, teriam se esforçado para fugir da “ira vindoura”; que eles possam ser contra a sua justiça na terrível grandeza de sua destruição! Mas agora, tomando ordem para ter a penalidade de sua desobediência nas ameaças do evangelho declarado a eles, eles são deixados sem desculpa, e ele mesmo é glorificado em tomar vingança. Ele lhes disse de antemão claramente o que devem procurar, Hebreus 10: 26,27. [2] Eles são assim da parte dos próprios crentes. Mesmo eles precisam ser cuidadosos com “o terror do Senhor”, e que coisa terrível é “cair nas mãos do Deus vivo”, e que “nosso Deus é um fogo consumidor”. - 1º. Para manter em seus corações uma reverência constante da majestade de Jesus Cristo, com quem eles têm que lidar. A sanção ameaçadora do evangelho indica a grandeza, a santidade e o terror de seu autor, e se insinua nos corações dos pensamentos dos crentes, convertendo-os. Isso lhes permite saber que ele será “santificado em todos os que se aproximam dele”, e assim pede a eles uma devida preparação reverencial para o desempenho de sua adoração, e para todos os deveres em que andam diante dele, Hebreus 12: 28,29. Isso também os influencia para uma grande diligência em cada dever específico que lhes incumbe, como o apóstolo declara, 1 Coríntios 5:11. 2º. Eles tendem ao seu consolo e apoio sob todas as suas aflições e sofrimentos pelo evangelho. Isso alivia os corações deles em todas as suas tristezas, quando eles consideram a dolorosa vingança que o Senhor Jesus Cristo um dia incutirá em todos os seus teimosos adversários, que não conhecem a Deus, nem obedecerão ao evangelho, 2 Tessalonicenses 1: 5-10; pois o Senhor Jesus não é menos fiel em suas ameaças do que em suas promessas, e não menos capaz de infligir um do que realizar o outro. E ele é "glorioso" para eles: Isaías 63: 11-13. 3º. Eles lhes dão constante assunto de louvor e gratidão, quando veem neles, como em um espelho que não lisonjeiam nem causam apatia terrivelmente, uma representação daquela ira da qual são libertos por Jesus Cristo, 1 Tessalonicenses 1:10: pois em sendo assim, toda ameaça do evangelho proclama a graça de Cristo às suas almas; e quando as ouvem explicadas em todo o seu terror, podem se regozijar na esperança da glória que será revelada. E - em quarto lugar. Elas são necessárias a eles para gerarem o temor que pode dar rosto ao restante de suas concupiscências e corrupções, com a segurança carnal e a negligência em atender ao evangelho que, por seus meios, pode crescer sobre eles. Para este propósito é a punição de desprezadores e apóstatas aqui usada e encorajada por nosso apóstolo. Os corações dos crentes são como jardins, onde não há apenas flores, mas também ervas daninhas; e como o primeiro deve ser regado e valorizado, o último deve ser contido. Se nada além de orvalho e chuvas de promessas caírem sobre o coração, embora pareçam tender para o valor de suas graças, ainda assim as ervas daninhas da corrupção serão capazes de crescer com elas, e no fim de estrangulá-las, a menos que sejam criticados e alertados pela gravidade das ameaças. E embora suas pessoas, no uso de meios, sejam asseguradas de cair sob a execução final de cominações, ainda assim eles sabem que existe uma conexão infalível neles significada entre pecado e destruição, 1 Coríntios 6: 9, e que eles devem evitar um, se eles devem escapar do outro. 5º. Por isso, têm prontidão para equilibrar as divindades, especialmente aquelas que acompanham os sofrimentos de Cristo e do evangelho. Grandes raciocínios estão aptos a se elevar nos corações dos próprios crentes em tal época, e eles são influenciados por suas enfermidades para cuidar deles. A liberdade seria poupada, a vida seria poupada; é difícil sofrer e morrer. Quantos foram traídos por seus medos em tal época para abandonar o Senhor Jesus Cristo e o evangelho! Mas agora, nessas ameaças evangélicas, temos uma prontidão à qual podemos nos opor a todos esses raciocínios e à eficácia deles. Temos medo de um homem que morra? Não temos muito mais motivos para ter medo do Deus vivo? Devemos nós, para evitar a ira de um verme, nos lançar em sua ira que é um fogo consumidor? Devemos nós, para evitar um pequeno problema momentâneo, preservar uma vida que perece, que uma doença pode levar no dia seguinte, e correr para a eterna ruína? O homem me ameaça se eu não abandonar o evangelho; mas Deus me ameaça se eu fizer. O homem ameaça com a morte temporal, que, no entanto, pode ser que ele não tenha poder para infligir; Deus ameaça com a morte eterna, que nenhum ninguém tem poder para evitar. Nestes e relatos similares são ameaças e advertências úteis aos próprios crentes. (3.) Essas declarações de castigo eterno para os negligentes do evangelho tornam-se o evangelho com respeito àqueles que são os pregadores e dispensadores dele, para que sua mensagem não seja menosprezada nem suas pessoas menosprezadas. Deus teria que eles estivessem em prontidão para vingar a desobediência dos homens, 2 Coríntios 10: 6; não com armas carnais, matando e destruindo os corpos dos homens, mas por tal denúncia da vingança que se seguirá à sua desobediência, como indubitavelmente se apoderará deles e terminará em sua ruína eterna. Assim estão armados para a guerra em que pelo Senhor Jesus Cristo estão empenhados, para que nenhum homem seja encorajado a desprezá-los ou a enfrentá-los. Eles estão autorizados a denunciar a eterna ira de Deus contra os pecadores desobedientes; e a quem quer que liguem sob a sentença na terra, eles estão ligados no céu até o juízo do grande dia. Nessas bases, dizemos que as ameaças e as denúncias de futuras punições para todos os tipos de pessoas estão se tornando o evangelho; e, portanto, o uso deles como motivos para os fins para os quais são designados é evangélico. E isso aparecerá se ainda considerarmos: 1. Que as ameaças de penalidades futuras aos desobedientes são muito mais claras e expressas no evangelho do que na lei. A maldição, de fato, foi ameaçada e denunciada sob a lei, e uma promessa e instância de sua execução foram dadas nas punições temporais que foram infligidas aos transgressores dela; mas no evangelho a natureza dessa maldição é explicada, e o que ela consiste é manifestado. Pois, como a vida eterna foi prometida apenas obscuramente no Antigo Testamento, embora prometida, a morte eterna sob a maldição e a ira de Deus só foi obscuramente ameaçada, embora ameaçada. E, portanto, como a vida e a imortalidade foram trazidas à luz pelo evangelho, a morte e o inferno, a punição do pecado sob a ira de Deus, são mais plenamente declarados. A natureza do julgamento por vir, a duração das penalidades a serem infligidas nos incrédulos, com as insinuações da natureza e do tipo deles, como nossos entendimentos são capazes de receber, são plena e frequentemente insistidos no Novo Testamento, ao passo que eles são muito obscuramente somente reunidos nos escritos do Velho. 2. A punição ameaçada no evangelho é, em graus, maior e mais dolorida do que a que foi anexada à mera transgressão da primeira aliança. Por isso, o apóstolo chama isso de “morte para a morte”, 2 Coríntios 2:16, em razão do doloroso agravamento que a primeira sentença de morte receberá da ira devida ao desprezo do evangelho. A separação de Deus sob o castigo eterno foi inquestionavelmente devida ao pecado de Adão; e assim, consequentemente, a toda transgressão contra a primeira aliança, Gênesis 2:17; Romanos 5: 12,17. Mas, no entanto, isso não impede, senão que a mesma penalidade, pela natureza e espécie dela, possa receber muitos e grandes agravos, quando os homens pecam contra aquele grande remédio provido contra a primeira culpa e prevaricação; o qual também será declarado posteriormente. E isto deve ser bem familiar àquele que é chamado à dispensação do evangelho. Um conceito afetuoso tem acontecido a alguns, que todas as denúncias de ira futura, até mesmo para incrédulos, são legalistas, as quais, portanto, não são para serem proferidas pelos pregadores do evangelho; - assim os homens se tornam mais sábios do que Jesus Cristo e todos os seus apóstolos, sim, eles desarmam o Senhor Jesus Cristo e o expõem ao desprezo de seus inimigos mais vis. Há também, vemos, um grande uso nessas ameaças evangélicas. para os próprios crentes. E foram observados como tendo um ministério efetivo, tanto para conversão quanto edificação, aqueles foram feitos sábios e hábeis em administrar as ameaças do evangelho para as consciências de seus ouvintes. E também aqueles que ouvem a palavra podem aprender seu dever, quando tais ameaças são trazidas e abertas a eles. Todas as punições anexadas à transgressão da lei ou do evangelho são efeitos da justiça vingativa de Deus, e consequentemente justas: “A recompensa do castigo”. O que o apóstolo não declara; mas ele faz com que seja justo, o que depende da justiça de Deus designar e projetar para isso. Homens fraudulentos sempre tiveram pensamentos tumultuados sobre os juízos de Deus. Alguns têm discutido com ele sobre a equidade e justiça de seus caminhos nos julgamentos temporais, Ezequiel 18, e alguns sobre aqueles que serão eternos. Por isso foi a imaginação vã dos antigos que sonhavam que um fim deveria ser posto, após algum tempo, na punição de demônios e homens iníquos; então transformando o inferno em uma espécie de purgatório. Outros têm contestado, em nossos dias, que não haverá inferno algum, mas uma mera aniquilação de homens ímpios no último dia. Estas coisas sendo tão expressamente contrárias à Escritura, não podem ter outra ascensão senão nas mentes e afeições corruptas dos homens, não concebendo as razões dos juízos de Deus, nem aquiescendo à sua soberania. Aquilo em que eles parecem ter tropeçado principalmente, é a atribuição de uma punição infinita quanto à sua duração, bem como em sua natureza estendida até a capacidade máxima do sujeito, para uma falha temporária, finita e transitória. Agora, para que possamos justificar Deus aqui, e mais claramente discernir que a punição infligida finalmente ao pecado é apenas “uma recompensa de castigo”, devemos considerar, - 1. Que a justiça de Deus constitua, e no final inflija, a recompensa do pecado, é essencial para ele. “Deus é injusto?”, Diz o apóstolo, em Romanos 3: 5. De fato, "raiva" ou "ira" não é de onde provém o castigo, mas o próprio castigo. Deus inflige ira, raiva ou vingança. E, portanto, quando lemos sobre a ira ou ira de Deus contra o pecado ou os pecadores, como Romanos 1:18, a expressão é metonímica, a causa sendo projetada pelo efeito. A verdadeira fonte e causa da punição do pecado é a justiça de Deus, que é uma propriedade essencial de sua natureza, natural para ele, e inseparável de qualquer de suas obras. E isto absolutamente é o mesmo com a sua santidade, ou a infinita pureza da sua natureza. Assim, Deus não atribui a punição do pecado arbitrariamente, como se ele pudesse fazê-lo ou não, sem qualquer impedimento de sua glória; mas a sua justiça e a sua santidade exigem indispensavelmente que seja punido, assim como é indispensavelmente necessário que Deus em todas as coisas seja justo e santo. “O Deus santo não fará iniquidade”; o Juiz de toda a terra fará o que é justo e de modo algum absolverá os culpados. Isto é dikaiwma tou Teou, "o julgamento de Deus", aquilo que a sua justiça requer, "que os que cometem pecado são dignos de morte", Romanos 1:32. E Deus não pode deixar de fazer o que é justo que ele faça. Veja 2 Tessalonicenses 1: 6. Não temos mais razão, então, para brigar com a punição do pecado do que temos para repelir que Deus é santo e justo, isto é, que ele é Deus; pois um naturalmente e necessariamente segue o outro. Agora, não há princípio de uma verdade mais incontrolável e soberana escrita nos corações de todos os homens do que isto, que aquilo que a natureza de Deus, ou qualquer de suas propriedades essenciais, requer que seja, seja santo, se encontre, equânime, justo, e bom. 2. Que esta justiça de Deus é, no exercício dela, inseparavelmente acompanhada de sabedoria infinita. Estas coisas não são diversas em Deus, mas distinguem-se com respeito às várias maneiras de suas ações, e a variedade dos objetos para os quais ele age, e assim denotam uma diferente condição da natureza divina, não diversas coisas em Deus. Eles são, portanto, inseparáveis em todas as obras de Deus. Agora, desta infinita sabedoria de Deus, que a sua justiça na constituição da punição do pecado é eternamente acompanhada, duas coisas resultam: (1) Que somente ele sabe qual é o verdadeiro deserto e demérito do pecado, e apenas de sua declaração de criaturas não qualquer. E como devemos julgar daquilo de que nada sabemos dele, senão somente pelo que ele faz? Vemos entre os homens que a culpa dos crimes é agravada de acordo com a dignidade das pessoas contra as quais eles estão comprometidos. Agora, nenhuma criatura que o conheça perfeitamente contra quem todo pecado é cometido, ninguém pode verdadeiramente e perfeitamente saber o que é o deserto e o demérito do pecado, senão por sua revelação, que é perfeitamente conhecido por si mesmo. E que loucura é julgar de outra forma o que nós não entendemos? Devemos nós julgar o que o pecado contra Deus merece? - vamos primeiro procurar descobrir o Todo Poderoso até a perfeição, e então podemos saber de nós mesmos o que é pecar contra ele. Além disso, não sabemos qual é a oposição que é feita pelo pecado à santidade, à natureza, ao próprio ser de Deus. Como não podemos conhecê-lo perfeitamente contra quem pecamos, também não sabemos perfeitamente o que fazemos quando pecamos. É a menor parte da malignidade e do veneno que existe no pecado que somos capazes de discernir. Não vemos a profundidade dessa malícia que tem para Deus; e somos capazes de julgar corretamente qual é o seu demérito? Mas todas estas coisas estão abertas e nuas diante daquela infinita sabedoria de Deus que acompanha a sua justiça em todas as suas obras. Ele conhece a si mesmo, contra quem o pecado é; ele conhece a condição do pecador; ele sabe que contrariedade e oposição há no pecado a si mesmo - em uma palavra, o que é para uma criatura finita, limitada e dependente, subjugar-se sob o governo e opor-se à autoridade e ser do santo Criador e Governante de todas as coisas; - tudo isso ele sabe absoluta e perfeitamente, e tão somente ele sabe o que o pecado merece. (2). Desta infinita sabedoria decorre a proporção dos vários graus na punição que será infligida ao pecado: pois, embora sua justiça exija que o castigo final de todo pecado seja uma separação eterna do pecador, do desfrute dele; e que, em um estado de ira e miséria, ainda por sua sabedoria, ele constituiu graus dessa ira, de acordo com a variedade de provocações que se encontram entre os pecadores. E por mais nada isso poderia ser feito. O que mais é capaz de olhar através da inconcebível variedade de circunstâncias agravantes, que é necessário para isso? Na maior parte, não sabemos o que é isso; e quando conhecemos alguma coisa de seu ser, quase nada sabemos da verdadeira natureza de seu demérito. E isso é outra coisa de onde podemos aprender que a punição divina do pecado é sempre “uma recompensa de castigo”. 3. No castigo final do pecado, não há mistura de misericórdia, - nada para aliviar ou tirar do extremo de seu deserto. Este mundo é o tempo e o lugar da misericórdia. Aqui Deus faz com que seu sol brilhe e sua chuva caia sobre o pior dos homens, enchendo seus corações com alimento e alegria. Aqui ele os tolera com muita paciência e longanimidade, fazendo-lhes bem numa variedade indescritível, e para muitos deles fazendo um concurso diário daquela misericórdia que poderia torná-los abençoados para a eternidade. Mas a temporada dessas coisas é passada no dia da recompensa. Os pecadores, então, não ouvirão nada a não ser: "Ide, malditos". Eles não terão o menor efeito de misericórdia demonstrado a eles por toda a eternidade. Eles então terão “juízo sem misericórdia a quem não mostrou misericórdia”. A graça, bondade, amor e misericórdia de Deus serão glorificados ao máximo em seus eleitos, sem a menor mistura de apaziguação de seu desagrado; e assim será a sua ira, severidade e justiça vingativa, naqueles que perecem, sem qualquer temperatura de compaixão ou piedade. Ele choverá sobre eles “fogo e enxofre”; esta será a sua porção para sempre. Não admira, pois, a grandeza ou duração dessa punição que esgotará toda a ira de Deus, sem a menor atenuação. (1.) E isso nos revelará a natureza do pecado, especialmente da incredulidade e da negligência do evangelho. Os homens agora estão aptos a ter pensamentos leves dessas coisas; mas quando os encontrarem vingados com toda a ira de Deus, mudarão de ideia. Que loucura é, fazer pouco caso de Cristo, para quem uma eternidade de punição é apenas “uma recompensa de castigo”! É bom, então, aprender a natureza do pecado e das ameaças de Deus, ao contrário do que das pressuposições comuns que passam entre pecadores seguros e que perecem. Considere o que a justiça, o que a santidade, o que a sabedoria de Deus determinou ser devido ao pecado, e então faça um julgamento da natureza dela, para que você não seja surpreendido com uma terrível surpresa quando todos os meios de alívio tiverem desaparecido e passado. Como também sabe que, (2.) Este mundo sozinho é o tempo e o lugar onde você deve procurar e buscar por misericórdia. Gritos não farão nada no último dia, não obterão a menor gota de água para resfriar a língua em seu tormento. Alguns homens, sem dúvida, têm reservas secretas de que as coisas não acontecerão no último dia, como por outras em que são dados a acreditar. Eles esperam encontrar um quadro melhor do que aquele do qual se fala - que Deus não será inexorável, como é pretendido. Se esses não fossem seus pensamentos interiores, não seria possível que eles negligenciassem a época da graça que foi concedida a eles. Mas, ai, como eles serão enganados! Deus é gracioso, misericordioso e cheio de compaixão; mas este mundo é o tempo em que ele os exercitará. Eles serão para sempre calados como incrédulos no último dia. Este é o tempo aceitável, este é o dia da salvação. Se isso for desprezado, se isso for negligenciado, não espere mais ouvir a misericórdia na eternidade.
III. Toda preocupação da lei e do evangelho, tanto quanto à sua natureza e promulgação, deve ser ponderada e considerada pelos crentes, para gerar em seus corações uma valorização correta e devida deles. Para este fim eles estão aqui tão distintamente propostos; como da lei, que foi “falada pelos anjos” e do evangelho, que é “grande salvação”, a palavra “falada pelo Senhor”, e confirmada com sinais e milagres: tudo o que o apóstolo quis que fizéssemos. Para pesar e distintamente considerar. Nosso interesse está neles e nosso bem é pretendido por eles. E para despertar nossa atenção para eles, podemos observar: 1. Que Deus nada faz em vão, nem fala coisa alguma em vão, especialmente nas coisas de sua lei e evangelho, nas quais as grandes preocupações de sua própria glória e as almas de homens estão envolvidas. E, portanto, nosso Salvador nos permite saber que há um valor no menor ápice e no mínimo da palavra, e que ela deve ter sua realização. Ela tem um fim, e esse fim será cumprido. Os judeus têm uma curiosidade tola na contagem de todas as letras da Escritura, mas ainda esta curiosidade deles, vã e desnecessária como é, vai condenar nossa negligência, se omitir uma investigação diligente em todas as coisas e circunstâncias que são de real importância. Deus tem um fim santo e sábio em tudo o que ele faz. Como nada pode ser acrescentado à sua palavra ou obra, nada pode ser tirado dela; é tudo perfeito. E isso em geral é o suficiente para nos estimular a uma diligente busca em todas as circunstâncias e adimplências tanto da lei quanto do evangelho, e do modo e da maneira pela qual ele teve o prazer de comunicá-los a nós. 2. Existe em todas as preocupações da lei e do evangelho uma mistura de sabedoria e graça divinas. Desta fonte todos eles procedem, e as águas vivas dela correm por todos eles. Os tempos, as ocasiões, os autores, os instrumentos, a maneira de sua entrega, foram todos ordenados pela “multiforme sabedoria de Deus”, que aparece especialmente na dispensação do evangelho, Efésios 3: 9,10. O apóstolo não coloca a sabedoria de Deus somente no mistério do evangelho, mas também na época de sua promulgação. “Estava escondido”, diz ele, “em Deus”, versículo 9 - isto é, no “propósito” de Deus, versículo 11, “o mistério que estivera oculto dos séculos e das gerações; agora, todavia, se manifestou aos seus santos.”, Colossenses 1: 26. E aqui vem a multiforme sabedoria de Deus. Fomos capazes de olhar para a profundidade de qualquer circunstância que diga respeito às instituições de Deus, devemos vê-lo cheio de sabedoria e graça; e a negligência de uma devida consideração tem Deus, por vezes, severamente vingado, Levítico 10: 1,2. 3. Existe em todos eles uma condescendência graciosa à nossa fraqueza. Deus sabe que precisamos de um alvo especial a ser colocado em cada um deles. Tal é nossa fraqueza, nossa lentidão em crer, que precisamos que a palavra seja para nós “linha sobre linha, e preceito sobre preceito; aqui um pouco e ali um pouco.” Como Deus disse a Moisés, Êxodo 4: 8, que se os filhos de Israel não crerem no primeiro sinal que creriam no segundo, assim será conosco; uma consideração da lei ou do evangelho muitas vezes se mostra ineficaz, quando outra subjuga o coração à obediência. E, portanto, Deus assim graciosamente condescendeu à nossa fraqueza em propor-nos as várias considerações mencionadas de sua lei e do evangelho, para que por alguns deles possa receber a adoração que lhe é devida, conforme revelado neles. Assim, 4. Eles tiveram suas várias influências e sucessos nas almas dos homens. Alguns foram forjados por uma consideração, alguns por outra. Em alguns, a santidade da lei, em outros, a maneira de sua administração, tem sido eficaz. Alguns fixaram seus corações principalmente na graça do evangelho; alguns na pessoa de seu autor. E as mesmas pessoas, em várias ocasiões, tiveram ajuda e assistência dessas diversas considerações de um e de outro. De modo que nestas coisas Deus nada faz em vão. Nada é em vão para os crentes: infinita sabedoria está em tudo, e glória infinita surgirá em tudo. E isso deve estimular-nos a uma pesquisa diligente na palavra, na qual Deus tem registrado tudo o que é concernente à sua lei e ao evangelho, que são para nosso uso e vantagem. Esse é o cofre em que todas essas joias são colocadas e dispostas de acordo com sua sabedoria e o conselho de sua vontade. Uma visão geral disso pouco satisfará e de modo algum enriquecerá nossas almas. Esta é a mina em que devemos cavar como para encontrar tesouros escondidos. Uma das principais razões pelas quais não cremos mais, é porque não obedecemos mais, porque não amamos mais, é porque não somos mais diligentes em buscar a palavra por motivos substanciais para todos eles. Uma pequena percepção da palavra é capaz de fazer os homens pensarem que veem o suficiente; mas a razão disso é porque eles não gostam do que veem: como os homens não gostam de olhar muito para uma loja de produtos, quando não gostam de nada que lhes seja inicialmente apresentado. Mas se, na verdade, encontrarmos doçura, benefício, lucro, vida, nas descobertas que nos são feitas na palavra sobre a lei e o evangelho, estaremos continuamente buscando um conhecimento deles. Pode ser que saibamos um pouco dessas coisas; mas como sabemos que não há alguma preocupação especial do evangelho, que Deus, em santa condescendência, designou para o nosso bem em particular, de que ainda não chegamos a um estado claro e conhecimento distinto dela? Aqui, se procuramos com toda a diligência, podemos encontrá-lo; e se formos mutilados em nossa fé e obediência durante todos os nossos dias, podemos agradecer a nossa própria indolência por isso. Mais uma vez, enquanto Deus propôs claramente essas coisas para nós, elas devem ter nossa consideração distinta. Devemos meditar distintamente sobre elas, para que assim em todas elas possamos admirar a sabedoria de Deus, e receber a influência efetiva de todos elas em nossas próprias almas. Assim, às vezes podemos conversar em nossos corações com o autor do evangelho, às vezes com a maneira de sua entrega, às vezes com a graça dele; e de cada uma dessas flores celestes, surgirá alimento e refrigério para nossas próprias almas. Oh, que pudéssemos cuidar de recolher esses fragmentos, para que nada se perdesse para nós, pois em si mesmos jamais pereceriam! O que significa que Deus se agrada em usar na revelação de sua vontade, ele lhe dá uma certeza, firmeza, segurança e evidência, nas quais nossa fé pode estar, e que não pode ser negligenciada sem o maior pecado: “A palavra falada é firme.” Toda palavra falada de Deus, por sua designação, é firme; e isso porque é falado por ele e por sua nomeação. E há duas coisas que pertencem a essa firmeza da palavra falada: 1. Que, em relação àqueles a quem é falada, é o fundamento da fé e da obediência, a razão formal delas e a última razão em que elas são resolvidas. 2. Que da parte de Deus, é uma base de justiça estável e suficiente para se vingar daqueles por quem é negligenciada. A punição dos transgressores é “uma recompensa de castigo”, porque a palavra falada para eles é “firme”. E esta última segue a primeira; porque, se a palavra não é um firme e estável fundamento para a fé e a obediência dos homens, eles não podem ser justamente punidos por negligenciá-la. Isso, portanto, deve ser brevemente explicado, e isso ocorrerá naturalmente como consequência disso. Deus, como vimos no primeiro verso desta epístola, por várias maneiras e meios, declarou e revelou sua mente aos homens. Essa declaração, o que significa ou instrumentos que ele tem o prazer de usar, é chamada sua Palavra; e isso porque originalmente é dele, procede dele, é entregue em seu nome e autoridade, revela sua mente e tende à sua glória. Assim, às vezes ele falava pelos anjos, usando seu ministério para entregar suas mensagens por palavras de um som exterior, ou por representação de coisas em visões e sonhos; e às vezes pela inspiração do Espírito Santo, capacitando-os a inspirar para dar a palavra que eles receberam pura e inteiramente, tudo permanecendo sua palavra ainda. Agora, que maneiras que Deus se agrada em usar na comunicação de sua mente e deseja aos homens por sua obediência, há essa firmeza na própria palavra, que a evidência é dele, como se fosse dever dos homens crerem. nela com fé divina e sobrenatural; e tem aquela estabilidade que nunca os enganará. É, digo eu, assim firme no testemunho de ser falada por Deus, e não tem necessidade da contribuição de qualquer força, autoridade ou testemunho de homens, igreja, tradição ou qualquer outra coisa que seja extrínseca a ela. Os testemunhos dados aqui na própria Escritura, que são muitos, com os fundamentos gerais e as razões destes, não insistirei aqui, e isso porque fiz em outro lugar. Mencionarei apenas aquela consideração que este texto do apóstolo sugere para nós, e que está contida em nossa segunda observação da palavra “firme”. Tome esta palavra como falada de Deus, sem a ajuda de quaisquer outras vantagens, e a Sua firmeza é o fundamento da vingança de Deus sobre aqueles que não a recebem, e que não a obedecem. Porque é a sua palavra, porque está vestida com a sua autoridade, se os homens acreditam que não devem perecer. Mas agora, se isto não for suficientemente evidenciado para eles, ou seja, que é a sua palavra, Deus não poderia apenas se vingar deles; pois ele deveria puni-los por não acreditar naquilo que eles não tinham razão suficiente para não acreditar, o que não combina com a santidade e a justiça de Deus. A evidência, então, de que esta palavra é de Deus, que é dele, sendo o fundamento da justiça de Deus em seu procedimento contra aqueles que não creem nela, é de necessidade indispensável que ele mesmo também dê essa evidência a isto. De onde mais deveria tê-lo? Do testemunho da igreja, ou da tradição, ou de prováveis incentivos morais que os homens podem oferecer uns aos outros? Então estas duas coisas inevitavelmente seguirão: (1.) Que se os homens devem negligenciar seu dever em dar testemunho da palavra, como eles podem fazer, porque eles são apenas homens, então Deus não pode justamente condenar qualquer homem no mundo pela negligência de sua palavra, ou não acreditarem, ou não obedecerem a ela. E a razão é evidente, porque se eles não têm um fundamento suficiente para acreditar que é dele sem testemunhos que não são dados a ele, é a maior injustiça condená-los por não acreditarem, e devem perecer sem uma causa: pois o que pode ser mais injusto do que punir um homem, especialmente eternamente, por não fazer aquilo que ele não tinha razão justa ou suficiente para fazer? Isto está longe de Deus, a saber, destruir o inocente com o ímpio. (2) Suponha que todos os homens tenham o direito de cumprir o seu dever, e que haja uma tradição completa a respeito da palavra de Deus, que a igreja apresente seu testemunho, e que os homens instruídos produzam seus argumentos para isso; - se esta, toda ou qualquer parte dela, for considerada como a proposição suficiente da Escritura para ser a palavra de Deus, então é a execução da infinita justiça divina construída sobre o testemunho dos homens, o que não é divino ou infalível, mas tal como poderia enganar: e Deus, nesta suposição, deve condenar os homens por não crerem com fé divina e infalível aquilo que lhes é proposto pelos testemunhos e argumentos humanos e falíveis; - "quod absit". Portanto, permanece que a justiça do ato de Deus em condenar os incrédulos é construída sobre a evidência de que o objeto da fé ou palavra a ser acreditada é dele. E isso ele dá a eles, tanto por a impressão de sua majestade e autoridade sobre ela, e pelo poder e eficácia com que pelo seu Espírito é acompanhado. Assim é toda a palavra de Deus constante como uma declaração da sua vontade para nós, pelos meios que ela nos é revelada. Toda transação entre Deus e o homem é sempre confirmada e ratificada por promessas e ameaças, recompensas e punições: “Toda transgressão”.
 
   
Comente o texto do autor. Para isso, faça seu login. Mais textos de SILVIO DUTRA:
A Aliança Eterna, o Suporte do Crente sob Aflição Autor(a):
Confessar e se Arrepender em vez de se Endurecer Autor(a):
Deus nos Ordena Sermos Santos Porque Ele é Santo Autor(a):
Domínio do Pecado ou da Graça Autor(a):
Hebreus 1 - Versos 10 a 12 – P1 Autor(a):
Hebreus 1 - Versos 10 a 12 – P2 Autor(a):
Hebreus 1 - Versos 8 e 9 – P1 Autor(a):
Hebreus 1 - Versos 8 e 9 – P2 Autor(a):
Hebreus 1 – Versículos 1 e 2 Autor(a):
Hebreus 2 - Verso 1 – P1 Autor(a):
Hebreus 2 - Verso 1 – P2 Autor(a):
Hebreus 2 - Versos 2 a 4 – P1 Autor(a):
Hebreus 2 - Versos 2 a 4 – P2 Autor(a):
Hebreus 2 - Versos 2 a 4 – P3 Autor(a):
Hebreus 2 - Versos 2 a 4 – P4 Autor(a):
Hebreus 2 - Versos 5 a 9 – P1 Autor(a):
Hebreus 2 - Versos 5 a 9 – P2 Autor(a):
Hebreus 2 - Versos 5 a 9 – P3 Autor(a):
John Owen - Hebreus 1 - Versos 4 e 5 – P1 Autor(a):
John Owen - Hebreus 1 - Versos 4 e 5 – P2 Autor(a):
John Owen - Hebreus 1 - Versos 4 e 5 – P3 Autor(a):
John Owen - Hebreus 1 – Verso 3 – P1 Autor(a):
John Owen - Hebreus 1 – Verso 3 – P2 Autor(a):
John Owen - Hebreus 1 – Verso 3 – P3 Autor(a):
John Owen - Hebreus 1 – Verso 3 – P4 Autor(a):
John Owen - Hebreus 1 – Versos 1 e 2 – P1 Autor(a):
John Owen - Hebreus 1 – Versos 1 e 2 – P2 Autor(a):
John Owen - Hebreus 1 – Versos 1 e 2 – P3 Autor(a):
John Owen - Hebreus 1 – Versos 1 e 2 – P4 Autor(a):
John Owen - Hebreus 1 – Versos 6 e 7 – P1 Autor(a):

Parceria:

Academia Gonçalense de Letras, Artes e Ciências.